Publicidade

Estado de Minas MUNDO PEIXE

Um tipo de filtro para cada objetivo

Considerada o pulmão do aquário, a filtragem é importante para manter a água limpa e garantir a qualidade de vida dos peixes


postado em 12/09/2015 00:07

A oxigenação da água deve ser feita de acordo com a quantidade e o tamanho dos peixes(foto: Alibaba/Reprodução da internet)
A oxigenação da água deve ser feita de acordo com a quantidade e o tamanho dos peixes (foto: Alibaba/Reprodução da internet)


Manter um aquário em casa é o sonho de muita gente, não só pelo aspecto decorativo, como também pelo efeito terapêutico. Considerada pelos aquaristas o pulmão ou coração do aquário, a filtragem é um dos fatores que determinam o sucesso de um. É por meio dela que a água se mantém limpa, sem odor, e é ela que garante a qualidade de vida dos peixes. Diante de tantas opções de filtro, é comum surgirem dúvidas, e os critérios a serem levados em conta para a compra são vários, sendo os principais o tipo do aquário, se é de água doce ou marinha, o tamanho, a quantidade e o tamanho dos peixes e as espécies que serão introduzidas, pois existem umas que sujam mais e outras menos.

Atualmente, o mercado oferece inúmeros modelos de filtros, como o biológico. Apesar de considerado ultrapassado pelos aquaristas, ainda é utilizado pelos iniciantes, pois tem um custo muito baixo em relação aos outros. O filtro de canister é considerado um dos melhores, mas tem valor muito alto. O filtro interno, que tem como desvantagem ocupar espaço dentro do aquário, não é recomendado para recipientes pequenos. O filtro externo traseiro, que é conhecido como hang-on, é considerado o melhor custo/benefício. O filtro sump, utilizado para aquários grandes e que contém peixes grandes, apresenta facilidade de manutenção. O filtro UV, que não é, necessariamente, um filtro em si, mas se caracteriza pela eficiência na esterilização da água, emitindo radiação e eliminando, assim, células vivas, como bactérias e algas. E o filtro skimmer, exclusivo de aquários marinhos.

VAZÃO O tipo de filtragem também varia, mas são basicamente três. A biológica, realizada por bactérias aeróbicas, que fazem a decomposição da matéria orgânica com gasto de oxigênio. Segundo o aquarista Jockson Melo, essa filtragem é de extrema importância para a manutenção de peixes, pois decompõe a amônia liberada por eles, que chega a ser tóxica. A filtragem mecânica, normalmente realizada por esponjas ou manta acrílica, “basicamente retém partículas maiores em suspensão na água. A troca ou lavagem desse material deve ser feita regularmente, pois logo ele fica saturado”, diz o aquarista. E a filtragem química, realizada por meio do uso de carvão ativado ou de outras resinas deionizadoras, “consiste na eliminação a nível molecular de substâncias que passam direto pela filtragem mecânica. Em caso de uso de algum medicamento, a filtragem química deve ser suspensa”, ressalta Melo.

Para os iniciantes que não dominam o assunto, geralmente é aconselhável a filtragem de cinco a 10 vezes o volume de vazão do aquário por hora. “Para um aquário de 100 litros, o ideal é utilizar filtros com vazão entre 500 e 1.000 litros por hora. Porém, se o aquário tem muitos peixes ou peixes de maior porte, o ideal é utilizar uma base maior do que essa” explica.

Segundo o aquarista, além das funções de decomposição da matéria orgânica, decomposição da amônia tóxica e retenção de partículas, a filtragem contribui com a oxigenação da água, uma vez que os filtros promovem a sua circulação.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade