Publicidade

Estado de Minas

Desembargador culpa MP e advogados de defesa por demora para analisar apelação de Bruno

O magistrado lembrou ainda que o Judiciário vive problemas com a falta de pessoal e estrutura e defendeu que a demora é mais grave para réus que ainda não foram julgados - o que não é o caso de Bruno


postado em 13/03/2017 18:26 / atualizado em 13/03/2017 23:04

Em entrevista ao Estado de Minas nesta segunda-feira, o desembargador Doorgal de Andrada, relator do processo envolvendo o goleiro Bruno, culpou a defesa e o Ministério Público pela lentidão no julgamento do recurso. “Nestes três anos, posso afirmar que possivelmente perto de uns dois anos, o processo ficou em mãos de advogados de defesa e também do MP”, afirmou. O magistrado lembrou ainda que o Judiciário vive problemas com a falta de pessoal e estrutura, e defendeu que a demora é mais grave para réus que ainda não foram julgados – o que não é o caso de Bruno.

A defesa do goleiro Bruno alegou demora no julgamento do recurso de apelação para pedir a soltura dele. Já são mais de três anos de tramitação do recurso. Por que ele não foi julgado até hoje?

Não posso falar sobre o mérito do processo, apenas esclarecer sobre o que é público e sobre regras processualistas que estão na lei. Há uma diferença entre réu aguardando julgamento e o réu já condenado. No caso, trata-se de réu já condenado a 22 anos e 3 meses de reclusão. No 2º grau, como no 1º, temos que seguir a tramitação processual legal. Por exemplo, foram ajuizados várias apelações, recursos em sentido estrito, embargos, recursos especial e extraordinário. Em todos eles, todas as partes têm que se manifestar e também o Ministério Público. Não se pode subtrair o direito da defesa. Teve um réu que ficou meses e meses sendo intimado pra trazer as razões de defesa da apelação. É um exemplo de causa de demora no andamento do processo. Nestes três anos, posso afirmar que possivelmente perto de uns dois anos, o processo ficou em mãos de advogados de defesa e também do MP. Além dos recursos, houve várias substituições de advogados, e todos eles pediam para ter acesso ao processo, o que também retardou o andamento. As partes têm direito de examinar tudo. Quando esteve para ser decidido, sempre foi feito de forma célere e observamos os prazos. O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) fiscaliza e publica o andamento de todos processos no país e atesta tudo isso.

Há um prazo legal para o julgamento de um recurso de réu preso?

Sim. No caso de réu preso, existe prazo para o julgamento, mas o ex-goleiro já foi julgado e condenado a 22 anos e 3 meses. Portanto, o prazo que a lei fala foi cumprido. Há também prazos para se recorrer, para se manifestar no segundo grau. Estão sendo cumpridos todos. Porém, com inúmeros réus e inúmeros recursos, os prazos se somam. Cada caso tem uma tramitação própria no segundo grau ante suas necessidades recursais e de provas.

Qual é o tempo médio de tramitação de um recurso de apelação como este?

Casos com muitos réus e muitos recursos, creio que demorem sempre mais de um ano, talvez dois, três anos. Em geral, recursos com um réu não demoram, e esse caso foi atípico por causa da conduta de algumas defesas, o número de recursos e de réus. A morosidade é um mal que no Brasil também tem a ver com falta de servidores, magistrados e de assessores técnicos. O direito não é uma ciência exata, por isso uns casos podem ser rápidos e outros não. Cabe lembrar que o homem que atirou no Papa João Paulo II na Itália aguardou oito anos pra ter um julgamento! Foi na evoluída Europa e num caso de repercussão mundial. Aliás, vocês da mídia informam – eu não tenho detalhes – que existem processos tramitando há anos e anos no STF contra governadores ou parlamentares.

Mas réus presos não têm preferência?

Sim, sempre têm preferência, mas legalmente a demora é mais grave se o réu ainda não tiver sido julgado e condenado. A lei quer que o réu preso provisório seja logo julgado. No caso do ex-goleiro, ele já está condenado e julgado com pena definida pelo Tribunal do Júri.

O goleiro Bruno foi solto por culpa do TJ mineiro?

Não. Todos réus são soltos ou são presos por decisões de magistrados, tudo conforme a avaliação jurídica pessoal e interpretação dada à lei em face ao processo. Não se pode, no caso, falar em culpado, pois muitos entendem que o ex-goleiro deveria permanecer preso, outros magistrados entendem que não. E mesmo no tribunal, temos que avaliar quantos meses o processo ficou nas mãos da defesa ou com o MP . O tribunal preside o processo, mas muitos atores jurídicos participam e trabalham nele.

O STF errou na decisão de mandar soltar o atleta?

Não acho que errou. Todos os juízes julgam conforme a sua consciência, competência jurisdicional e preparo cultural-intelectual. Não existe, na verdade, decisão padrão, pois os casos penais nunca são iguais, podem ser parecidos. No próprio STF, vemos decisões divergentes com frequência. Cada magistrado segue uma corrente doutrinária. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade