Publicidade

Estado de Minas CASO BRUNO

Advogado de Macarrão deixa o caso


postado em 18/02/2011 15:27 / atualizado em 18/02/2011 17:53

O amigo do goleiro Bruno Fernandes, Luis Henrique Romão, mais conhecido como Macarrão, está sem advogado. Na manhã desta sexta-feira, Wasley Cesar de Vasconcelos, que o defendia, entrou com um pedido de renúncia do cargo no Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG). O motivo da saída do advogado não foi informado.

O goleiro Bruno, Macarrão, o primo do atleta, Sérgio Rosa Sales, e Marcos Aparecido dos Santos, o Bola, vão a júri popular pelo desaparecimento e morte de Eliza Samudio. Outros acusados do crime, a ex-mulher do goleiro, Dayanne de Souza, Elenílson Vitor da Silva, Wemerson Marques de Souza, o Coxinha, e Fernanda Gomes Castro, vão responder ao processo em liberdade. Eles já deixaram a prisão. Flávio Caetano de Araújo, motorista do goleiro que estava solto desde do 27 de novembro, não vai a júri.

Macarrão e o goleiro Bruno já foram condenados em um processo que corria no Rio de Janeiro. O atleta foi condenado a quatro anos e seis meses de prisão por cárcere privado, lesão corporal e constrangimento ilegal contra Eliza Samudio, ex-namorada do jogador. Já o amigo, foi condenado a três anos de reclusão por cárcere privado. Na sentença, o juiz Marco Couto, da 1ª Vara Criminal de Jacarepaguá, classificou que os fatos foram inquestionavelmente comprovados. O magistrado não concedeu aos réus o direito de recorrer da decisão em liberdade.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade