Publicidade

Estado de Minas

Termina a visitação pública e corpo de José Alencar segue para crematório em Contagem


postado em 31/03/2011 13:20 / atualizado em 31/03/2011 17:37

A visitação pública no Palácio da Liberdade já está encerrada e a previsão é de que o corpo do ex-vice-presidente José Alencar seja cremado às 15h, no Cemitério e Crematório Parque Renascer, em Contagem, Região Metropolitana de Belo Horizonte.

Confira a galeria de fotos do funeral em BH

O corpo de José Alencar vai ser recebido com as honras de chefe de Estado. O caixão será levado para a cremação por dois soldados do Exército, dois homens da Força Aérea, dois policiais militares e por dois homens do Corpo de Bombeiros. No cronograma, estão previstas três salvas de tiros de festim e 21 tiros disparados por quatro canhões do tipo obuzeiro 105mm, idênticos aos utilizados na Segunda Guerra Mundial. Por fim, haverá o toque de silêncio em homenagem a Alencar.

No local, já chegaram mais de dez coroas de flores. Também estão presentes 105 soldados do Exército e 70 homens da Força Aérea. O acesso pela BR-040 tem trânsito normal e a guarda do cortejo é feita por homens da Polícia Militar, da Polícia Rodoviária Federal e do pessoal da Transcon, de Contagem.

A movimentação de curiosos foi pequena, mas atraiu admiradores do ex-vice-presidente. A dona de casa Nadir Olívia da Silveira, de 67 anos, foi se despedir de Alencar porque "ele foi uma pessoa muito boa". Ela compareceu ao crematório na companhia do filho, Lorival José da Silveira, de 40 anos, portador de necessidades especiais. Lorival inistiu para ir ao local, motivado pela força que Alencar teve para lutar contao câncer. "Ele foi uma pessoa muito forte e teve uma doença que muita gente tem e não consegue sobreviver nesses 14 anos", afirma.

A aposentada Célia de Souza Orlani, 72 anos, lembrou que foi ao velório de Tancredo Neves, em 1985, mas não conseguiu ver o corpo, por causa da multidão presente na cerimônia. Dessa vez, ela fez questão de dar adeus ao ex-vice-presidente que ela tanto admira. "Sou fã dele. José Alencar é como um irmão para mim, mesmo eu o conhecendo apenas pela televisão. No tempo em que ele ficou doente, rezei para ele", conta. Célia acrescenta: "Dobro os joelhos todos os dias com os terços na mão". 

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade