Publicidade

Estado de Minas

Não foi bem no primeiro dia de Enem? Não desanime, recomendam especialistas

É o 'conjunto da obra' que conta no exame e, por isso, nem quem foi mal no primeiro dia de provas deve desistir. Focar no futuro é essencial na reta final


postado em 10/11/2018 09:00 / atualizado em 11/11/2018 10:40

Danielly Cristinne Oliveira Ribeiro, de 22, que estuda em faculdade particular:
Danielly Cristinne Oliveira Ribeiro, de 22, que estuda em faculdade particular: "Tive um desempenho regular na primeira prova, mas vou continuar confiante. Quero mudar para o curso de letras na UFMG" (foto: Gladyston Rorigues/EM/D.A Press )

Sem desespero e, muito menos, desânimo. Essa é a dica de educadores para os estudantes que, neste domingo (11), fazem as últimas provas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2018 – ciências da natureza e suas tecnologias e matemática e suas tecnologias, com duração de cinco horas destinadas à resolução de 90 questões. Segundo Marco Aurélio Ferreira Alves, coordenador pedagógico do Colégio Nossa Senhora das Dores, no Bairro Floresta, na Região Leste de Belo Horizonte, o Enem é o “conjunto da obra”, então o candidato não deve desistir de continuar participando.


Marco Aurélio explica que a correção das provas do Enem, nas quais se avaliam conhecimento e habilidade, é muito diferente do usual ou das realizadas em sala de aula no ensino médio. “Por isso mesmo, ninguém pode sofrer por antecipação, pensando que já perdeu. O melhor é manter a tranquilidade e procurar ficar bem, pois o lado emocional interfere demais na hora de responder as questões”, afirma o professor, lembrando que o resultado positivo na redação e na prova de matemática fazem a diferença.


Sabrina Lorena de Oliveira, de 23 anos, comerciária:
Sabrina Lorena de Oliveira, de 23 anos, comerciária: "Quero muito fazer o curso de biomedicina, por isso não desisto de um bom resultado no Enem, muito menos de fazer a prova neste domingo" (foto: Gladyston Rorigues/EM/D.A Press)

A comerciária Sabrina Lorena de Oliveira, de 23 anos, moradora do Centro da capital fez a prova no domingo passado em Três Marias, na Região Central, onde mora a família. No seu segundo Enem e interessada em estudar biomedicina, Sabrina tem “problemas com química, física e matemática”, mas nem por isso perde o entusiasmo. “Fico supernervosa, pois sou melhor na área de humanas”, conta a jovem que tem como meta a faculdade. “Quero muito fazer o curso superior. Vou até o fim”, ressalta.


Na mesma loja, no Bairro Funcionários, na Região Centro-Sul, trabalha Isabella Trindade, de 19, moradora do Bairro Letícia, em Venda Nova. No ano passado, ela fez cursinho e este ano, com o emprego, deixou de lado os livros, cadernos e apostilas. Certa da escolha profissional (psicologia), a comerciária informa que seu desempenho, baseado em gabaritos extraoficiais, foi regular. “Mas não posso parar, não, tenho que fazer faculdade”, confessa com segurança.


De acordo com o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), autarquia do Ministério da Educação, o Enem 2018 registrou o menor percentual de ausentes (24,9%) desde 2009, quando passou a ter dois dias de aplicação. Domingo passado, primeiro dia de prova, 1,4 milhão de participantes faltaram. Os organizadores, em nota, informam que “como a abstenção é um dado que considera os dois dias de aplicação, esse número pode diminuir, mas não aumentar”. O Enem 2018 teve 5,5 milhões de inscrições confirmadas. Entre 2013 e 2017, as ausências levaram a um prejuízo de quase R$ 1 bilhão aos cofres públicos. Dos mais de 2 milhões de ausentes no Enem 2017, 84% estavam isentos do pagamento da taxa de inscrição e apenas 4.345 (0,2%) conseguiram justificar a ausência e garantir a isenção também em 2018.


SEM PARAR
“Se não for agora, ano que vem tem mais”, diz, confiante, Guilherme Octávio Dias Viana, de 17, aluno de escola pública e morador do Bairro Santa Terezinha, na Região da Pampulha. Entusiasmado em cursar engenharia mecânica, o jovem diz que o seu forte é a área de exatas. “Agora é para valer. Quero tirar uma boa nota”, observou. Estudante de análise e desenvolvimento de sistemas em faculdade particular, Danielly Cristinne Oliveira Ribeiro, de 22, quer mudar para letras, de preferência na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e tentar o Prouni, para, se aprovada, ficar livre das mensalidades. O desempenho na semana passada foi regular, mas não dá para parar, acredita a vendedora, que gosta de escrever e já lançou um livro físico e na plataforma digital, Sinto muito, meu amor, com o nome de Danielly Cor (as três letras do sobrenome).


O professor Eduardo Calbucci, um dos fundadores do Programa Semente, presente em todo país, destaca a importância de comparecer ao segundo dia de prova “mesmo que o resultado do primeiro dia tenha sido aparentemente ruim”. Lembrando que a taxa de abstenção no segundo dia do Enem 2017 foi de 32%, Calbucci afirma que um dos motivos que podem levar à abstenção no segundo dia são os pensamentos que aparecem na semana posterior à aplicação do primeiro caderno. “Muitas vezes, as emoções preponderantes na primeira prova são ansiedade e preocupação. Já na segunda, os candidatos podem apresentar sentimentos negativos como frustração e desânimo”.

Focar no futuro se torna essencial, “porque ele não pode mudar o passado”. E o professor Calbucci faz questão de animar os candidatos: “Quando pensamos no aumento da abstenção, vemos que muitos não conseguem esse resultado porque faltam resiliência e determinação. E, às vezes, descobrem que, no fim das contas, não tinham ido tão mal no primeiro dia. Independentemente do que ocorreu na primeira prova, se algo não deu certo, é preciso transformar aquele erro em aprendizado e fazer com que aquilo não se repita.”


Então, vale o conselho de Débora Avelar, de 18, moradora do Bairro Pirajá, na Região Nordeste da capital. Bem preparada para a prova deste domingo, ela não esconde a ansiedade. “O segundo domingo é mais minha área. Estou, agora, relaxando a mente, em casa, e o corpo, fazendo caminhadas. Assim, fico bem tranquila”, diz a jovem.

Não perca, neste domingo gabarito extraoficial das provas do Enem 2018, parceria Chromos/Portal Uai.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade