Publicidade

Estado de Minas

Fãs interrompem greve para tentar ver jogador em audiencia


postado em 29/06/2011 06:59 / atualizado em 29/06/2011 07:15

O ex-goleiro do Atlético e do Flamengo Bruno Fernandes de Souza, de 26 anos, acusado de sequestrar, torturar e matar a modelo Eliza Samudio, depôes, na terça-feira, à Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa. Fãs do goleiro enfrentaram mais de uma hora de ônibus até a Assembleia para tentar vê-lo de perto. É o caso da doméstica Ângela Maria da Silva Rosa, de 53 anos, que deixou o Bairro Durval de Barros, em Ibirité, na Grande BH, acompanhada do neto André Luiz, de 15. “Somos cruzeirenses, mas torcemos pelo Bruno. Acompanho o caso dele pela imprensa e fiquei sabendo que ele estaria aqui. Deixei até de trabalhar.” Na sala de audiência couberam apenas os jornalistas, muitos de outros estados, e Ângela e o neto tiveram que acompanhar os depoimentos do lado de fora, pela TV. “Acredito na inocência dele. Acho que Eliza está viva e bem escondida.”

A presença do goleiro esvaziou as manifestações grevistas dos servidores da saúde e do ensino na praça em frente à Assembléia. A professora Vera Júlia de Paiva, de 62, esperava com expectativa a saída do goleiro, mas ele deixou a audiência por uma escada de acesso restrito. A amiga dela, Rita Maria Lélis, de 53, preparou o celular para fazer fotos do goleiro. Ficou decepcionada, mas não perdeu o entusiasmo. “Ele é muito bonito, um tesouro. Dá vontade de espremer aquela carinha dele.” A técnica em enfermagem Marli Dias Oliveira de Castro, de 48, também não se conformava: “Não deu para vê-lo. Uma pena!”

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade