Publicidade

Estado de Minas

A economia no ritmo de Gonzaga


postado em 09/12/2012 05:15 / atualizado em 18/12/2012 12:53

(foto: Alexandre Guzanshe/em/d. a press )
(foto: Alexandre Guzanshe/em/d. a press )

Nascido no Dia de Santa Luzia (13 de dezembro), Luizinho herdou do pai, Januário, a paixão pelo fole. A agilidade com que tocava sanfonas de oito baixos, ainda na adolescência, animava os arrasta-pés em sua terra natal, Exu (PE), no sopé da Serra do Araripe. Já adulto, depois de servir o Exército em Belo Horizonte, Juiz de Fora, Ouro Fino e outros quartéis Brasil afora, o seu vozeirão, o vasto repertório e a facilidade com que tirava o som do instrumento musical – agora um fole de 120 baixos – conquistaram uma legião de fãs nos quatro cantos do país. Luizinho, então, passou a ser conhecido como Luiz Gonzaga (1912-1989), o Rei do Baião.

“Quando dei baixa do Exército e saí de Minas Gerais, já estava ficando mineiro”, disse ele certa vez. O ritmo musical criado pelo filho de Januário é um marco na cultura nacional. Suas músicas lideraram paradas de sucesso, tal qual o Xote das meninas. Mas Gonzaga não usou o acordeão apenas para divertir o público. Ele aproveitou o sucesso do baião para revelar, como nenhum outro artista de sua época, um Brasil até então desconhecido de boa parte da população. Em Asa Branca, seu maior sucesso, mostrou o drama da migração forçada pela seca.

Na canção Paulo Afonso, nome da hidrelétrica homônima à cidade baiana, ele ressaltou o desenvolvimento econômico por meio da chegada de energia elétrica a áreas carentes. Em Minas, o mesmo ocorreu, há 50 anos, com a construção da represa de Três Marias, transformando o então povoado de Barreiro Grande na atual cidade, batizada em homenagem à hidrelétrica. Em A marcha da Petrobras, Gonzaga previu que o país seria uma potência mundial – hoje o Brasil é a sexta nação mais rica do planeta.

A lista de músicas que abordam temas econômicos, assim como foi o sucesso do sanfoneiro de Exu, é grande. Em alusão ao centenário de nascimento do Rei do Baião, comemorado na próxima quinta-feira, o Estado de Minas publica, a partir de hoje, a série O Brasil de Gonzaga. A partir dos versos de algumas das canções mais representativas do artista, é traçado um paralelo entre o país de hoje e o cantado por ele. A reportagem percorreu 15 municípios de Pernambuco, da Bahia, do Ceará e do chamado Grande Norte de Minas, que incluem o Vale do Jequitinhonha e o do Mucuri.

É bom frisar que parte do Norte do estado pertenceu, há quase dois séculos, à província da Bahia, o que explica as semelhanças climáticas e socioeconômicas da região com o Nordeste. Em muitas cidades, o progresso sonhado por Gonzaga não é mais utopia. Em Juazeiro do Norte (CE), os arranha-céus mudaram a paisagem local. Em Montes Claros, o distrito industrial atrai grandes empresas. Por outro lado, mesmo com o país batendo recordes na geração de empregos, a seca e outros males cantados à exaustão pelo sanfoneiro ainda ditam o dia a dia de flagelados. Além das matérias diárias, os leitores poderão acompanhar vídeos e galerias de fotos no site www.em.com.br/brasildegonzaga.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade