Publicidade

Estado de Minas SOCIOLOGIA

Marx e Mariana: que coisa mais incômoda!


postado em 14/11/2015 14:32 / atualizado em 16/11/2015 11:52

Nascido na Alemanha em 1818, Karl Marx tornou-se um dos pensadores mais importantes e influentes de toda a história. Suas ideias transformaram o mundo de tal forma, que nunca mais foi possível compreender a sociedade, a política e a história distante de seus questionamentos e críticas. De fato, um homem que mudou o mundo!

Dizem que apenas 30 anos depois a sua morte, suas ideias já alcançavam os cantos mais escondidos do mundo, e mudavam o modo como os homens compreendiam a sociedade e a si próprios como agentes de transformação e produção da própria existência. Dizem as más línguas, que o pensamento de Marx alcançou lugares em que o próprio cristianismo ainda não havia chegado.

Karl Marx - a mudança da estrutura mudaria a natureza do homem.(foto: John Jabez Edwin Mayall)
Karl Marx - a mudança da estrutura mudaria a natureza do homem. (foto: John Jabez Edwin Mayall)

A verdade é que suas frases e ideias (adaptadas a gosto do freguês) são mais citadas nas rodas de conversa, nos bancos das universidades e até nas homilias das catedrais, do que propriamente conhecidas e entendidas. Sua barba longa, robusta e grisalha é facilmente reconhecida, mas suas ideias revolucionárias e profundamente humanas, raramente compreendidas. Mas não se preocupe, a fama faz isso mesmo. Mas, o que Marx tem a ver com Mariana?

Fim de Bento Rodrigues: descaso em nome do lucro.(foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A.Press)
Fim de Bento Rodrigues: descaso em nome do lucro. (foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A.Press)

Então vamos ao mais importante... Uma semana após o desastre do rompimentos das barragens na cidade de Mariana, MG, o que restou foi apenas o lamaçal. Lama fétida dos resquícios da mineração, é verdade. Porém, mais podre do que a lama material, restou o cheiro do sofrimento, da morte, da dor, do descaso, da mentira e do abandono, que se espalha por todo o país.

A vida e os sonhos, em sua simplicidade e abundância, que pulsava por entre o mar de montanhas daquele canto de Minas, no cheiro do café novo nas cozinhas de tantas donas Marias e "seus" Joãos que por ali garantiam as vidas simples e dignas, suas e dos seus, fora ceifada pela lama da irresponsabilidade e incompetência.

O velho barbudo, cujas ideias mudaram o mundo, um dia afirmou que o sistema baseado no dinheiro, que busca o lucro pela exploração dos donos imposta àqueles que não o são, tem o condão, a magia de transformar pessoas em coisas.

Desespero dos desabrigados: segundo Marx as pessoas, a dor e o sentimentos são apenas
Desespero dos desabrigados: segundo Marx as pessoas, a dor e o sentimentos são apenas "coisas" dentro do sistema capitalista. (foto: Marcos Vieira - 06/11/2015)

O nome difícil para esta metamorfose é reificação (res: coisa), que chamaremos, para as "donas" Marias e "seus" Joãos nos entenderem, de coisificação. É isso... nesse sistema movido pelo dinheiro, pelo lucro, deixamos de ser pessoas e nos tornamos "coisas".

E compreendam o rumo de nossa conversa: quando o ser humano deixa de ser humano, tornando-se apenas "coisa", ele perde, com a força da lama, a sua dignidade. E uma "coisa", tal como um chinelo velho, um par de roupas, a fotografia que nunca mais será encontrada, não merece respeito, dignidade ou esperança. Ao contrário, pode ser tratada como um objeto que serve a algum fim. Afinal, não é mais que uma mera "coisa"... E quando tais "coisas" são assoladas pela cachoeira de lama e de descaso, que mata sonhos, histórias, além de vidas, o que resta a fazer?

A esperança de mudança é a fagulha que, em algum tempo, irá propagar... Afinal, o mesmo barbudo que disse que o sistema do dinheiro transforma pessoas em "coisas", também afirmou que, quando as "coisas" acordarem de suas cavernas interiores, o mundo também irá mudar. Que venha a mudança, trazendo consigo a consciência, a dignidade, a esperança, a vida, o sonho e tudo o mais que pode ressuscitar da terra, da lama, do caos.

 

Acesse aqui a aula com o conteúdo sobre Karl Marx que é cobrado no Enem e vestibulares.

 

Richard Garcia é professor de Filosofia, Sociologia e Atualidades do Percurso Pré-vestibular e Enem.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade