Publicidade

Estado de Minas

Menina que denunciou escola pelo Facebook consegue melhorias

Secretaria de Educação de Florianópolis anuncia melhorias em instituição que inspirou página de adolescente no Facebook


postado em 29/08/2012 07:34 / atualizado em 29/08/2012 11:30

(foto: Reprodução Facebook)
(foto: Reprodução Facebook)

São Paulo
– Em menos de um dia, a estudante catarinense Isadora Faber, de 13 anos , viu a página que criou no Facebook para mostrar os problemas de sua escola ganhar mais de 100 mil seguidores e precisou faltar à aula para atender a todos os pedidos de entrevistas. O motivo é o Diário de Classe, uma espécie de comunidade virtual criada por Isadora para apontar e buscar soluções para os problemas da Escola Básica Municipal Maria Tomázia Coelho, em Florianópolis, onde ela cursa o 7º ano.

A página virtual criada em 13 de julho apresenta textos, vídeos e fotos sobre professores e aulas consideradas ruins por ela, além de danos estruturais, como bancos quebrados, portas estragadas e fiação elétrica precária. A aluna disse os colegas reclamavam dos problemas constantemente, por isso, teve a ideia de criar a página.

A primeira denúncia foi sobre a porta do banheiro feminino, que não tinha fechadura. Depois, ela publicou uma foto de um interruptor aberto e escreveu que os alunos juntavam os fios para que o ventilador funcionasse. Em seguida, vieram bancos quebrados no refeitório, problemas no portão de entrada da escola e até um vídeo gravado de uma aula de matemática, que mostra uma bagunça na sala.

Além de alterar a rotina da aluna, a repercussão do caso motivou ontem, uma reunião entre a diretoria, educadores e membros da Secretaria de Educação de Florianópolis. Segundo a diretora Liziane Diaz Farias, parte dos problemas de infraestrutura mostrados na página – como fios desencapados e janelas quebradas – foram corrigidos. O restante, segundo ela, deve ser solucionado nos próximos dias.

Em nota, a Secretaria de Educação diz que determinou uma reforma na escola. Também afirma que fará campanhas para preservação do patrimônio e estuda substituir um dos professores. Segundo a aluna, a turma tem dificuldade de aprender com ele. A nota diz ainda que a diretora da escola “assume publicamente a fragilidade na administração” da escola.

A diretora negou que tenha pedido para retirar a página do ar. “Em nenhum momento fomos contra, só tivemos cuidado para que ela e outras pessoas tivessem a imagem preservada”, garantiu. A diretora afirmou que a equipe pedagógica achou a iniciativa positiva: “Nosso objetivo, que é formar uma pessoa crítica, conseguimos”. A mãe de Isadora, Mel Faber, conta que a família apoia a menina. Depois da repercussão, Isadora diz que tem três planos: voltar à aula, continuar a fazer o Diário de Classe e, no futuro, tornar-se jornalista.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade