Publicidade

Estado de Minas

Novas tecnologias revolucionam o tratamento da dor


postado em 08/05/2020 22:20

 Dr. Otávio Melo, do Instituto Regenius /Divulgação
Dr. Otávio Melo, do Instituto Regenius /Divulgação

Uma tendência frequente na medicina atual é a utilização de recursos tecnológicos mais modernos, com o objetivo de aumentar a segurança, melhorar a comunicação e até mesmo evitar procedimentos maiores como a realização de cirurgias, por exemplo.

O uso da informática para a comunicação com profissionais da saúde foi intensificado recentemente, em especial nos últimos meses, devido a pandemia. Após a regulamentação pelas autoridades, muitos adotaram o sistema de telemedicina, como mais uma opção para alcançar quem não pode ou não quer sair de casa. Essa nova realidade tecnológica também permite que as clínicas fiquem mais modernas e equipadas, oferecendo diagnósticos e tratamentos avançados em um só local.

Um dos primeiros médicos ortopedistas a enxergar essa nova realidade no Brasil foi o Dr. Otávio Melo, do Instituto Regenius, que nos mostra como é importante manter-se atualizado por meio da participação nos principais eventos científicos internacionais: "Recebemos lançamentos de produtos e equipamentos para a saúde quase diariamente, e temos que selecionar com rigor quais são os melhores para utilizar no diagnóstico e tratamento de nossos pacientes".

Os aparelhos de imagem estão cada vez mais sofisticados, e são capazes de reproduzir com precisão, em tempo real, cada milímetro do corpo humano. De acordo com o médico: "antigamente, quando precisávamos de uma ultrassonografia, era necessário encaminhar para outro profissional fazer, e demorava-se semanas para recebermos o retorno". Felizmente, isso mudou muito; nos dias atuais os aparelhos são portáteis e o exame pode ser feito pelo próprio médico ortopedista, já no momento da primeira consulta. "O ultrassom é considerado hoje como o estetoscópio do ortopedista", afirma. Dessa maneira, o tratamento já pode ser iniciado imediatamente, sem necessidade de depender de terceiros para confirmação do diagnóstico.

As técnicas avançadas são menos invasivas, e podem ser realizadas com total segurança em clínicas ou consultórios médicos, o que evita a necessidade de ir até um hospital. Na maioria das vezes, esses tratamentos são realizados sem a necessidade de cortes, por meio da aplicação de produtos e ondas de energia concentrada sobre os locais indicados. "Muitas lesões e doenças ortopédicas não dependem de cirurgias para seu tratamento. As internações devem ser apenas para casos realmente graves, e que não melhoram de outras maneiras", explica. Muitas pessoas sofrem com dores crônicas justamente por desconhecerem essa informação, ou acabam sendo submetidas a cirurgias (e suas complicações como sangramentos, tromboses, infecções) sem necessidade. 

Alguns dos métodos utilizados para o alívio dos sintomas e aceleração da recuperação demonstrados são as ondas de choque focais, a radiofrequência, os campos eletromagnéticos e o laser ou LED de alta potência. É possível ainda associar essas técnicas, e aumentar a sua eficiência com o uso do ultrassom. Ele nos mostra também que as infiltrações, como a aplicação de ácido hialurônico e fatores de crescimento por exemplo, são técnicas minimamente invasivas que podem ser usadas em combinação com essas ondas, com objetivo de estimular a resposta biológica dos tecidos. 

Tudo isso pode acelerar a recuperação, reduzir a dor causada pela inflamação, e estimular a reparação e cicatrização mais precoces, para permitir que as pessoas fiquem menos tempo afastadas de suas atividades físicas, esportivas e profissionais. 

O oficial de infantaria do Exército, João Doyle, nos conta que foi um dos beneficiados pelas técnicas. "Sofri com fraturas por estresse nas duas canelas, e passei por diversos médicos. Eles me mandaram ficar sem correr durante 6 meses, e isso era simplesmente impossível na minha situação! Realizei o tratamento com ondas indicado pelo médico, e os sintomas logo desapareceram. Não precisei ficar fora das atividades do quartel por nem uma semana", diz o militar.

Oficial de infantaria do Exército, João Doyle/Divulgação
Oficial de infantaria do Exército, João Doyle/Divulgação

Esses dispositivos ajudam a amenizar o sofrimento causado pelas dores crônicas, tanto nas doenças degenerativas, quanto nas lesões devido a acidentes ou esportes. Até mesmo quando uma doença não possui cura definitiva, os sintomas podem ser controlados, a fim de evitar o agravamento do problema e melhorar a qualidade de vida com o passar dos anos. 

Os tratamentos avançados permitem reduzir a dor e auxiliar no ganho de força, movimento, e função não só física, como também mental. A valorização da autoestima, motivação e propósito auxiliam no retorno a uma vida plena, sem o risco ou desconforto de uma internação ou procedimento maiores. 

"Nos dias atuais, muitos deixam de procurar tratamentos médicos. Existe um receio de se exporem em locais de aglomeração. A convergência de tecnologias em clínicas modernas, aumenta a segurança de todos, e eliminam a peregrinação a várias clínicas ou hospitais para encontrar a solução mais adequada para os problemas de saúde", conclui o médico. 

Para saber mais informações sobre o assunto, acesse o blog do Dr. Otávio Melo ou a página do Instituto Regenius: 

https://www.otaviomelo.com.br/

https://www.institutoregenius.com.br/

Ou siga-os no Instagram: 

https://www.instagram.com/dr_otaviomelo

https://www.instagram.com/instituto.regenius/

Compartilhe no Facebook
*Apenas para assinantes do Estado de Minas

Publicidade