Publicidade

Estado de Minas

Museus mineiros sobre a Segunda Guerra foram fundamentais para realização de Heróis


postado em 26/07/2011 07:57 / atualizado em 26/07/2011 08:31

Cenas de Heróis, do mineiro Guto Aeraphe, que terá novidades relatadas nesta terça, 26, no Jornal da Alterosa (foto: Elisângela Guanaira/Divulgação)
Cenas de Heróis, do mineiro Guto Aeraphe, que terá novidades relatadas nesta terça, 26, no Jornal da Alterosa (foto: Elisângela Guanaira/Divulgação)
Espaços importantes para preservação de informação sobre a atuação brasileira na Segunda Guerra Mundial, os museus militares contam com endereços dignos de visita em Minas, entre eles o do 11º Batalhão de Infantaria de Montanha – Regimento Tiradentes, em São João del-Rei, e o da Associação Nacional dos Veteranos da Força Expedicionária Brasileira, em Belo Horizonte. Ambos são abertos ao público e têm entrada franca.

Assista ao segundo episódio de Heróis!

“A importância desse museu é o fato de manter viva a memória da participação do nosso batalhão na guerra. As visitas preservam isso. Muita gente (principalmente os mais novos) ignora essa participação. Professores de colégio não falam disso para os alunos. Tivemos, no total, 481 brasileiros mortos em combate, sem falar nos desaparecidos. Isso é uma grande perda para uma tropa”, avalia o capitão Ary Roberto de Abreu, um dos responsáveis pela instituição em São João del-Rei.

Foi justamente o 11º Batalhão de Infantaria de Montanha, onde está esse museu, que auxiliou o diretor mineiro Guto Aeraphe na produção do filme Heróis, cujo segundo episódio estará disponível a partir desta terça-feira, 26 de julho, no hotsite especial www.em.com.br. Lá estão infografias sobre a guerra, galeria de fotos e seção de extras (como papel de parede). O Jornal da Alterosa também tratará da novidade hoje em sua edição das 13h, na Alterosa.

Média-metragem de 35 minutos, Heróis foi dividido em cinco episódios, disponibilizados um por vez no hotsite, sempre às terças-feiras. O foco é a participação brasileira na Batalha de Montese, na Itália, durante a Segunda Guerra Mundial, com destaque para três mineiros que morreram em batalha: Geraldo Baêta da Cruz, de Entre Rios de Minas; Arlindo Lúcio da Silva, de São João del-Rei e Geraldo Rodrigues de Sousa, de Rio Preto. Eles lutavam contra os alemães.

Acervo No caso do museu em São João del-Rei, armas (curtas, longas, automáticas, semiautomáticas etc.), munição, roupas, fotos e objetos variados fazem parte do acervo, bem como quadro com pintura que retrata a paisagem da cidade italiana de Montese, onde ocorreu o combate envolvendo os militares brasileiros. Parte dessas peças chegou a ser usada na guerra.

Em Belo Horizonte também há interessantes artefatos relativos ao mesmo episódio histórico no Museu da Associação Nacional dos Veteranos da Força Expedicionária Brasileira. Entre eles, objetos usados pelos adversários alemães, como capacetes. Uniforme, saco de campanha, armas (metralhadoras, pistolas, granadas), medalhas e até equipamentos de comunicação da época.

A SAGA NA TV
Apesar de concebido como média-metragem, Heróis poderá se tornar minissérie na televisão. Certo do grande potencial da internet, o diretor Guto Aeraphe quer popularizar a produção na rede antes de levá-la à telinha. Sua ideia é transformar a saga dos brasileiros na Segunda Guerra Mundial em cinco capítulos de cerca de 50 minutos, cada. O projeto atual, disponível com exclusividade no www.em.com.br, é ensaio dessa iniciativa.

  • Tags
  • #
Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade