Publicidade

Estado de Minas Energia

Economia com bem-estar

Tecnologia aplicada no setor de energia gera economia de consumo e garante ganho ambiental. Investimento em educação amplia conscientização e efeitos do programa de eficiência energética


postado em 26/08/2012 07:00 / atualizado em 24/08/2012 14:08

A professora Elizabeth Marques Duarte Pereira, do Centro Universitário UNA, coordena o programa que capacita jovens para o uso da energia solar em Minas(foto: Divulgação / Juliana Flister)
A professora Elizabeth Marques Duarte Pereira, do Centro Universitário UNA, coordena o programa que capacita jovens para o uso da energia solar em Minas (foto: Divulgação / Juliana Flister)


A busca pela eficiência energética é um caminho sem volta, percorrido por governos, empresas e cidadãos em todo o mundo, traduzindo-se em economia de energia, de recursos naturais e de dinheiro. Desde a década de 1980, a Eletrobras desenvolve o Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica (Eletrobras Procel), cujos resultados implicam em menor impacto ambiental, com a redução do consumo e da emissão de gás carbônico - proveniente da queima de combustíveis - e com a realização de um maior planejamento em relação aos investimentos no setor, o que significa, inclusive, adiar a ampliação da infraestrutura, como a construção de usinas e de redes de transmissão.

Criado em dezembro de 1985, o Eletrobras Procel contribui com ações que reforçam a posição do Brasil em direção à sustentabilidade do setor, atuando em diversas linhas que abrangem da produção industrial, iluminação pública e transportes até a área de educação. Mantido com recursos da empresa, da Reserva Global de Reversão (RGR) e de entidades internacionais, o programa permitiu, no ano passado, uma economia de 6,696 bilhões de KWh, correspondendo a 1,56% de todo o consumo de energia do Brasil em 2011.

O montante equivale à energia fornecida, durante um ano por uma usina hidrelétrica com capacidade de 1.606MW, ou ao abastecimento de 3,59 milhões de residências no mesmo período, tendo-se em conta o consumo médio de 155,4 kWh/mês de uma residência. Se considerarmos os resultados desde a sua criação até o passado, o Procel possibilitou a incrível marca de 51,23 bilhões de kWh não consumidos, o suficiente para atender 27 milhões de lares durante um ano, o que demandaria a energia produzida em um ano por uma hidrelétrica de 12.286MW de capacidade.

Preservação

O ganho ambiental do Procel pode ser exemplificado pela não emissão de 196 mil toneladas de CO² equivalente na atmosfera (tendo por base do Fator Médio de Emissão de CO² Equivalente do Sistema Interligado Nacional do Brasil). Para melhor entender a importância desse resultado, basta pensar que esse é o índice de CO² emitido por 67 mil veículos em um ano.

Bem-estar

De acordo com o gerente da Divisão de Planejamento e Fomento da Eletrobras, Emerson Salvador, o programa é bem-sucedido porque, além de tornar eficiente o consumo, visa o bem-estar da população. "Trabalhamos na perspectiva de que deve haver o ganho econômico, mas sem perder a qualidade dos produto oferecidos. Existe hoje tecnologia capaz de clarear um ambiente com menor gasto de energia elétrica e precisamos incentivar o uso dessa tecnologia", diz.

O Procel trabalha com 11 subprogramas, consolidando ações em diferentes níveis, atingindo desde os setores produtivos até o de educação. Desde 1993, por exemplo, o programa conta com frentes de atuação que atingem alunos das escolas de ensino fundamental às universidades. Em 2011, foram realizados investimentos de R$ 4.642.883,70 em projetos que seguem três linhas: Educação para Eficiência Energética na Educação Básica: o Procel nas Escolas; Educação para Eficiência Energética na Formação Profissional, níveis técnico, superior e pós-graduação; Rede de Laboratórios e Centros de Pesquisa em Eficiência Energética.

Currículo

No município de Delfim Moreira, no Sul de Minas, funciona o Núcleo Integrado de Capacitação Técnica, fruto de convênio entre a Eletrobras e a Fundação Roge, para capacitação de alunos de cursos técnicos no meio urbano e rural. O convênio permitiu a aquisição, no ano passado, de equipamentos e bancadas para uso nas aulas. Também funciona na Fundação o Programa Piloto de Conservação de Energia no Meio Rural: Estudo de Caso nas Terras Altas da Mantiqueira, que trata da otimização do uso e da exploração da eletricidades e dos recursos hídricos no meio rural.

No câmpus da Universidade Federal de Itajubá, também no Sul do estado, a Eletrobras ajuda a manter o Centro de Excelência em Eficiência Energética (Excen), inaugurado em 2006, num prédio construído para ser um exemplo do próprio programa. Por isso, na edificação foram adotados, entre outros, sistemas para otimização da luz solar para iluminação dos ambientes e de aproveitamento da água de chuva para fins sanitários e jardinagem.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade