Publicidade

Estado de Minas CARREIRA

Dicas de como conseguir emprego na crise

Especialista avisa que o primeiro passo é entender o que pode ser feito para driblar as adversidades. A situação é mais difícil para jovens com pouca experiência, idosos e pessoas acima da faixa de idade que o mercado normalmente busca


postado em 07/06/2019 15:11 / atualizado em 07/06/2019 15:11

Alexandre Slivnik, diretor da Associação Brasileira de Treinamento e Desenvolvimento (ABTD), diz que ambição, autoconfiança e audácia são essenciais para qualquer profissional (foto: Arquivo Pessoal)
Alexandre Slivnik, diretor da Associação Brasileira de Treinamento e Desenvolvimento (ABTD), diz que ambição, autoconfiança e audácia são essenciais para qualquer profissional (foto: Arquivo Pessoal)


Conseguir um emprego nos dias atuais está cada vez mais complicado. Para algumas pessoas isso fica ainda mais difícil: jovens com pouca experiência, idosos e pessoas acima da faixa de idade que o mercado de trabalho normalmente busca, geralmente costumam ser prejudicados quando estão a procura de uma oportunidade. Isso ocorre por uma série de fatores sociológicos já introduzidos na cultura das empresas no Brasil, mas que vem mudando nos últimos anos.

Alexandre Slivnik, que atua com gestão de pessoas, tem especialização em Harvard e é diretor da Associação Brasileira de Treinamento e Desenvolvimento (ABTD), explica como essas pessoas podem conseguir uma oportunidade de emprego mesmo com os obstáculos no caminho: "O primeiro passo é entender o que pode ser feito para driblar as adversidades. É importante entender as demandas do mercado de trabalho, o que cada pessoa pode oferecer às empresas e evitar enxergar esses obstáculos como uma desmotivação".

Para ele, no caso dos jovens, mesmo que com pouca ou nenhuma experiência, é uma situação com maior chances de reversão. "Isso porque as pessoas mais novas ainda podem, mais facilmente, conseguir uma formação adequada e qualificação para conquistar alguma experiência. Além de fazer cursos técnicos e profissionalizantes, é de extrema importância mostrar vontade de aprender e crescer."

Os três A's

Olhando para as pessoas mais velhas, Alexandre Slivnikexiste reconhece que, realmente, há uma desvantagem em relação aos mais jovens, especialmente para aqueles que estão fora do mercado há muito tempo. "As empresas tendem a empregar os recém-formados, pois podem ensinar alguém sem os vícios de outras organizações e fazer com que essas pessoas se aprofundem na cultura do lugar. Porém, nada está perdido. Muitas empresas querem a experiência daqueles que já têm uma idade avançada, mas é preciso mostrar vontade. O mesmo conselho para jovens vale neste caso. É essencial buscar novos conhecimentos e se colocar numa posição de aprendiz, com humildade para descobrir novas habilidades."

Em relação a idosos e aposentados, Slivnik confirma que é a categoria mais delicada porque se encontram numa posição pouco privilegiada da sociedade em que falta dinheiro e poucas empresas estão interessadas na contratação de aposentados. "Minha dica para eles é que se concentrem no setor de serviços, em coisas que gostam de fazer, mas que não sacrifiquem a saúde. Depois da aposentadoria, os idosos podem ficar com bastante tempo livre e ociosos, por isso procurar algo que agregue prazer e ganho financeiro é a maneira mais simples de envelhecer de maneira saudável."
O palestrante também explica sua técnica para o crescimento profissional constante, os 3 A's: "Ambição, autoconfiança e audácia. Esses itens são essenciais para continuar ascendendo em todas os âmbitos da vida profissional".


Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade