Publicidade

Estado de Minas ECONOMIA

EUA: em discurso, Biden celebra crescimento e vê inflação temporária


19/07/2021 13:49

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, realizou nesta segunda-feira, 19, discurso sobre economia, no qual celebrou o estado atual do país. Ele lembrou que analistas projetam agora crescimento de "7% ou mais" para a economia americana, com crescimento e geração de empregos "em níveis recordes". O líder também citou os recordes recentes nos mercados acionários, embora tenha comentado que para ele este não é o principal a se observar no quadro, aproveitando para criticar o foco a seu ver excessivo nas bolsas do ex-presidente Donald Trump.

Biden voltou a insistir na importância da vacinação. Como tem feito em suas aparições recentes, ele destacou o alto índice de vacinados, mas alertou aqueles que ainda não receberam o imunizante, "especialmente com a variante delta, mais contagiosa". "A única maneira de superar esse vírus é se mais americanos se vacinarem", ressaltou.

O presidente americano também voltou a reafirmar a posição de seu governo de que a alta dos últimos meses dos preços é um fenômeno transitório, fruto da reabertura econômica, citando problemas na cadeia de produção que devem ser solucionados adiante. Segundo ele, cerca de 60% da alta dos preços dos últimos meses é fruto de efeitos transitórios. De qualquer modo, ele disse que sua administração segue vigilante sobre qualquer resposta necessária a esse quadro e também reafirmou a independência do Federal Reserve (Fed, o banco central americano) para agir, caso seja necessário para conter o movimento dos preços.

Biden novamente defendeu que o Congresso apoie o pacote de gastos com infraestrutura defendido por seu governo. Segundo ele, melhorias na infraestrutura, por exemplo em estradas, ajudam a conter os preços dos produtos e a aumentar a produtividade da economia, melhorando o quadro da inflação.

O presidente americano também foi questionado por jornalistas no evento sobre o Facebook. Ele afirmou esperar que a rede social atue contra pessoas que distribuem desinformação sobre vacinas. Ele diz que não acusava diretamente o Facebook por "matar pessoas", mas pediu que a empresa faça algo sobre aqueles que veiculam desinformação.

Questionado sobre o papel da China em ciberataques, Biden não quis se alongar no assunto, dizendo que ainda receberá mais informações de sua equipe. Pressionado a comentar o tema pelos jornalistas presentes, ele disse que aparentemente hackers chineses não atuariam com o apoio explícito de Pequim, como ocorreria no caso da Rússia.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade