Publicidade

Estado de Minas

Polícia Civil descarta fraude em concurso da SEDESTMIDH

Mais de 300 pessoas registraram ocorrência


postado em 03/04/2019 20:51 / atualizado em 05/04/2019 05:32

(foto: Arquivo pessoal )
(foto: Arquivo pessoal )
O inquérito aberto para apurar suspeita de fraude no concurso público da Secretaria de Estado do Trabalho, Desenvolvimento Social, Mulheres, Igualdade Racial e Direitos Humanos (SEDESTMIDH), do Distrito Federal, foi concluído nesta quarta-feira (3/4), pela Coordenação Especial de Combate à Corrupção, ao Crime Organizado e aos Crimes Contra a Administração Pública (Cecor), da Polícia Civil (PCDF). 

O delegado Leonardo de Castro, responsável pelo caso, informou ao site de Concursos que não houve fraude, nem tentativa de fraude ou qualquer outra conduta de cunho criminal com relação à seleção. “Apenas se constatou desorganização da banca, o Ibrae, desde o dia anterior aos testes, e um tumulto iniciado por alguns alunos devida a revolta por algumas regras do edital não terem sido respeitadas tão acintosamente pela banca.” 

“O que ficou constatado é que o atraso das provas se iniciou devido à troca de um dos malotes de prova, que seriam aplicados na Unip, mas foram enviadas para a Upis. Chegando na Upis, a coordenadora da banca abriu o malote, verificou que as provas eram da Unip, comunicou isso e fizeram a transferência desse malote para o local certo. Isso atrasou bastante o início das provas em algumas salas de ambas as faculdades, mas alguns fiscais já tinham iniciado a aplicação antes de serem avisados para segurar. Demorando um pouco para as provas chegarem, os candidatos foram até à coordenação para saber o que tinha acontecido e viram outros já fazendo prova, o que motivou o tumulto.” 

Segundo Castro, o inquérito foi concluído após a realização de diligências e da oitiva de várias pessoas envolvidas, como o presidente do Ibrae, alguns encarregados que estavam nas coordenações dos locais de prova e candidatos que registraram ocorrência. “Nem todas as pessoas ouvidas, porque foram mais de 300 ocorrências, mas os principais sim,” afirmou o delgado. “O concurso segue em andamento, o que pode acontecer agora é alguma outra esfera suspender a aplicação do concurso, mas isso não seria pela esfera criminal. Os candidatos que se sentiram lesados podem entrar com ações na área cível.” 

Relembre 

Marcadas para 24 de março, as provas do concurso público da SEDESTMIDH terminou em confusão e cancelamento. O tumulto começou após as 8h, horário marcado para o início da avaliação. Na Unip, o atraso foi o principal problema levantado pelos concorrentes. Alguns relataram ter recebido a prova uma hora e meia depois do agendado. Fiscais também não conseguiam repassar informações aos concorrentes e a revolta tomou de conta. A Polícia Militar precisou ser acionada e muitos candidatos deixaram o lugar. 

Em contrapartida, o Ibrae responsabilizou os candidatos pelo cancelamento da prova. Por meio de comunicado oficial, a entidade assumiu a responsabilidade pelo atraso das provas. O texto diz que um dos malotes da avaliação foi encaminhado a um endereço errado, mas que o engano atrasaria o início da prova em apenas 27 minutos. Segundo a entidade, quatro homens deixaram um dos locais de prova e prenderam seis coordenadores do concurso em uma sala da Unip, na Asa Sul, o que inviabilizou a distribuição das provas corretas.

“Vários envelopes foram furtados por candidatos, a sala da coordenação foi invadida e até mesmo pertences pessoais dos supervisores, furtados. O que seria uma simples troca de malote transformou-se em um verdadeiro ato de vandalismo praticado por alguns candidatos que estavam na Unip”, destacou o comunicado. Por fim, o Ibrae ressaltou que, em breve, informará a data da nova aplicação do exame.
 
Questionada, a Sedestmidh informou que a banca organizadora é totalmente responsável pelas etapas de execução do concurso. De acordo com a secretaria, caso sejam constatadas falhas na execução que coloquem o concurso em risco ou quanto à legalidade na realização, “as medidas administrativas e judiciais serão tomadas”. 

Provas remarcadas 

Até o momento a secretaria anunciou nova data para reaplicação da prova do concurso apenas para o cargo de educador social. Os inscritos nesse cargo farão o exame no dia 14 de abril, das 14h às 18h30. Os lcoais de prova podem ser acessados aqui: www.ibrae.com.br/candidato/local_prova

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade