Conteúdo para Assinantes

Continue lendo ilimitado o conteúdo para assinantes do Estado de Minas Digital no seu computador e smartphone.

price

Estado de Minas Digital

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas digital por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Não há fronteiras para ser fraterno


postado em 07/04/2019 05:08


Há algum tempo eu vinha ouvindo falar sobre a Fraternidade sem Fronteiras. Sempre tive uma admiração enorme sobre o trabalho realizado pelo  Médicos sem Fronteiras, pois reconhecia que, mais que a vontade de levar ajuda onde parece faltar tudo, seus integrantes carregavam dentro de si uma força, uma coragem e uma determinação que os transformava num tipo de ser invencível. São mortais, adoecem, têm raiva como qualquer outro, mas não esmorecem diante de desafios que convidam à desistência a cada minuto, daí a vitória o cada passo.

Pesquisei mais um pouco e me identifiquei com os ideais da Fraternidade Sem Fronteiras. Afinal nasceu aqui do lado, no Mato Grosso do Sul, fruto de um coração inquieto que acreditou que poderia e deveria fazer algo capaz de transformar outros corações. Não vamos nos deter a contar sua história, o que se pode conhecer com detalhes no site da organização. O que desejo destacar é a força que a união de pessoas em torno de uma ideia, que nasce “pequena”, é capaz de gerar.

Quantas vezes nos desanimamos perante uma negativa de auxílio? Quando encabeçamos, por exemplo, uma campanha de arrecadação de leite para alguma creche começamos cheios de ideais. Vêm as dificuldades. Mal conseguimos sensibilizar um amigo aqui e outro ali, acabamos recuando e colocando a culpa na falta de sensibilidade do mundo, no governo, na escassez do tempo. É cansativo, sem dúvida, bate-se com a cara na porta tantas vezes, que, se muito orgulhoso, o que se faz é cair fora levando consigo a justificativa de ter tentado, mas ter sido impedido de prosseguir.

Porém, o que nos difere desse cidadão, que numa primeira viagem à África voltou com o coração indomável ao longo de oito anos e conseguiu uma rede de contribuintes, em sua maioria no Brasil com extensões mundo afora, capaz de manter projetos assistenciais em seis países e acolher 15 mil pessoas em situação de grande vulnerabilidade? Uma instituição que abriu 45 polos de trabalho, mantém 700 jovens em escolas e distribui 428 mil refeições ao mês?

Sozinho ele muito pouco faria. Sou capaz de garantir que a própria ideia inicial, aquela que o despertou para essa missão, não foi apenas mérito seu. Fazemos quando de fato estamos dispostos a fazer, acreditamo-nos capazes, não fugimos dos desafios, apesar dos momentos de desânimo que são inúmeros, porque como nós existem muitos que querem transformar o mundo. O que precisam é se encontrar, se identificar com os propósitos e ir. Simplesmente se deixar levar, levantar quando o peso nos leva ao chão, empunhar os pulsos toda vez que a preguiça nos ronda. Isso é que transforma o nosso coração e os corações ao redor, sejam pobres em recursos materiais, em saúde física ou privilegiados aos olhos deste mundo. Todos precisamos uns dos outros e como diz um dos slogans do Fraternidade sem Fronteiras: “Juntos vamos mais longe, pela força do amor”.

Quem quiser conhecer mais, sentir na pele o que a união é capaz de despertar, tem a chance de visitar o 3º Encontro Fraternidade Sem Fronteiras, que começa na próxima sexta-feira e vai até domingo, no Mineirão, em BH.


Publicidade