Publicidade

Estado de Minas ECONOMIA

Retorno da produção de modelos populares deve demorar


20/07/2021 08:01

A ruptura provocada pela escassez de chips atingiu a indústria automotiva de forma indiscriminada, gerando perdas de US$ 100 bilhões, segundo estimativas da consultoria KPMG. Ao menos 5 milhões de veículos deixarão de ser produzidos neste ano, calcula a Boston Consulting Group (BCG). No Brasil, estima-se que até 120 mil unidades tenham deixado de ser fabricadas no primeiro semestre.

Nesse quadro de alta seletividade na fabricação, o Brasil tem a desvantagem de seu parque produtivo depender de modelos que não estão, no momento, na lista de prioridades. Eles devem ser os últimos a voltar a uma produção sem restrições.

Os planos de produção das montadoras na América do Sul, onde o Brasil é o principal produtor, estão mais comprometidos do que os de fabricantes da Europa. Essa é uma das conclusões extraídas do estudo da BCG usado como base na estimativa feita recentemente pela Anfavea, a associação da indústria nacional de veículos, de que o Brasil já deixou de produzir neste ano entre 100 mil e 120 mil veículos por falta de peças.

Segundo estima a BCG com base em dados do segundo trimestre, a falta de eletrônicos impediu 14% da produção planejada por montadoras sul-americanas. Na Europa, as fábricas deixam de produzir 9% do volume esperado. Só na América do Norte, onde as paralisações também viraram rotina, o impacto é maior do que aqui: 20% do total previsto.

Na avaliação do consultor Paulo Cardamone, da Bright Consulting, além de os próprios fornecedores de semicondutores privilegiarem a indústria de tecnologia, em detrimento das montadoras, a cadeia automotiva direciona as matérias-primas para os produtos mais rentáveis. Nessa dinâmica, modelos populares vão para o fim da fila. "Não só no Brasil, mas em todo o mundo, esse tipo de produto será o último a voltar", diz o consultor.

Segundo Besaliel Botelho, presidente da Bosch, grupo que fornece sistemas eletrônicos para as montadoras, a cadeia de suprimentos costuma evitar que apenas um ou poucos clientes fiquem com todo o volume disponível. No entanto, a escolha de quais carros serão produzidos é uma decisão individual das montadoras. "Estamos numa situação em que o cobertor ficou mais curto para todo mundo", diz Botelho.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade