Publicidade

Estado de Minas

Festa espanhola

Madri Mercedes Benz Fashion Week celebra sua 70ª edição mostrando coleção primavera-verão 2020


postado em 28/07/2019 04:22

Duyo(foto: gabriel bouys/divulgação)
Duyo (foto: gabriel bouys/divulgação)


A segunda edição anual do grande festival de moda espanhol foi de celebração. Além de mostrar a coleção dos estilistas da país, comemorou sua 70ª edição e abriu o calendário de desfiles internacionais do segundo semestre.
 
A novidade ficou por conta do crescimento e internacionalização da plataforma Samsung Ego, que abriu espaço para três marcas, duas delas internacionais, que são referência no mundo da moda por suas propostas inovadoras.
 
Os desfiles ocorreram em diferentes partes da cidade, mas alguns foram realizados no pavilhão do Ifema – Feira de Madri, principalmente o dos novos talentos. As grifes Palomo Espanha, Devota & Lomba, Maria Escote, Maria Ke Fisherman e Oliva retornaram ao fashion week nesta edição, depois de algumas edições ausentes. Momento emocionante ficou por conta da homenagem feita a Leonor Perez Pita, mais conhecida como Cuca Solana, diretora de passarela há mais de três décadas, recentemente falecida.
 
O que se viu nas passarelas do MBMFW foi uma primavera-verão 2020 cheia de cores, e apesar da diversidade dos desfiles foi possível ver um denominador comum: avançar as tendências, que vão desde a readaptação do básico até as tonalidades que tingirão a sua próxima paixão. Jaquetas e terninhos foram reinventados, apostando em shorts que deixam parte da perna à vista e estampas infalíveis como listras.
 
Teresa Helbig levou para a passarela uma coleção inspirada na sociedade romana da década de 1970, focando em mulheres modernas e sofisticadas que gostam de arte, cultura e filosofia. A representação desse conceito foi em roupas etéreas, fluidas e sofisticadas que se tornarão o uniforme #helbigang para a temporada de verão de 2020. A cartela de cores apresentou tons de terra, dourado e pó como protagonistas. O couro e estampas de python também marcam presença.
 
A designer de Toledo Ana Locking apresentou seu breve histórico de mulheres raras. Ternos atípicos em verde e preto misturados com estampas florais e detalhes brilhantes, peças com diferentes texturas, plissados tecnológicos, babados, franjas, malhas, tule bordado, jacquard. Exuberantes e sedutores bodies e minivestidos em tons de nu, rosa, vermelho e metal fecharam o desfile. Uma coleção para incentivar as mulheres não apenas a aceitar suas esquisitices, mas a abraçá-las, reivindicá-las e exibi-las.
 
Juanjo Oliva colocou na passarela uma coleção de estilo britânico que aposta em uma silhueta com cortes e linhas de trapézio que se desprendem do corpo para maior conforto. Os tons mais escuros, como o marrom, preto ou azul-marinho, foram usados em combinações ousadas. Sua coleção confirma que o minimalismo, que causou a fúria da passarela para as ruas, não abandonará as tendências no futuro próximo.
 
O romantismo está presente na coleção da Devota & Lomba. O estilista Modesto Lomba dá forma a suas novas propostas sob o título de Oasis, sob as quais ele cria um jardim em o que estampas florais, laços e babados são o detalhes em seus looks. Isso sem perder seu DNA de silhuetas e corte arquitetônico.
 
O verde clorofila serve como fio condutor para a coleção de Hannibal Laguna, e apesar de ser grande protagonista, é misturado com uma paleta de cores rica onde tem rosa, malva, fúcsia, vermelho, amarelo-limão azul-turquesa, entre outros. Proposta primaveril que encontra em estampas florais e bordados a melhor forma de expressão.
 
Após sua ausência na passarela de Madri em janeiro passado, María Escoté retorna com uma ação sem precedentes: uma coleção criada inteiramente com roupas de segunda mão. Para esta reciclagem, a plataforma Wallapop colabora onde encontrou todos esses designs que renovou para se adaptar ao seu universo criativo em que dá prioridade à cor e aos acabamentos inovadores de gráficos e contrastes de texturas. Embora suas novidades não sejam colocadas à venda, seu objetivo é muito direto: apoiar a sustentabilidade através de um bom uso da moda sem comprar, usar e jogar de forma discriminada e massiva. O resultado são dois estilos: a imagem de motociclista com couro e gráficos e o estilo cowboy, onde as franjas são o enfeite favorito.
 
Roberto Diz buscou nas lembranças da infância em Portugal a inspiração para sua coleção. Estampas florais tradicionais com lenços decorados em cetim ou tricô, e trabalhos em fitas ou redes de pesca com as quais são criados vestidos longos ou mídi e também usada nos tops.
Com o nome de Atelier Madrid, The 2nd Skin Co. mescla a estética da capital espanhola com detalhes do berço da alta-costura. Corpetes e saias  corola são intercalados, como um tapete vermelho com uma longa cauda. Os laços e motivos florais tornam-se o fio de algumas propostas em que a cor fúcsia tem uma presença importante.
 
Ulises Mérida, um dos principais nomes da passarela de Madrid, apresenta o que ele chama de "sua coleção mais casual" por meio de propostas urbanas que dão ênfase especial à cor e ao conforto. A camisa branca é a base para o próximo verão em tamanhos grandes e assimétricos. Para combinar, Mérida incorpora saias ou shorts mídi suaves ou de crochê. Azul, verde, branco, coral, fúcsia são os tons vibrantes que fazem contraponto com o branco.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade