Publicidade

Estado de Minas

Acusação tem fortes trunfos contra o goleiro Bruno


postado em 04/03/2013 06:00 / atualizado em 04/03/2013 06:49

Paula Sarapu


Quase dois meses e meio após julgamento em que Macarrão foi condenado, Bruno e a ex-mulher dayanne voltam ao fórum (foto: (Vagner Antonio/TJMG 19/11/12))
Quase dois meses e meio após julgamento em que Macarrão foi condenado, Bruno e a ex-mulher dayanne voltam ao fórum (foto: (Vagner Antonio/TJMG 19/11/12))
A última semana de concentração do goleiro Bruno Fernandes de Souza para o que é o momento mais importante do que qualquer final de campeonato que já tenha enfrentado foi marcada pelo surgimento de fatos que podem ser decisivos no seu julgamento pela morte de Eliza Samudio. Como o Estado de Minas revelou, um novo inquérito apura o envolvimento de um policial civil (Gilson Costa) e de um policial aposentado (José Lauriano de Assis Filho, o Zezé) no caso. Com a confissão do ex-braço direito do goleiro Luiz Henrique Romão, o Macarrão, condenado a 15 anos de prisão, e a certidão de óbito da vítima agora anexada ao processo, a defesa do atleta lançou mão de uma última jogada para tentar anular o documento que atesta a morte da vítima. Independentemente do resultado da apelação, porém, os defensores vão a campo tentando mostrar que Bruno não foi o mandante do crime. Como preparação, os advogados já instruíram o comportamento do réu diante da juíza Marixa Fabiane Lopes Rodrigues. Desta vez, o primo do atleta, Jorge Luiz Lisboa Rosa, que revelou toda a trama à polícia e cumpriu medida socioeducativa por sua participação no caso, também participa do júri, como informante.

A promotoria de Contagem, avaliam especialistas, vai explorar o depoimento de Macarrão, que acusou Bruno em novembro. Ao costurar uma história de interesses, contradições e morte, o promotor Henry Wagner Vasconcelos deve tentar mostrar aos jurados que o ex-jogador conseguiu atrair Eliza até Minas Gerais. Em trocas de e-mails com amigos, ela já havia dito que viajar com o goleiro seria uma passagem sem volta. Em 2009, Eliza foi à imprensa contar que Bruno a tinha agredido, obrigando-a a ingerir uma substância abortiva, crimes pelo qual ele foi condenado no Rio de Janeiro. Quando o desaparecimento veio à tona, Bruno chegou a dizer que estava há dois ou três meses sem falar com Eliza, logo após um treino no Flamengo.

A defesa, por sua vez, trabalhará para desqualificar as investigações e jogar a culpa nas costas de Macarrão, que carrega uma tatuagem em homenagem ao goleiro e, como secretário de Bruno, sempre resolveu suas pendências. De acordo com o professor de processo penal da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC Minas) e conselheiro da Ordem dos Advogados do Brasil no estado (OAB-MG) Leonardo Bandeira, cabe à promotoria provar as acusações. Ele diz que basta à defesa levantar uma dúvida entre os jurados para conseguir uma sentença favorável. O advogado espera um confronto duro entre as partes e não considera o atestado de óbito de Eliza um pré-julgamento. A confissão de Macarrão, segundo ele, também não será determinante.

“O depoimento dele deve ser visto com reserva, porque um réu, para se defender, acusa o outro, mas é claro que o promotor vai explorar isso”, diz o professor. “Também acho que os novos fatos, se já constam no processo, podem ser trabalhados no tribunal, mas uma investigação complementar (representada pelo novo inquérito envolvendo um policial da ativa e outro aposentado) pode mostrar a fragilidade de um trabalho anterior, que não teria sido feito como deveria”, argumenta. Para ele, os relatos de Jorge Luiz Rosa, menor à época do crime – que há uma semana deu entrevista apontando Macarrão como mandante do crime, mas também complicou Bruno, ao dizer que ele não poderia ignorar o que estava ocorrendo – devem ser analisados com reserva, porque ele será ouvido na condição de informante. “Ele não tem o peso de uma testemunha, porque não tem compromisso com a verdade. Ele se envolveu no caso, foi julgado e punido por isso.”

TREINO NA PENITENCIÁRIA Representantes de Bruno, os advogados Lúcio Adolfo e Tiago Lenoir visitaram o goleiro na Penitenciária Nelson Hungria, sexta-feira, para estabelecer a forma de comportamento do réu. Experiente, Lúcio Adolfo vai insistir na tese de que teria havido acordo entre a promotoria e Macarrão, e quer aproveitar as contradições de Jorge Luiz. “Quero que ele dê mais uma versão diferente, para mostrar que o depoimento que sustenta a acusação não é confiável.”

Lúcio Adolfo acredita que a ex-mulher de Bruno, Dayanne Rodrigues do Carmo Souza, também ré no processo, ficará de lado em todo o julgamento. “O crime do qual ela é acusada é menor. Sei que o promotor vai se concentrar no Bruno. Mas vou mostrar que ele estava cercado por pessoas cuja vontade ele não poderia controlar”, antecipa. Mas, para Lenoir, Bruno já entra perdendo. “Ele já entra condenado pela mídia e pelo povo. O Macarrão e a juíza também já o condenaram. O primeiro quesito aos jurados, se Eliza está morta, já prejudica muito o Bruno. Então, o que a gente fizer é lucro.”

Para o advogado criminalista Marco Meirelles, a única surpresa possível no julgamento seria a confissão do ex-capitão do Flamengo. “Mas não acho que ele faria isso, pela personalidade que tem.” Segundo Meirelles, se os jurados entenderem que Bruno foi o mandante do crime, a pena aumenta de um terço a dois terços, pela qualificadora. O fato de ser pai de Bruninho, no crime relacionado ao bebê, também pesa contra ele e aumenta a pena, se condenado pelos jurados.

“A negativa do crime pela ausência do corpo é impossível de prosperar, pela confissão e condenação do Macarrão e o atestado de óbito de Eliza. Negar a autoria também, me parece, já não serve mais. Não vejo outro comportamento senão Bruno dizer que sugeriu dar um susto em Eliza, para tentar resolver o problema, e afirmar que foi mal interpretado por Macarrão. Ele poderia alegar também crime passional. Neste caso, Bruno não teria participação e Macarrão teria feito tudo por conta própria, mas acho que essa versão só colaria se tivesse sido a primeira e única”, analisa o advogado.

 

Os réus

Bruno Fernandes das Dores de Souza, 28 anos

Crime

 Homicídio triplamente qualificado de Eliza – Pena de 12 a 30 anos de prisão

 Ocultação de cadáver – De um a três anos de prisão

 Sequestro e cárcere privado de Bruninho – De dois a cinco anos de prisão (com o agravante de ser pai e de a vítima ser menor de 18 anos)


Dayanne Rodrigues do Carmo Souza, 25 anos

Crime

 Sequestro e cárcere privado do bebê  – De dois a cinco anos de prisão


A vítima


Eliza Samudio

 Desaparecida aos 25 anos

 

Três perguntas para o Promotor Francisco de Assis Santiago, de Belo Horizonte

 

1) O senhor tem mais de 1,6 mil júris de experiência. Como acha que será o julgamento?

Será praticamente igual ao do Macarrão. Não vejo grandes dificuldades para o promotor, que está bem preparado e demonstrou ter conhecimento muito grande do processo. Em novembro, ele já estava pronto até para a negativa do Macarrão, mas a confissão facilitou.

2) O senhor acha que o depoimento do primo de Bruno pode influenciar o resultado?

Ele já prestou cinco ou seis depoimentos diferentes e não tem credibilidade nem para um lado nem para o outro. É informante e pode mentir, como já demonstrou que sabe fazer. Eu não daria ouvidos a ele e o descartaria, no primeiro dia de júri.

3)Quais são as possibilidades para o goleiro, na sua opinião?

Se confessar, terá a pena reduzida, por coerência com o que ocorreu com o Macarrão. Se Bruno não confessar, vai levar acima de 35 anos.

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade