Publicidade

Estado de Minas HISTÓRIA DO BRASIL

A revolta que pretendia criar um Estado Islâmico na Bahia

A incrível história do levante dos africanos de origem muçulmana no Brasil.


postado em 16/04/2018 10:03 / atualizado em 16/04/2018 12:57

 

Em 1835, na cidade de Salvador, na Província da Bahia, ocorreu um levante: A Revolta dos Malês.

Fragmentos de páginas em árabe encontradas com os malês.(foto: Internet)
Fragmentos de páginas em árabe encontradas com os malês. (foto: Internet)

Os malês eram negros e/ou escravos. Muitos escravos malês trabalhavam como negros de ganho, ou seja, prestavam serviços na cidade e o ganho auferido era destinado aos seus proprietários. A expressão malê, de origem africana, significa aquele que é muçulmano. Muitos malês em Salvador eram africanos, falavam e escreviam em árabe.

Fotos de malês de origem nagô e muçulmanos. Detalhe de todos estarem descalços, marca dos escravos no Brasil.(foto: Internet)
Fotos de malês de origem nagô e muçulmanos. Detalhe de todos estarem descalços, marca dos escravos no Brasil. (foto: Internet)

O levante foi provocado pelo próprio sistema escravagista, que vigorava aqui desde os primórdios da colonização. Não só os escravos, mas boa parte da população brasileira vivia as agruras de um sistema explorador. Os escravos sofriam muito mais, com certeza. Além dos malês, participaram outros negros que almejavam a liberdade e uma pátria onde pudessem viver com dignidade.

 

As autoridades foram avisadas por meio de uma denúncia. Inferiores em componentes e armamentos, os malês foram massacrados em janeiro de 1835. Dezenas morreram. Muitos foram presos, condenados à morte, açoites e expulsão.

Centro Islâmico da Bahia: Herança dos malês em Salvador. (foto: Internet)
Centro Islâmico da Bahia: Herança dos malês em Salvador. (foto: Internet)
 

Apesar do fracasso, o levante mostrou à elite branca brasileira que o sistema escravista não era infalível. Os escravos resistiam. Dado ao envolvimento de muçulmanos no movimento, fica a pergunta: Se os malês tivessem tomado efetivamente o poder, como desejavam, o que seria da Bahia de Todos os Santos? Uma Bahia de Alá?

Newton Miranda é arquiteto e professor de História do Percurso Pré-vestibular e Enem

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade