Publicidade

Estado de Minas

Destino do filho do goleiro Bruno deve ser decidido em março


postado em 02/02/2011 18:38 / atualizado em 02/02/2011 18:52

A disputa pela guarda do filho do goleiro Bruno Fernandes (ex-Atlético e ex-Flamengo) e da modelo Eliza Samudio, desaparecida desde junho, deve ser decidida no próximo mês. A expectativa do avô paterno do bebê Bruninho, que completa um ano no dia 10, é de que o juiz da Vara da Infância e da Adolescência de Foz do Iguaçu (PR) Guilherme César Cuba – o mesmo que concedeu a guarda provisória à mãe de Eliza, Sônia Moura – reverta a decisão. Luiz Carlos Samudio tenta provar que Sônia tem histórico de abandono e que só nutriria interesse em cuidar do menino por causa da pensão de R$ 18 mil, paga pelo Flamengo.

“Em um futuro muito próximo, essa decisão vai ser revertida e nós vamos ficar com a guarda definitiva do Bruninho. O juiz deu a guarda provisória à dona Sônia cumprindo a lei de que, na ausência da mãe, a criança deve ficar com a avó, mas vamos provar que ela é incapaz de assumir essa criança. Ela abandonou Eliza com 5 anos e um outro filho, que hoje vive em campinas e tem 16”, afirmou o pai de Eliza.

O processo está em fase de investigação social e a audiência de conciliação deve acontecer em março. Logo em seguida será marcada a de instrução e julgamento, quando o juiz definirá com quem o menino vai ficar.
A advogada da avó de Bruninho, Maria Lúcia Borges, afirma que os relatórios da assistência social do juízo foram favoráveis à avó. Ela torce para que o resultado do processo em que Luiz Carlos Samudio é acusado de abuso sexual saia antes disso.

Advogado de Luiz Carlos, Sérgio Barros disse que apresentou a contestação da guarda de provisória de Bruninho amparado em testemunhas que sustentavam ser conflituosa a relação entre Eliza e a mãe. O menino está há sete meses com a avó, que mora em Anhanduí (MS). O advogado acredita que a primeira audiência seja marcada para março, mas ele diz que não tem pressa para o julgamento da guarda de Bruninho.

Maria Lúcia disse ainda que o Flamengo não fez nenhum depósito na conta estipulada pelo juízo para o pagamento da pensão. “O salário do Bruno está suspenso e este é o argumento do clube. Se essa avó quisesse dinheiro, ela não estaria lutando para criar essa criança. Ela não precisa de dinheiro para cuidar do Bruninho porque a família tem condições”.

Eliza desapareceu em junho, depois de ter sido levada para o sítio do goleiro Bruno, em Esmeraldas, Região Metropolitana de Belo Horizonte. Indiciado por homicídio, sequestro , cárcere privado e ocultação de cadáver, o goleiro é um dos acusados que vão a júri popular. No Rio de Janeiro, pelas agressões contra a ex-modelo, Bruno foi condenado a quatro anos e seis meses de prisão por cárcere privado, lesão corporal e constrangimento ilegal.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade