Publicidade

Estado de Minas

Fórum amanhece vazio e depoimento de Bruno vai acontecer à tarde

Ao mesmo tempo do depoimento será julgado pela 4ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) um habeas corpus com pedido de prisão domiciliar para o goleiro


postado em 06/03/2013 09:18 / atualizado em 06/03/2013 09:29

Imagem do fórum nesta manhã. Apenas a estrutura da imprensa continua montada, mas movimentação foi pequena na porta do tribunal. À tarde o julgamento será retomado(foto: Paulo Filgueiras/EM DA Press)
Imagem do fórum nesta manhã. Apenas a estrutura da imprensa continua montada, mas movimentação foi pequena na porta do tribunal. À tarde o julgamento será retomado (foto: Paulo Filgueiras/EM DA Press)

A porta do Fórum de Contagem, na Grande BH, amanheceu vazia nesta quarta-feira porque o julgamento do goleiro Bruno Fernandes e da ex-mulher dele, Dayanne Rodrigues, será retomado apenas às 13h de hoje. O depoimento da ré ocorreu até o fim da noite de ontem e a expectativa é que os trabalhos sejam iniciados nesta quarta com a oitiva de Bruno. Advogados garantem que o acusado vai falar tudo que sabe.


Ao mesmo tempo será julgado pela 4ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) um habeas corpus impetrado pelo advogado do goleiro, Lúcio Adolfo, há cerca de 70 dias. No documento, a defesa pede prisão domiciliar para Bruno, que tem proposta do Boa Esporte Clube, de Varginha, para jogar.

O defensor garante que se a liberdade parcial for concedida a Bruno pela Justiça, o goleiro poderá sair da cadeia para trabalhar no clube mineiro. Esse benefício valeria mesmo se o ex-atleta for condenado pelo sumiço e morte de Eliza. A informação de Adolfo foi contestada por outros criminalistas, como o ex-advogado de Bruno, Cláudio Dalledone. Segundo o advogado paranaense, o recurso de prisão domiciliar será invalidade em caso de condenação para o goleiro.


Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade