UAI
Publicidade

Estado de Minas MERCADO

Por que a meia-calça está em falta em pleno inverno

Acessório é extremamente procurado na estação mais fria do ano e está em falta em vários estabelecimentos em Belo Horizonte


06/07/2022 16:14 - atualizado 06/07/2022 17:19

Pernas de duas mulheres com meias-calças fio 40 e fio 80
Os tipos fio 40 e fio 80 são as mais procurados e estão mais em falta nas lojas (foto: Freepik / Divulgação)

Inflação, guerra na Ucrânia e pandemia afetaram até mesmo a meia-calça. O acessório, muito procurado para o uso no inverno, está em falta no comércio. De acordo com lojistas de Belo Horizonte, a maioria dos produtos que envolvem fio e algodão está em falta, mas os tipos de meia-calça fio 40 e fio 80 são as mais afetadas. Assim como em outras cidades, o mercado da capital mineira sofre os impactos da falta do produto.


Fernanda Santa, funcionária da loja Pé de Meia Lupo, no Bairro Carlos Prates, disse que o problema está geral, principalmente da marca Lupo, que é a mais procurada. "O principal motivo é a falta de matéria-prima e de mão de obra qualificada. Quando ligamos para as fábricas perguntando, elas não têm previsão para o retorno da produção normal.”  

 

 

Fernanda disse que não falta nenhum produto na loja, mas teve que recorrer a outras marcas para substituir os da Lupo. Fábricas argumentam que a oferta e demanda estão desequilibradas, pois, durante a pandemia, houve uma queda no consumo de meia-calça. 


“Durante a pandemia, a entrega já estava prejudicada, com a crise que estamos sofrendo, todos os ramos de tecidos ficaram prejudicados. Vários fornecedores estão passando por isso, de fio de meia-calça à calcinha. Quem tem esses produtos ainda, é de estoque antigo”, disse a comerciária. 


Aumento de preço


A falta acarreta aumento de preço de cerca de 30%. “Estamos fazendo pedidos, mas só uma parte é atendida. Recebemos bem pouco mesmo, cerca de 20% do que foi solicitado”, contou Fernanda. 


Gislaine Aparecida Pereira, lojista da Lupo, do Shopping Cidade, no Centro, confirmou que os produtos estão em falta até mesmo para a loja oficial. “Fomos comunicados de que alguns produtos estão suspensos para compra, não têm disponibilidade nas fábricas. Dentro desses produtos, existem vários tipos de meias-calças”, contou.  

 

 


Os funcionários da loja estão sendo orientados a falar sobre isso com os clientes, pois a procura tem sido grande. Sobre o aumento de preço, ela explica que algumas lojas podem estar usando o argumento da falta de produto como oportunismo. “Os franqueados diretos da Lupo possuem uma tabela de preço, não é um valor fixo padrão, o lojista tem autonomia para precificar. É apenas uma referência. Porém, não há necessidade de repassar o preço. Aqui na loja, o preço médio na meia-calça é R$ 22,90, e ficamos quase um mês sem o produto. Quando chegou um novo estoque, vendemos em menos de 15 dias, pelo mesmo valor”, diz Gislaine. 


De acordo com ela, além da meia-calça, nas lojas da Lupo faltam outros produtos, como linha de isolamento térmico, roupas de atividade física e máscaras de proteção. "Alguns até saíram do catálogo por falta de matéria-prima, como os kits de cueca 100% algodão”, informa Gislaine. A Lupo não informou as franquias da marca se há uma previsão de normalização dos pedidos.

 

*Estagiária sob supervisão 




 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade