Publicidade

Estado de Minas ICLEI

Belo Horizonte será primeira cidade da América Latina a sediar Iclei


postado em 30/05/2012 12:15 / atualizado em 05/06/2012 11:00

O parque municipal, a prefeitura e arredores terão seus espaços usados durante o evento que acontecerá entre os dias 14 e18 de junho(foto: Celso Santa Rosa/ Divulgação PBH)
O parque municipal, a prefeitura e arredores terão seus espaços usados durante o evento que acontecerá entre os dias 14 e18 de junho (foto: Celso Santa Rosa/ Divulgação PBH)


A capital mineira está em clima de comemoração desde que foi escolhida como sede do Congresso Mundial do Iclei (International Council for Local Environmental Initiatives) ou, em tradução livre, Conselho Internacional para Iniciativas Ambientais Locais. Mas por que BH foi escolhida para sediar um evento desse porte após competir com mais de 35 cidades em todo o mundo? O que a cidade ganha com isso? E afinal, o que é o Iclei?

É a primeira vez que o encontro, realizado a cada três anos, ocorrerá na América Latina. Para cada triênio, as cidades interessadas se apresentam como possíveis anfitriãs e, após uma competição que leva em consideração uma série de questões - como o compromisso com a sustentabilidade, as políticas públicas, legislações e credibilidade -, a cidade é escolhida.

Nos últimos anos, a capital mineira tem implantado políticas voltadas à sustentabilidade como, por exemplo, a proibição da utilização das sacolas plásticas no comércio e pelo menos 16 outras ações que vão desde a implantação de abastecimento por energia solar em prédios públicos e privados até projetos que buscam reestruturar áreas de vilas e favelas. Além disso, o Secretariado do Iclei também queria apostar em uma cidade da América Latina e, por isso, a proposta foi recebida de forma positiva pelo Conselho.

Belo Horizonte faz parte da rede Iclei desde 1993. O evento está previsto para acontecer entre os dias 14 e 18 de junho de 2012. A capital deve receber pelo menos 600 representantes de governos locais vindos de todas as partes do planeta, especialistas em temas de sustentabilidade, representantes de organizações internacionais financiadoras e setor privado de mais de 60 países. Até agora já foram realizadas 969 inscrições, sendo 476 só de estrangeiros . Dentre algumas pessoas renomadas estão o prefeito de Seul, capital da Coréia do Sul, Won-soon Park; o presidente do ICLEI, David Cadman; a secretária de Meio Ambiente do México, Martha Delgado Peralta; o ex-secretário-geral Clube de Roma, Martin Lees, e a ministra brasileira do Meio Ambiente, Izabella Teixeira.

O Iclei tem conseguido resultados significativos e contribuído com avanços em sustentabilidade, apresentando oportunidades de negócios em economia verde para parceiros.

O evento acontecerá dias antes da Rio+b20, duas décadas após o Eco-92 - onde governos locais decidiram tomar medidas em luta pela sustentabilidade, em busca pela redefinição de um novo modelo de desenvolvimento no mundo.

O que é o Iclei?

O Iclei (International Council for Local Environmental Initiatives) ou Conselho Internacional para Iniciativas Ambientais Locais é uma organização que envolve múltiplos países democraticamente e que une grupos governamentais nacionais, locais e regionais na busca pelo desenvolvimento sustentável.

São mais de 1100 grupos- membros, dentre eles associações, cidades e municípios que fazem parte da comunidade do Iclei e que participam das campanhas e programas internacionais. Foi lançado em 1990, na sede das Nações Unidas, em Nova York, sendo que Belo Horizonte é uma dos membros mais antigos, tendo sido aderido três anos após a fundação.

O Conselho gerencia, cria e amplia diferentes campanhas com foco na “sustentabilidade local”, desenvolvendo projetos para garantir a proteção de bens comuns - como qualidade do ar, clima e água - funcionando como uma ponte entre a ação local e as metas propostas em acordos internacionais. Também faz parte das atividades do grupo ajuda a governos locais na promoção da conscientização política sobre questões-chave para o meio ambiente.

Iclei para BH


A cidade sai ganhando como anfitriã do evento, devido à movimentação econômica que ocorrerá com a chegada de participantes provenientes de pelo menos 64 países. De acordo com o secretário municipal adjunto de Relações Internacionais, Rodrigo Perpétuo, sediar um congresso internacional com essas proporções possibilita uma maior exposição da capital mineira em nível mundial. Será, portanto, uma oportunidade para a cidade atrair investimentos nacionais e estrangeiros e de se consolidar como destino para eventos de organizações internacionais.

Para Perpétuo o Iclei também deixará importante legado para a cidade, já que o encontro pode mobilizar a sociedade e sensibilizá-la em relação à temática da sustentabilidade. A sociedade civil, governos em vários níveis, academia, organizações não governamentais, setor privado, entre outros, passam por um processo de conscientização graças à exposição a conteúdos específicos de alta qualidade.

Outro legado citado pelos organizadores do evento é o “selo de sustentabilidade”, que faz parte da proposta de tornar a capital como referência no assunto. Como parte das comemorações do Dia Mundial do Meio Ambiente, a cidade irá realizar a 1ª concessão do certificado a 12 empreendimentos com o “Selo BH Sustentável”. O certificado - que funcionaria como o selo do Inmetro - é uma garantia de performance na área ambiental, que condiciona o atendimento dos índices de eficiência preestabelecidos para diversos itens.

Por último, a presença de 78 prefeitos de 64 países no Congresso Mundial do Iclei reafirmará a divulgação da cidade como referência em sustentabilidade para todo o mundo.

As cidades que sediaram os congressos anteriormente são Edmonton, Canadá (2009); Cidade do Cabo, África do Sul (2006); Atenas, Grécia (2003); Dessau, Alemanha (2000); Saitama, Japão (1995); Toronto, Canadá (1992); Nova York, EUA (1990)

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade