Publicidade

Estado de Minas

"Passar no BRB é um projeto: sem sábado, domingo ou feriado," diz especialista

Edital de concurso público com 100 vagas e cadastro reserva, para nível médio, foi lançado nesta sexta-feira (3/5)


postado em 03/05/2019 15:48 / atualizado em 07/05/2019 11:32

(foto: Ana Rayssa/Esp. CB/D.A Press )
(foto: Ana Rayssa/Esp. CB/D.A Press )
Os concurseiros da capital federal receberam de presente, nesta sexta-feira (3/5), o edital de abertura do novo concurso público do Banco de Brasília S.A (BRB)! A seleção promete ser bastante concorrida, afinal, são 100 vagas e formação de cadastro reserva de nível médio. O edital foi anunciado em fevereiro pelo governador Ibaneis e desde então a preparação para as provas começou. Com o lançamento do regulamento, com conteúdo programático extenso e apenas três meses de estudos até os testes, será preciso muita determinação e planejamento para alcançar a aprovação. 

Tendo isso em vista, o site de Concursos conversou com o professor Léo França Porto, especialista em conhecimentos bancários, atendimento, marketing e técnicas de vendas do IMP Concursos. Ele é formado em economia e atua no ramo financeiro há mais de 25 anos. Atualmente, trabalha na área negocial do Banco do Brasil e acumula mais de 15 aprovações em concursos do BB, Caixa e BRB. 

Bom histórico de convocações 

Segundo professor, o banco deve chamar bem mais aprovados que o número de vagas imediatas oferecidas, já que a rotatividade na carreira é grande, sem falar do histórico de convocações do BRB, já que no concurso público passado, em 2011, foram abertas 110 vagas e cerca de 1,3 mil aprovados foram convocados durante os quatro anos de validade da seleção. 

Banca organizadora 

Uma das dificuldades que o candidato deste concurso enfrentará é a banca organizadora, o Instituto Americano de Desenvolvimento (Iades), que não tem tradição em aplicar provas para a carreira bancária. “A solução é o candidato estudar por provas anteriores de bancas que tenham o mesmo estilo da Iades, como Cesgranrio e Fundação Carlos Chagas (FCC). Essas empresas, de 2011 pra cá, aplicaram várias provas para seleções do BB, Caixa, Basa e Banrisul.” 

Professor Léo França Porto (foto: professor Léo França Porto/Divulgação/IMP )
Professor Léo França Porto (foto: professor Léo França Porto/Divulgação/IMP )
Cuidados com o material de estudo 

França avalia que o concurso anterior do BRB já havia cobrado um conteúdo mais extenso que as seleções passadas do BB e da Caixa, mas que o edital de agora está ainda maior. “O aluno deve se esforçar na parte específica, que detém metade das 60 questões da prova e deverá ser dominada pela disciplina de conhecimentos bancários - acredito que devamos ter entre 15 e 20 questões só sobre essa matéria. Ela é dividida em 10 tópicos, sendo o primeiro (estrutura do sistema financeiro) e o quarto (produtos e serviços financeiros) os mais relevantes.” Confira aqui todo o conteúdo programático do concurso do BRB. 

O especialista ainda faz um importante alerta: os concurseiros devem procurar estudar por materiais atualizados! “Cuidado com livros e apostilas antigas. Uma grande mudança que tivemos recentemente veio com a Medida Provisória 870, assinada por Bolsonaro em 1º de janeiro deste ano, que reorganizou os órgãos da Presidência e os ministério. Antes tínhamos o Ministério da Fazenda, da Previdência e Assistência social, do Planejamento e do Trabalho, hoje eles não mais existem, são agora parte do super Ministério da Economia. Em conseqüência disso, mudou também a composição do Conselho Monetário Nacional (CMN), composto por 3 conselheiros, o presidente é o atual ministro da Economia, Paulo Guedes, outro membro é o presidente do banco Central (BC); antes também tínhamos o ministro do Planejamento e agora entrou em seu lugar o secretário especial de Fazenda, Waldery Rodrigues.” 

Redação 

A novidade deste concurso é a redação, que exige dos concursandos atenção para temas atuais, como sustentabilidade, a era digital dos bancos e as inovações tecnológicas na atividade bancária. “Contratação de fintech, startups que hoje são contratadas pelos bancos para inovar tecnologicamente e otimizar serviços do setor financeiro, é um tema que tem grande chance de ser cobrado. Os bancos hoje estão preocupados em minimizar o esforço do cliente, no sentido de cada vez menos ele precisar ir a uma agência para resolver suas pendências, aí entra em foco a figura do homebank e do officebank também.” 

Sobre o tema do momento, a reforma da Previdência, França acredita que o assunte deva ser abordado na prova sim, mas na parte objetiva, em cerca de duas questões relacionadas com planos de previdência privada. 
 

Saiba tudo sobre o concurso do BRB aqui! 


Tempo apertado 

As provas estão marcadas para 18 de agosto, ou seja, pouco mais de três meses de preparação. ”É um tempo justo, apertado. Para ter melhor desempenho, o aluno precisa se matricular num cursinho. Quem já está em sala de aula, é preciso, agora com o edital, planejar com foco no que é pedido. Após a aula é necessário um trabalho de revisão e muito exercício, além de fazer pelo menos duas redações por semana. É um projeto - não tem sábado, nem domingo, nem feriado -, que deve ser cumprido de forma planejada, estudando todas matérias do edital, mas principalmente as específicas. Método, planejamento, determinação e foco, sem isso é jogar com a sorte.” 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade