Publicidade

Estado de Minas

Jovens lançam marca de alfaiataria contemporânea que segue os rumos da moda internacional

Novidade no mercado mineiro, etiqueta lança todo mês roupas que mostram minimalismo nas cores, sofisticação nas modelagens e frescor nas tendências


postado em 08/09/2019 04:00 / atualizado em 07/09/2019 20:10

(foto: Gerson Lírio/Divulgação)
(foto: Gerson Lírio/Divulgação)

Alfaiataria pode ser moderna, sim. É o querem mostrar Manu Carletto e Maíra Lobo, que comandam juntas a MaLobo, em Nova Lima. Com a nova marca, as sócias se desafiam a criar peças de alfaiataria sofisticada, mas, ao mesmo tempo, com uma pegada fashionista. Por isso, estão sempre de olho nas tendências. “A indústria da moda muda muito rápido, então temos que inovar sempre. Não queremos deixar a marca ser mais uma no mercado”, pontua Manu.

 

A pantacourt é uma das apostas da marca para evidenciar o seu lado fresh. Tendência que já virou clássico entre as brasileiras, a pantalona curta e mais ampla aparece na MaLobo com uma faixa do mesmo tecido na cintura. Fugindo do óbvio, as sócias apontam para outro modelo que promete encantar as mais fashionistas. Com cintura alta, a calça ajustada ao corpo tem amarração no tornozelo no mesmo estilo do cinto, com fivela e tudo. “Misturamos clássicos com algumas tendências para a alfaiataria não ficar chata, mas existe um limite, porque não queremos perder a sofisticação”, ressalta Manu.


(foto: Henrique Falci/Divulgação)
(foto: Henrique Falci/Divulgação)


A MaLobo mostra o seu lado contemporâneo ao levar o shape de moletom para a alfaiataria, mantendo, inclusive, os elásticos nos punhos e na gola. Confeccionada em crepe, a peça exibe no centro um lobo (símbolo da marca) bordado com pedras coloridas. Manu conta que valoriza muito os trabalhos artesanais. “Hoje em dia, com essa produção tão desenfreada do fast fashion, achamos importante trabalhar com uma produção mais cuidadosa.” Em parceria com um ateliê de São Paulo, elas se preparam para lançar uma linha de camisas de algodão com bordados na gola e no peito.

Blazer não poderia faltar, é claro, mas com uma cara diferente. O modelo criado pela marca chama a atenção por ser mais alongado e bem acinturado. Ele tem fechamento único na frente e dois bolsos discretos. Botões apenas nos punhos.

 

Na categoria peças únicas, a mais vendida, sem dúvida, é o macacão de alfaiataria. Segundo Manu, não tem uma mulher que vista e não se apaixone pelo modelo, com mangas compridas, decote V e cinto do mesmo tecido. Já a jardineira, com uma proposta mais urbana, tem duas fivelas, um bolso de cada lado e calça cropped, podendo ser usada com tênis ou salto alto. Ainda tem um modelo de vestido com botões de cima abaixo, mangas longas e cinto em forma de trança na mesma cor e material.

 

 

(foto: Henrique Falci/Divulgação)
(foto: Henrique Falci/Divulgação)


Os tecidos mais usados pela marca, até agora, são crepe, sarja e um pouco de veludo. Manu explica: primeiro porque são os mais típicos da alfaiataria, depois pela questão da qualidade. Sobre as cores, além dos básicos preto e branco, tem rosa seco, azul-marinho, verde militar e roxo figo. Como a pegada da MaLobo é mais minimalista, basicamente todas as peças são monocromáticas. A exceção fica por conta do xadrez com fundo branco e listras pretas. “Pensamos em mulheres sofisticadas, que gostam de combinar praticidade com estilo e conforto”, resume a sócia.

 

 

(foto: Henrique Falci/Divulgação)
(foto: Henrique Falci/Divulgação)


As sócias da MaLobo não trabalham com coleções. Ligadas ao slow fashion (o que significa priorizar qualidade e exclusividade), elas preferem mostrar novidades todo mês. “A indústria da moda está se desfazendo dessa obrigação de lançar coleção primavera/verão e outono/inverno, cada vez mais marcas aderem a isso, e nós decidimos começar já com essa lógica”, justifica Manu.

 

 

EXCLUSIVIDADE Cada peça tem, no máximo, 15 exemplares. Na etiqueta, aparece o número correspondente à peça adquirida pela cliente, evidenciando a preocupação com a exclusividade. “Além da qualidade, acho que o nosso diferencial está em todo cuidado e carinho com a cliente, desde quando ela nos conhece até quando recebe a sua compra em casa. Pensamos nas embalagens, nas tags, no cheirinho e até na carta que mandamos junto. É o que mais traz valor para a marca.”

(foto: Henrique Falci/Divulgação)
(foto: Henrique Falci/Divulgação)


É curiosa a história da MaLobo, que uniu duas jovens, uma paulista e outra paranaense, em território mineiro. Manu nasceu em Taquaritinga (SP) e Maíra é de Arapongas (PR). Elas se conheceram em Milão, onde faziam cursos diferentes no Instituto Marangoni, escola renomada de moda, arte e design. Manu não pensava em ter marca tão cedo, mas acabou embarcando no projeto da amiga, que já estava decidida a investir em uma alfaiataria mais contemporânea.

 

 

(foto: Henrique Falci/Divulgação)
(foto: Henrique Falci/Divulgação)


Há seis meses, a marca se instalou em Nova Lima. Maíra mora em Minas desde que se casou e Manu vem à cidade pelo menos uma vez por mês. Juntas, elas pesquisam tendências e conversam bastante até decidir qual caminho seguir. Depois, repassam tudo para a estilista, que coloca as ideias no papel. “Prezamos muito pela modelagem. As nossas peças vão e voltam muitas vezes para que fiquem bem em todos os corpos”, reforça Manu. A produção, toda terceirizada, se concentra em BH.

Por enquanto, as vendas são realizadas pelo e-commerce, mas as sócias planejam ter uma loja física. As clientes de Belo Horizonte têm uma vantagem, porque podem receber uma mala de roupas em casa para experimentar e escolher quais vão comprar. 

 

(foto: Henrique Falci/Divulgação)
(foto: Henrique Falci/Divulgação)
 

 

 

 


Publicidade