Publicidade

Estado de Minas

Dono de academia relata desafios superados durante a pandemia e se prepara para "novo normal"


02/12/2020 17:18

As academias de ginástica foram profundamente afetadas com a pandemia. Após ficarem quase sete meses fechadas, e agora funcionando debaixo de várias regras de controle de controle sanitário. Aos poucos os frequentadores assíduos estão voltando às práticas esportivas, mas, ao contrário do habitual, não estão focados no "Projeto Verão", como normalmente é feito nesta época do ano.

Divulgação
Divulgação

Segundo o proprietário da academia Body Energy, Luciano Silva Gomes, o próximo ano promete ser também atípico, o que já mudou as preferências de quem busca melhorar o condicionamento físico: "Quando falamos em falando no Projeto Verão, são aqueles fatores motivadores que levam a pessoa a praticar os exercício, como a expectativa para ir à praia ou desfilar no carnaval, mas o próximo ano vai ser bem algo bem diferente disso. Algumas cidades já confirmaram que vão comemorar o carnaval só em julho, e por isso não existe aquela mesma euforia que é comum nesta reta final do ano", detalha.

Mas para quem deseja encontrar com o mar e desfilar o corpo já em janeiro, Luciano orienta que está na hora de correr atrás: "Temos uma equipe de diversos profissionais para dar o suporte para estas pessoas, inclusive com atendimento nutricional, psicológico e, é claro, no condicionamento físico. Já estamos no fim de novembro e é um pouco mais complicado a questão do ganho de massa muscular com excelência. Mas, o básico que perder um pouquinho de gordura para entrar de uma roupa, isso aí em dois, três meses é possível fazer uma preparação boa", explica.

Fisioterapeuta de formação, Luciano Gomes ressalta que os alunos podem tranquilamente procurar a academia para fazer suas atividades físicas: "Estamos seguindo um protocolo bem rigoroso da prefeitura, por exemplo, todos os funcionários usam máscaras o tempo todo. Alguns deles, os que ficam na linha frente, usam aquela cobertura acrílica também no rosto. Todos vêm com a roupa normal e trocam quando chegam para trabalhar. Há álcool em gel também disponível para todos, e também usamos desinfetante hospitalar nos aparelhos. Além disso, há marcações no chão mostrando onde o aluno deve transitar. Antes e depois de cada aula coletiva temos uma equipe que faz a limpeza de todo o ambiente". E com a reabertura, ele se enche de esperança para receber os novos frequentadores: "Temos muitas caras novas aqui, são muitas pessoas que nunca fizeram atividade física em academia e que agora resolveram se matricular, então é tudo novo para todos nós", completa.

Para quem está seguindo o distanciamento físico e o isolamento social, Luciano salienta que colocou a equipe da academia para dar aulas online: "Nós fomos procurados para dar aulas em casa ou até mesmo em praças e lugares públicos. Por isso temos um aplicativo onde colocamos vídeos de algumas aulas, que tem em torno de 30 a 40 minutos. Assim, mesmo sem sair de casa, o aluno pode fazer sua atividade física com qualidade". Além disso, Luciano ressalta que teve um ótimo feedback dos alunos com essa modalidade: "Isso permite que todos tenham tempo disponível, e muitos daqueles que me relataram não ter condições de ir à academia estão fazendo os exercícios dessa maneira e gostando do que é ofertado". Mas atenção, tudo isso deve ser feito com um trabalho em conjunta, destaca o dono de academia: "Mantenha também uma boa alimentação e equilibrada. Se possível faça também inicialmente o acompanhamento nutricional. Sempre falo isso com meus clientes e o resultado esperado é sempre alcançado".

Luciano Gomes é primo da empresária e paisagista Sophia Utnick. Morando nos Estados Unidos, ela é uma das alunas que pratica os exercícios físicos ensinados pelo fisioterapeuta. Ela, que é dona de uma empresa que revela novos talentos da música e da dança em todo Brasil, a Utnick Production, aposta no sucesso da Body Energy para quem deseja ficar em forma e também ter a oportunidade de gravar um videoclipe.

Localizada no bairro Dona Clara, região noroeste de Belo Horizonte, a academia oferece aulas de dança: "Assim, além de dançar, a pessoa vai poder queimar as calorias, se sentir bem com o corpo, e com auto estima bem elevada", reforça Luciano. Já Sophia vai além: "Assim, a pessoa poderá investir na dança de forma profissional, e quem sabe, brevemente, se tornar mais um nome de sucesso no cenário cultural brasileiro", finaliza.

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade