Publicidade

Estado de Minas

Advogado de Macarrão critica reportagem do Fantástico


postado em 01/08/2011 13:39 / atualizado em 01/08/2011 15:00

O advogado de defesa de Luiz Henrique Ferreira Romão, o Macarrão, um dos acusados pelo desaparecimento e morte da ex-amante do goleiro Bruno, Eliza Samudio, fez duras críticas à reportagem exibida pelo Fantástico, da TV Globo, nesse domingo. De acordo com Wasley Vasconcelos, a edição foi tendenciosa e distorceu as declarações do cliente dele. Na manhã desta segunda-feira, o advogado disse que vai requerer ao Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) a cópia na íntegra da entrevista para ser anexada ao processo."Eu fui contra desde o início, mas na época em que a entrevista foi negociada (em abril), eu não assistia ao Macarrão e não pude intervir, foi tudo negociado com advogados que o defendiam anteriormente", contou Vasconcelos.

De acordo com o defensor, foram exibidos apenas alguns trechos da entrevista de mais de duas horas concedida por Macarrão, de dentro da Penitenciária Nelson Hungria, em Contagem, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, onde está preso há mais de um ano. "Ele contou inclusive que durante a viagem do Rio de Janeiro para Minas Gerais, deu carona a um policial militar na altura de Juiz de Fora, o que não foi ao ar". O advogado criticou ainda a maneira como foi exposto o sentimento de amizade entre o goleiro Bruno e Macarrão. "Ficou parecendo que meu cliente é homossexual e não é isso. Trata-se de uma amizade de 18 anos, o Macarrão tem muita gratidão pelo Bruno". relatou.

O advogado disse ainda que, até o fim desta semana, vai entrar com um novo pedido de habeas corpus e requerer medidas cautelares, entre elas prisão domiciliar e monitoramento eletrônico.

"Ele não vai tomar as dores de ninguém"

O advogado de defesa Wasley Vasconcellos também afirmou que Macarrão não vai tomar as dores do goleiro Bruno e de nenhum dos acusados no caso de desaparecimento e morte da ex-modelo. De acordo com o advogado, Macarrão foi orientado a quebrar o silêncio e contar tudo o que sabe. "Perguntei a ele: você prefere uma amizade de 18 anos ou se livrar das acusações e criar suas duas filhas de 1 e 2 anos?", disse.

"A orientação dos outros advogados era manter o Luiz Henrique (Macarrão) em silêncio e só falar em juízo. Eu penso o contrário e acho que ele tem que expor e contar detalhes do que passou, até para não 'carregar' as acusações sozinho", disse. O advogado afirmou ainda que Macarrão o assegurou que nem ele e o goleiro seriam capazes de matar alguém. "Mesmo sabendo que ele e o Bruno são inocentes, a minha orientação é que meu cliente passe a pensar mais nele e nas acusações que caem sobre ele, até para auxiliar a Justiça a elucidar o caso", disse o advogado.

Silêncio quebrado

Durante a entrevista, Macarrão contou que deixou Eliza Samudio em um ponto de táxi, no dia 10 de junho de 2010, desmentindo a história contada pelo menor e primo do goleiro, de que a ex-modelo e namorada de Bruno teria sido foi dada para os cães e que foi concretada.

Na entrevista, Macarrão conta que saiu do Rio de Janeiro com Eliza e com o menor na Land Rover, com destino à capital mineira. Ele disse ainda que Bruno também seguia para Belo Horizonte, mas em outro carro. Segundo ele, Eliza começou a xingar Bruno, e o menor deu um soco no nariz dela.

Macarrão disse ainda que Eliza começou a exigir dinheiro do goleiro para não revelar à imprensa o filho que ele teria fora do casamento. Segundo o amigo do goleiro, Eliza pediu R$ 50 mil na viagem do Rio para Minas, mas o valor acertado foi de R$ 33 mil. Dinheiro esse que, segundo Macarrão, estava guardado no sítio do goleiro, em Esmeraldas, na Grande BH. A partir disso, o acusado afirmou que deixou Eliza em um ponto de táxi e arrancou o carro. De acordo com o advogado de defesa, Macarrão afirmou que o ponto de táxi fica no Bairro Jardim Laguna, em Contagem, também na Região Metropolitana da capital, ao lado de um supermercado e próximo a um posto policial.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade