Conteúdo para Assinantes

Continue lendo ilimitado o conteúdo para assinantes do Estado de Minas Digital no seu computador e smartphone.

price

Estado de Minas Digital

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas digital por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Um 2019 repleto de anjos!

Ninguém tem tudo sem precisar de ajuda


postado em 30/12/2018 05:03

 

 

Quando peguei avião pela primeira vez, tive a sorte de ser colocada ao lado de um anjo. Eu tinha por volta de 21 anos e havia marcado com meu marido, namorado na época, de nos encontrarmos em São Paulo. Participava de um congresso e eu, logo que saísse do jornal na sexta-feira, iria encontrá-lo. Entre os tantos equívocos que cometi, o maior foi ter combinado na Praça da Sé, por volta daas 23h da noite, lugar e momento dos mais perigosos de se estar, principalmente para alguém um tanto quanto desatenta a este tipo de problema como eu era na época.


Ao meu lado no avião, havia um homem de meia idade que puxou conversa depois de ver meu enorme interesse em me assentar na janela, local que ele ocupava. Educado, fez sua primeira gentileza, entre uma sequência, que culminou em me acompanhar agarrado a minha mala, ao ponto de encontro, onde ficou me guardando até que meu namorado chegasse. Lamento não me lembrar sequer do primeiro nome dele, pois não demorou muito para reconhecer que ele abrira mão de parte de seu precioso tempo (vivia na ponte aérea e deveria estar louco pra chegar em casa) para se dedicar a alguém que nunca vira e de quem jamais receberia recompensa.


Chamo-o hoje de anjo e acho que isso deve bastar a ele, mesmo que, provavelmente, nãose lembre nem de mim nem do episódio, pois anjos são assim. Cruzamos com eles a todo momento, mas só os reconhece quem se dispõe a vê-los. Não me refiro a àquela atenção de ficar de olhos abertos, a procura. Percebemos-os quando nos dispomos a observar o quanto a vida conspira a nosso favor, mesmo nos momentos mais difíceis.


Antes de ter meus filhos, assumi o compromisso mensal de fazer 30 mantinhas de retalhos que seriam doadas a recém-nascidos de mães carentes. Como o dinheiro era curto, deixava para comprar apenas o recheio delas e esperava conseguir os retalhos de graça. Não houve uma única vez em que meu estoque havia chegado ao fim que uma nova leva a quase que por acaso vinda de uma amiga ou algum anjo desconhecido que ficara sabendo de minha iniciativa. Parei de me preocupar porque sabia que, enquanto continuasse aquele trabalho, não me faltariam recursos para concretizá-lo, o que, claro, não dispensava meu esforço.


Se eu poderia fazer o papel de anjo poderia contar com outros tantos para me fornecer o material que, por sua vez, deveriam ser contemplados com aquilo que precisavam em seu dia a dia pelas mãos de outros. Anjos trabalham em conjuntosem precisar combinar ou estabelecer regras e metas. Como num círculo, ajudam e são ajudados sem muito esforço ou expectativa. Ninguém sobrevive sozinho, ninguém tem tudo sem que precise pedir ajuda. Está nesta dinâmica a beleza da vida e sua essência. Quando perdemos alguém que amamos, nos surgem outras, não para substituir quem partiu, mas para nos amparar e nos sustentar quando acreditamos que a queda seria inevitável. Quando algo trágico nos acontece, há sempre alguém que nos mostra, principalmente através de exemplos pessoais, que é possível sobreviver a tudo e continuar vivendo.


Anjos não se guardam em redomas e muito menos precisam de asas para atingir locais longínquos e etéreos. Eles têm pernas que os conduzem aonde desejam ir, mãos que carregam muito mais que bens materiais, vozes que ultrapassam nossos ouvidos e olhos que nos veem profundos, a ponto de instintivamente perceberem aquilo que somos sem julgar. Agem e seguem em frente, sorrindo sempre, pois conseguem transformar suas ações em energia que se espalha, até onde não importa.


Quantos anjos nos agraciaram em 2018 nunca saberemos. Mas certamente muito mais do que possamos imaginar. A todos o nosso muito obrigada e que em 2019 possamos nos unir a eles, muito mais como companheiros de trabalho que como beneficiários. Isso sim fará o novo ano feliz!


Publicidade