Publicidade

Estado de Minas EMPREGO

Saiba qual perfil de estagiário o mercado procura

Especialista em recrutamento fala sobre a importância do CV atualizado e dá dicas para não ser desclassificado na hora da seleção. Depois de uma queda, o estágio volta com força em 2019


postado em 21/12/2018 14:30 / atualizado em 21/12/2018 14:44

(foto: Gabriella Fabbri/Freeimages)
(foto: Gabriella Fabbri/Freeimages)

 
Fim do ano significa oportunidade de estágio para muitos estudantes, já que um grande número de empresas precisam repor o quadro de estagiários por causa da conclusão de curso ou término do contrato dos universitários. Recentemente, o Centro de Integração Empresa-Escola (CIEE) fez levantamento com 213 mil estagiários de todo Brasil e constatou que os universitários têm 25% mais chances de conquistar uma vaga no primeiro trimestre do ano.
 
“Temos o chamado período de sazonalidade, quando são encerrados contratos de estágio e aprendizagem, então essas vagas ficam novamente disponíveis”, explica Lilene Ruy, supervisora de inclusão social e especialista de processo personalizado do CIEE.
 
Com o mercado tão competitivo, o que faz parte do processo seletivo, o estagiário precisa apresentar diferenciais. “Alguns pontos são destacáveis quando estamos analisando os candidatos, como demonstrar disponibilidade e vontade para a participação, preparar-se com antecedência buscando informações sobre a empresa/vaga, cordialidade e respeito com os demais candidatos no momento da entrevista, além das questões clássicas como apresentação pessoal adequada à vaga/cultura da empresa e cumprir o horário determinado para a entrevista.”

Por outro lado, se dois candidatos estão em igualdade de condições, é importante saber o que fazer para conquistar a vaga e ser o escolhido: “Quando nos deparamos com candidatos similares no perfil técnico, o que mais fará a diferença para a aprovação de um deles é o perfil comportamental e as competências essenciais para a vaga. A nossa tarefa, portanto, é identificar qual pessoa está mais adequada aquele tipo de vaga, empresa ou cultura organizacional”, destaca Lilene Ruy. 
 
Para a supervisora, o domínio de outro idioma já não é mais diferencial, já que em muitas vagas é o passaporte mínimo para o ingresso na seleção. Assim como ferramentas tecnológicas, quem não conhece nem acessa as vagas, não fica sabendo sobre as oportunidades. “É um caminho sem volta, o mundo é globalizado de fato.”
 
Conforme Lilene Ruy, o importante é descobrir o quanto esse candidato está mais próximo da cultura daquela determinada empresa, quais traços de personalidade daquele candidato são destacáveis e estão mais alinhados com o departamento que ele irá trabalhar. Nesse sentido, o perfil comportamental é que terá maior peso na decisão da aprovação.
 
Lilene Ruy diz que ao se deparar com candidatos com o mesmo perfil técnico, o diferencial será o comportamental (foto: Edith Schmidt/Divulgação)
Lilene Ruy diz que ao se deparar com candidatos com o mesmo perfil técnico, o diferencial será o comportamental (foto: Edith Schmidt/Divulgação)
Há sempre muitas dúvidas sobre o currículo, para muitos, já ultrapassado. Ela enfatiza que o currículo é muito utilizado ainda. É o primeiro contato da seleção com o candidato. Esse documento deve ser objetivo, trazer informações verdadeiras e atualizadas sobre quem é aquela pessoa. É uma apresentação pessoal, portanto deve contar com zelo e cuidados com o português. A gravação de vídeo de apresentação é cada vez mais comum. Muitas empresas usam essa ferramenta para agilizar as etapas de seleção e como eliminatório para aqueles candidatos que não atendem a essa expectativa.
 
A supervisora destaca que hoje o processo seletivo busca oferecer uma experiência para o candidato, uma oportunidade para vivenciar algo novo e diferente que contribuirá com a sua vivência profissional e que faça sentido para a carreira. “A preocupação, portanto, é com que todos os participantes tenham algo positivo no processo, quer seja a aprovação para a vaga ou mesmo a oportunidade a vivência.”

PARTICULAR E CORPORATIVO Ao longo dos anos, o perfil do estagiário mudou. “Acredito na evolução das pessoas, sempre. O perfil do estagiário mudou também. Hoje, o propósito e objetivo pessoal andam alinhadamente com os aspectos profissionais. A busca pela felicidade é constante, é preciso que as atividades do dia a dia corporativo tenham sintonia com aspectos pessoais, que de algum modo esses dois mundos se encontrem. Ao analisar a proposta da vaga, o estudante avalia todas as condições oferecidas: perfil do gestor e da equipe, desafios, oportunidades de efetivação e carreira e, por vezes, a parte financeira tem outro peso para o aceite da oportunidade. Hoje, as informações estão à disposição de todos, selecionar as que são importantes e relevantes é que faz toda a diferença e são essas as pessoas que se destacam que mostram proximidade entre o particular e o corporativo”, analisa Lilene Ruy.
 
Com toda experiência, Lilene Ruy diz que demonstrar interesse e motivação para determinada oportunidade é o que conta pontos no processo de seleção, e algumas vezes é esse item que desclassifica o candidato, fica estampado o seu total despreparo e falta de motivação para a vaga. “Está no lugar errado, na empresa errada. Entrar em uma entrevista de emprego sem nenhuma pesquisa prévia sobre a vaga ofertada é sinal de descompromisso e despreparo. A empresa espera minimamente interesse por parte dos candidatos ou seja, reciprocidade.” Ela alerta ainda que estar atualizado com o que ocorre na área de atuação é básico, condição mínima. E muitas vezes é gratuito, basta que a pessoa esteja conectada com as redes sociais, seguindo profissionais e influenciadores daquele segmento. Caso contrário, o estudante não recebe sequer convite para processo seletivo.
 
Para a supervisora, atualmente, o encontro da empresa com o candidato é mais transparente e harmonioso: “Fica explícito desde o princípio que a busca de ambos é por características que lhe são comuns. É pela convergência de ideias, já que dessa forma os resultados ocorrerão mais rapidamente para todos.”

DICAS PARA MANTER O CV ATUALIZADO
 
– Mantenha as informações principais corretas: telefone, e-mail, perfil em redes sociais atualizados são fundamentais para que entrem em contato com você. Estado civil e residência também merecem atenção.

– Use apenas dados verdadeiros no currículo: as informações do seu currículo são checadas, então, não invente cursos ou estágios para que ele pareça mais atraente na hora de buscar uma oportunidade de estágio.

– Não inclua informação pessoal como profissional: colocar no currículo que teve uma experiência internacional quando a viagem ou o intercâmbio foi apenas turismo não é recomendado. O mesmo vale para cursos livres, como artesanato ou pintura, que não agreguem à sua área de interesse ou ao perfil da vaga.

– Revise, revise e revise: quando olhamos para o mesmo texto várias vezes, fica difícil reconhecer erros. Peça para outra pessoa revisar seu currículo para ter certeza de que nenhum erro bobo passe. Um simples erro de digitação ou ortografia pode minar suas chances em uma seleção.
 


Publicidade