Publicidade

Estado de Minas NEGÓCIOS

Direto da fonte: conheça o growler, a nova forma de consumir chope

Em tempos de lei seca no trânsito e vacas magras na economia, nova modalidade de consumir a bebida artesanal tem feito cada vez mais sucesso na cidade. Saiba tudo sobre o negócio


postado em 19/01/2018 12:30 / atualizado em 19/01/2018 13:01

As growlerias estão ganhando mais espaço no mercado nacional(foto: Go Growler/divulgação)
As growlerias estão ganhando mais espaço no mercado nacional (foto: Go Growler/divulgação)

 

O termo, de origem inglesa, define o recipiente feito de diferentes matérias-primas (cerâmica, porcelana, vidro e outros) e tamanhos variados, que o consumidor enche da bebida diretamente da torneira da chopeira em lojas denominadas growler station ou growlerias, e leva para consumir em casa ou no local de sua preferência. Com isso, o preço pago por litro costuma ser menor, em comparação ao do mesmo chope no bar ou da cerveja artesanal de garrafa, como descreve Fernando Cota, mestre cervejeiro e sócio da cervejaria Prússia. “Estamos no mercado de growler desde 2015 e acreditamos muito nessa tendência para o consumo de cerveja artesanal, pois possibilita ao cliente degustar a bebida fresca, cujas principais características sensoriais são preservadas, o que configura acesso a uma experiência diferenciada. Além disso, em relação ao preço, o litro no growler sai mais em conta do que a cerveja na garrafa – nosso Pilsen, por exemplo, varia de R$ 16 a R$ 20 na modalidade, enquanto o da cerveja tradicional vai de R$ 17 a R$ 24.”


Eduardo Gomes, gerente de marketing da cervejaria Sátira (foto: Sebastian Herrera/divulgação)
Eduardo Gomes, gerente de marketing da cervejaria Sátira (foto: Sebastian Herrera/divulgação)

O costume, antigo em países da Europa e nos EUA, chegou ao Brasil com a popularização das microcervejarias artesanais, e se tornou mais conhecido nos últimos meses, como detalha Eduardo Gomes, gerente de marketing da cervejaria Sátira. “Os growlers foram utilizados pela primeira vez ainda no século 19, nos Estados Unidos. Com a popularização da cerveja em garrafa, eles perderam espaço, mas voltaram às rodas cervejeiras americanas nos anos 1980. Atribui-se a invenção do growler à cervejaria Otto Brothers Brewery, que hoje se tornou a Wildlife Brewing do estado americano de Idaho. Culturalmente, é muito comum lá fora e, com a disseminação das cervejarias artesanais, tem crescido bastante também no Brasil.”

 

Sem intermediários

(foto: Sebastian Herrera/divulgação)
(foto: Sebastian Herrera/divulgação)

 

Gomes explica, ainda, que a grande diferença entre o chope de growler e a cerveja de garrafa tradicional é que a receita que vai para o recipiente não passa pelo processo de pasteurização, o que resulta numa bebida mais fresca, que preserva melhor sabores e aromas originais, com o que concorda Paula Lebos, sócia da cervejaria Backer. “A novidade, que chegou ao meio cervejeiro da cidade há cerca de quatro anos e está se tornando mais popular, agrada por diversos motivos. Um deles é entregar a bebida fresca, direto do tanque, para o consumidor final. Outra é a possibilidade de compra fracionada, para quem gosta de chope mas não pretende consumir grande quantidade. Há, ainda, a chance de a cervejaria oferecer rótulos novos e que, muitas vezes, ainda não foram engarrafados para a venda em larga escala.”

 

Paula Lebbos, sócia da Backer(foto: Jair Amaral/divulgação)
Paula Lebbos, sócia da Backer (foto: Jair Amaral/divulgação)

Paula frisa, ainda, que, devido ao frescor, o chope que abastece o growler é chamado chope vivo. “Grosso modo, é a mesma coisa de ter horta em casa e colher uma verdura para a salada direto da terra, sem intermediários e sem que o produto passe por processos de conservação e de logística”, compara. Lembrando que a cerveja tradicional entra no barril, é pasteurizada, engarrafada, abastece um caminhão, viaja até o destino final e ainda fica um tempo na prateleira de revenda. “Assim, o grande lance das growler station é proporcionar qualidade e frescor aos cervejeiros.”

(foto: Backer/divulgação)
(foto: Backer/divulgação)

 

“No Templo Backer, oferecemos rótulos nossos e de cervejarias convidadas, parceiras. Já nas estações, fruto de parceria com o Super Nosso, disponibilizamos rótulos próprios.” Outra questão lembrada por Paula é o fato de o growler contribuir para a preservação ambiental, já que o recipiente é reaproveitado, evitando a produção e o descarte de novas garrafas. “A ideia é você ajudar a natureza, reutilizando a própria garrafa, reduzindo o vidro ou outro tipo de material geralmente descartado, transformado em lixo. Inclusive, o growler é colecionável, as cervejarias oferecem modelos diferenciados de design, idealizados até mesmo como um belo presente.”

 

"Os growlers foram utilizados pela primeira vez ainda no século 19, nos Estados Unidos. Com a popularização da cerveja em garrafa, eles perderam espaço, mas voltaram às rodas cervejeiras americanas nos anos 1980"

Eduardo Gomes, gerente de marketing da cervejaria Sátira

 

 

 “Conhecemos o growler em 2015, por meio de um amigo de Curitiba, cidade em que a cultura de levar o chope para casa já está bastante difundida. Ficamos animados e investimos no negócio. Na época, no fim do ano atrasado, fundamos a terceira growleria de BH, fomos da turma de pioneiros. Hoje, há mais quatro concorrentes só no nosso bairro, Buritis, prova de que há tendência no mercado”, revela Mateus Affonso Ferreira de Oliveira, sócio do irmão Tiago Affonso Ferreira de Oliveira na Go Growler.

 

 

(foto: Go Growler/divulgação)
(foto: Go Growler/divulgação)
Com a disponibilidade de oito torneiras, que recebem chopes de estilos variados, fabricados por cervejarias com origem em todo o país, a dupla também oferece diversas opções de growler, cujo preço varia de R$ 3 (o de garrafa PET) a R$ 195 (o de inox), e espera recuperar o investimento no negócio no meio deste ano, 18 meses depois da inauguração. “Detalhe é que inauguramos pensando apenas no delivery de chope, mas os clientes também gostam de experimentar as opções aqui. Então, servimos a bebida em copos de 300ml ou 473ml (medida inglesa chamada pint).

 


Investimos em uma pequena cozinha e caprichamos na curadoria das marcas e estilos para que o consumidor sempre encontre novidades. Hoje, nosso movimento já está meio a meio entre os que bebem aqui e os que levam para a casa”, detalha Mateus, que fez curso de sommelier de cerveja para apurar a seleção e conta ficar de olho em concursos para eleger novos parceiros. “Não temos fidelidade com cervejarias, uma vez que nossa ideia é difundir marcas e estilos diferentes. Assim, já trabalhamos com marcas como Ouropretana (Ouro Preto), OverHop (Rio de Janeiro), Bodebrown (Curitiba), Júpiter (São Paulo), Joia Mesquita (Lavras) e Koala (BH), entre outras. Ainda de acordo com a demanda de mercado, destacamos estilos que estão em alta: atualmente são as IPAs, e agora, as Sour estão começando a entrar na moda”, avisa.


(foto: Prússia/divulgação)
(foto: Prússia/divulgação)

O cervejeiro lembra, ainda, que o preço para quem leva o chope para a casa é sempre mais baixo, em comparação a quem bebe no local ou opta pela cerveja de garrafa. “Para consumo na loja, o litro custa a partir de R$ 22, e para delivery, R$ 19. Já em comparação à cerveja engarrafada, o desconto em relação ao growler costuma ficar na casa dos 20%. E isso porque a modalidade dispensa gastos do revendedor com serviços, e do fabricante com itens como, garrafa, rótulo, tampinha, higienização e logística.”

"A ideia é você ajudar a natureza, reutilizando a própria garrafa, reduzindo o vidro ou outro tipo de material geralmente descartado, transformado em lixo"

Paula Lebos, sócia da cervejaria Backer


BITCOIN 

 

José Felipe Carneiro, sócio-fundador da Wäls(foto: Wäls/divulgação)
José Felipe Carneiro, sócio-fundador da Wäls (foto: Wäls/divulgação)
Também uma das pioneiras no mercado mineiro, a cervejaria Wäls inaugurou o primeiro Growler Station dentro de um supermercado no Brasil, no Verdemar do Bairro Sion, em 2016.

 

“Estamos sempre atentos às novidades do mercado e sabemos que os mineiros, além de apaixonados por cerveja artesanal, são curiosos e gostam de experimentar. Com os growlers, o cervejeiro pode degustar a bebida fresca, de forma democrática, compartilhando com os amigos e, ainda, com bom custo/benefício, sem a necessidade de alugar um barril ou chopeira. Além disso, essa nova modalidade de consumir cerveja cria mais oportunidades de experimentação, ampliando a possibilidade de sabores a degustar em uma mesma ocasião”, destaca José Felipe Carneiro, sócio-fundador da marca.

 

(foto: Wäls/divulgação)
(foto: Wäls/divulgação)

 

Já a Krug Bier fundou uma Growler Station em parceria com o restaurante Assacabrasa (unidade Pátio Savassi). Nas seis torneiras, a fábrica disponibiliza chopes nos estilos Cristal, Hefe Weizein, Golden Ale, Dunkel e Rancor (India Pale Ale) e os vasilhames em opções de porcelana (capacidade para dois litros), growler garrafa (1,9 litro), growler garrafa quimio (um litro) e growler PET (um litro).

 

 

(foto: Clovis Mello/divulgação)
(foto: Clovis Mello/divulgação)

Apostando em inovação como diferencial em um mercado promissor, a Sátira espera escoar 10% da produção no Growler Station da marca, fundado mês passado, no Bairro Sion, Região Centro- Sul, espaço que aceita criptomoedas (Bitcoin) como pagamento e que apostou no sistema de autosserviço My Tapp – em que o cliente tem total controle do volume a ser consumido, sem ter a obrigação de consumir volumes pré-determinados, como copos de 300ml ou 500ml e um litro. “Assim, o consumidor pode comprar pequenos volumes para experimentar os diversos estilos de chope, uma inovação em Minas e no Brasil. Com as growlerias, acreditamos que o público sai ganhando, por ter acesso a uma diversidade maior de cervejas artesanais por preços competitivos, além de poder consumir o chope em qualquer lugar e não somente nos bares e restaurantes que têm chopeiras”, encerra o gerente Eduardo Gomes. 

 

 

SERVIÇO

Cervejaria Backer 
(31) 3228-8888
www.cervejariabacker.com.br

Prússia
(31) 3852-3400
www.prussiabier.com.br

Sátira
(31) 3547-5188

www.cervejariasatira.com.br

 

Go Growler 
(31) 3378-3124
www.gogrowler.com.br

Krug Bier
(31) 3507-0777
www.krug.com.br

Wäls
(31) 3443-2811

www.wals.com.br 

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade