Publicidade

Estado de Minas

Modernos Eternos inaugura sua 4ª edição em BH

Modernos Eternos inaugura na cidade com profissionais de peso, em estilo contemporâneo com pitada de antiguidade


postado em 01/07/2019 18:10 / atualizado em 01/07/2019 19:00

Octavio Davis decorou o espaço de convivência ao ar livre com móveis confeccionados em corda náutica. Além do jardim horizontal, o decorador criou um jardim vertical(foto: Gustavo Xavier/Divulgação)
Octavio Davis decorou o espaço de convivência ao ar livre com móveis confeccionados em corda náutica. Além do jardim horizontal, o decorador criou um jardim vertical (foto: Gustavo Xavier/Divulgação)


Quando fez sua primeira edição em 2016, em uma bela casa na Cidade Jardim, com excelentes profissionais e trazendo para mostras de decoração um conceito inovador, os realizadores da Modernos Eternos sabiam aonde queriam chegar. Não foi fácil o começo, nem para conseguir a participação de arquitetos e decoradores, nem para mobilizar a sociedade para movimentar a mostra com visitas durante todo o período do evento. Apesar do árduo trabalho o resultado foi positivo e alicerçou o terreno para as próximas edições.


No ano seguinte a mostra ocupou novo espaço, uma mansão de concreto no Mangabeiras, em uma área mais conhecida como Clube dos Caçadores, onde permanece até hoje. São quatro andares, vários ambientes, um amplo jardim e uma vista privilegiada para a cidade. Por volta das 17h, o local recebe diversos visitantes que vão para ver dali o belo horizonte ao pôr do sol. A cada edição a Modernos Eternos ganha mais visitantes e consegue transformar a mesma casa em propostas diferentes e mostrar a função real do arquiteto e do designer de interior: modificar o ambiente trazendo aconchego.


A mostra foi criada em 2014, em São Paulo, por Maria di Pace e Sérgio Zobaran, e veio para Belo Horizonte com curadoria e realização de Josette Davis. “Trata-se de uma mostra-boutique sustentável em todos os sentidos, da preservação, recycling e upcycling do mobiliário antigo à ausência de reformas e construções, privilegiando assim as produções, em suas sofisticadas montagens, que se tornam vitrines da decoração mais atual do mundo”, explicam os organizadores.


Geralmente, os profissionais criam seus ambientes homenageando alguém que é ou foi importante para eles, e este ano o destaque fica por conta da homenagem a Dona Lucinha, ao Grupo Mineiro de Moda e ao arquiteto Carico. A cozinha, assinada por Luciana Cardoso, é um ambiente enorme, que recebe também uma ampla mesa em madeira, e uma sala de estar. Apesar de estar muito bonito o ambiente, não se vê muita ligação com a vida da homenageada. Celeno Ivanovo e Luiz Henrique Ribeiro assinam um quarto e o toucador em homenagem ao Grupo Mineiro de Moda. Na parede, quadros de Rodrigo Mogiz em organza com costuras, uma penteadeira assinada pelo designer Jean Gillon e uma roupa do acervo do estilista Renato Loureiro compõem o ambiente. Ana Lúcia Rodarte criou uma saleta em homenagem a Carico usando armário, cadeira, chaise, bolas de madeira criadas pelo arquiteto e do acervo da família, e itens de decoração de que ele mais gostava.


Um destaque deve ser feito à iluminação dos ambientes, que além de valorizar a decoração, a maioria da peças é de grande beleza. Além da exposição, existe uma agenda cultural de palestras diárias e visitas guiadas, durante todo o período da mostra. O renomado chef Léo Paixão é quem assume, pela segunda vez, o restaurante e o bar da casa, que ficam lotados todos os dias, e também são ambientes decorados que fazem parte da exposição.

Ver galeria . 29 Fotos Sandra PennaGustavo Xavier
Sandra Penna (foto: Gustavo Xavier )
 

 

Serviço

Modernos Eternos

Data: até 7 de julho
Horário: terças a sextas, das 16h às 22h,
sábado, das 13h às 22h, domingos das 13h
às 19h Local: Rua Sebastião Dayrell de
Lima, 80, Mangabeiras

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade