Publicidade

Estado de Minas

Tema de redação do Enem desagrada candidatos em São Paulo


postado em 09/11/2014 18:16

O tema da redação surpreendeu candidatos ao Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) que fizeram prova no campus Universidade Paulista (Unip), no bairro do Jaguaré, zona oeste paulistana. Muitos já deixavam o local de prova às 15h, tempo mínimo para concluir o exame. Entre os assuntos que eram apontados como prováveis nos concursos preparatórios, estavam os 50 anos do golpe militar, a crise hídrica e a Copa do Mundo. Publicidade infantil, no entanto, foi o tema que desafiou os candidatos.

“Foi totalmente inesperado. Pensamos em todos os temas possíveis menos este. Ninguém estudou”, avaliou Domenica Batista, 17 anos, que tenta pela primeira vez o Enem e espera conseguir uma vaga no curso de gastronomia. Ao lado do amigo Felipe Souza, 17 anos, a maior reclamação era mesmo a redação. “Achei ridículo. Não consegui desenvolver direito”, apontou ele, que vai tentar o curso de educação física. Eles acreditam, no entanto, que, se muitas pessoas estão reclamando, deve ter sido algo ruim para todo mundo.

A estudante Gabriela Santos, 17 anos, achou as questões de ontem (8) mais fáceis e também reclamou do assunto escolhido para a redação. “Não imaginava esse tema”, declarou. Ela espera que o resultado das outras questões permitam que ela consiga uma vaga em um curso de administração ou direito.

Edmilson Azevedo, 19 anos, já cursa direito e fez o Enem para conseguir um financiamento estudantil. Ele tomou como base os textos da prova para escrever sobre publicidade infantil. “Fiz em 15 minutos. Acho que foi suficiente”, relatou.

Já a prova de matemática não agradou Giovanna Helena Martinasso, 16 anos. Ela tenta o Enem como treineira e somente no próximo ano a prova valerá para o ingresso em uma faculdade. “Achei que muitas questões eu não estudei ainda, porque são matérias do terceiro ano”, apontou. Na redação, apesar de também achar que o tema foi uma surpresa, ela acredita que foi bem. “Eu li sobre o tema em uma aula do curso de inglês e isso me ajudou”, avaliou. Ela deixou o local de prova por volta das 16h. “Se soubesse mais matemática, teria ficado mais”, declarou.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade