Publicidade

Estado de Minas 2011

As melhores por segmento

Pesquisa também divide marcas em 14 setores de mercado


postado em 18/10/2011 09:50 / atualizado em 07/11/2012 19:59

Mesmo sem figurar no top 10, Hermes Pardini ganha destaque na área de saúde(foto: Jair Amaral)
Mesmo sem figurar no top 10, Hermes Pardini ganha destaque na área de saúde (foto: Jair Amaral)

Embora sem figurar no ranking das dez marcas mais prestigiadas em Minas, muitas organizações obtiveram excelente avaliação do público na pesquisa Troiano/Idéia nos respectivos segmentos de atuação. As empresas e suas marcas foram relacionadas em 14 setores, com algumas modificações em relação ao levantamento do ano passado,e classificadas em cada um conforme sua posição na listagem geral.

Na prestação de serviços em saúde, o destaque, além da Unimed e da Drogaria Araujo, sétima e nona colocadas no resultado global, foi o Laboratório Hermes Pardini. A empresa,que no primeiro levantamento, em 2010, havia aparecido entre as dez primeiras em duas das seis dimensões avaliadas no estudo – Admiração e confiança e Capacidade de inovação –, manteve-se em posição que pode ser considerada privilegiada: foia13ª colocada na lista geral das 60 organizações pesquisadas.

Terceiro maior laboratório de análises clínicas do país, o que não é pouco em um mercado formado por cerca de 5,2 mil empresas, o Hermes Pardini é referência nacional também em outros segmentos, como biotecnologia, genética e procedimentos veterinários. E tem um importante diferencial em relação aos concorrentes de maior peso: desde a criação do laboratório, em 1959, em uma pequena sala no Centro da capital, seus controladores optaram por trocar as possíveis aquisições de empresas menores, estratégia comumente usada no setor, por investimentos em expansões e na diversificação de serviços.

Desde 1997,o Hermes Pardini atende laboratórios menores, que não contam com os mesmos recursos humanos e tecnológicos. Hoje, com 5 mil clientes pelo Brasil, o laboratório mineiro é líder no segmento de diagnósticos terceirizados, o que responde por 60% do seu faturamento, ou R$ 240 milhões,em 2010.

ALIMENTOS
No ramo da alimentação, além da Itambé, sexta colocada no ranking das dez marcas de maior prestígio no estado, três empresas tiveram posicionamento significativo na lista geral. A Pif Paf Alimentos, depois de figurar na pesquisa divulgada em 2010 entre as dez mais na dimensão "Qualidade de produtos ou serviços", por pouco não entrou no top 10 final desta edição: foi a11ª no ranking e a segunda do setor de alimentos.

Também com boa colocação no ramo e no resultado final estão duas empresas bastante conhecidas dos mineiros e no país,sobretudo, pela produção de massas: as concorrentes Santa Amália, que aparece pela primeira vez na pesquisa e obteve a invejável 12ª colocação, e a Vilma Alimentos, que, no ano passado, chegou a figurar entre as dez mais em qualidade de produtos e serviços e desta vez é a16ª no resultado final.

Na Santa Amália, empresa familiar fundada em 1955, em Machado (MG), a explicação é a conjugação entre a qualidade e a diversificação de produtos. No início, o pastifício, em suas modestas instalações na cidade sul-mineira, produzia 100 quilos de massa por dia em uma única máquina de macarrão, com 20 funcionários. Hoje são, apenas nesse segmento da produção, 240 toneladas diárias em máquinas de última geração e uma estrutura que inclui 1,4 mil empregados.

Já a Vilma Alimentos, fundada em 1925 pelo casal italiano Domingos e Josefina Costa, na capital, o que mantém a empresa em alta no gosto dos mineiros é, segundo o vice-presidente de Vendas e Marketing, Cezar Tavares, a excelência aplicada a todas as etapas do negócio. "Nossa verdade sempre foi a qualidade dos produtos e o atendimento à expectativa dos consumidores", diz. A Vilma lançou, este mês,uma nova divisão, de massas gourmet, batizada de Giuseppina. O investimento foi de R$ 9 milhões em maquinário comprado na Itália, embalagens sofisticadas e divulgação.

TELECOMUNICAÇÕES
Em um segmento com apenas duas representantes, o de telecomunicações, a supremacia da Telemig Vivo, décima colocada no ranking geral, continua não sofrendo ameaça. Mas a marca CTBC Algar permanece bem na avaliação dos mineiros, mesmo tendo caído posições entre as pesquisa de 2010 e a de 2011, do 18º lugar para o31º. Criada há 56 anos, a empresa, do Grupo Algar, conta com uma carteira de 1,4 milhão de clientes nas principais regiões do país.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade