Publicidade

Estado de Minas REDAÇÃO

Terrorismo: a definição do mal

Resumo para auxiliar na redação sobre o terrorismo


postado em 24/06/2015 12:12 / atualizado em 24/06/2015 13:37

Apesar do uso da palavra "Terrorismo" nos dias de hoje ser vinculado ao uso da violência inaceitável, como o caso do Charles Hebdo na França e as ações do Estado Islâmico, a sua definição e variedades são tão amplas, que já foi utilizada como uma forma de combater a opressão e tinha um contexto revolucionário nas décadas de 60 e 70.

Há também uma confusão entre os termos Terrorismo, Fundamentalismo Religioso e Islamismo. Nem sempre os grupos fundamentalistas religiosos são terroristas e muito menos grupos islâmicos são terroristas e fundamentalistas religiosos. Para você saber mais sobre isso, veja a aula do prof. Richard Garcia de Filosofia, disponível aqui: https://youtu.be/i_6A9o9cWL8

Boko Haram na África: assassinatos, raptos e estupros de meninas.(foto: Internet)
Boko Haram na África: assassinatos, raptos e estupros de meninas. (foto: Internet)
 

Ações terroristas típicas incluem assassinatos, sequestros, explosões de bombas, matanças indiscriminadas, raptos e linchamentos. É uma estratégia política e não militar, e é levada a cabo por grupos que não são fortes o suficiente para efetuar ataques abertos, sendo utilizada em época de paz, conflito e guerra. A intenção mais comum do terrorismo é causar um estado de medo na população ou em setores específicos da população, com o objetivo de provocar num inimigo (ou seu governo) uma mudança de comportamento.

Vídeo do Estado Islâmico (EI) mostrando a execução de militares sírios por decapitação. (foto: Twitter)
Vídeo do Estado Islâmico (EI) mostrando a execução de militares sírios por decapitação. (foto: Twitter)
 

A violência banalizada

Segundo o filosofo Jean Baudrilliard, os ataques terroristas de 11 de setembro foram o acontecimento do século devido ao impacto na sociedade, a violência banalizada e amplificado pelo poder da mídia. Ele também acreditava que o terrorismo atual, pela sua falta de consistência ideológica, consiste quase em um desastre aleatório, onde os indivíduos são atingidas pela violência das forças naturais. A vitima do terrorismo é ocasionada pela sorte, ou melhor, pela falta dela. A violência existe por si, e não há uma mudança ou crítica à sociedade.

Terror: a história do mal

Reino do Terror na Revolução Francesa: decapitações e mortes aleatórias.(foto: Internet)
Reino do Terror na Revolução Francesa: decapitações e mortes aleatórias. (foto: Internet)

Entretanto o uso sistemático de terror como recurso de controle social e político tem acompanhado a humanidade por milênios. O historiador Xenofonte (430-349 a.C.) conta que o terrorismo era praticado pelos governos das cidades gregas como forma de guerra psicológica contra populações inimigas. Também semearam o terror os imperadores romanos Tibério e Calígula, os membros da Santa Inquisição, Robespierre e seus adeptos, os integrantes da Ku Klux Klan, as milícias nazistas e muitos outros.

 

Artigo do Percurso Pré-vestibular e Enem.

 

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade