Publicidade

Estado de Minas ECONOMIA

Transporte de carga no corredor Centro-Norte da VLI cresce 89% nos últimos 5 anos


16/04/2021 09:50

O Corredor Centro-Norte, matriz ferroviária que compreende os Estados do Tocantins e Maranhão, foi responsável pela movimentação de 41,7 milhões de toneladas nos últimos cinco anos. O número representa um aumento de 89,5% no período, índice que reforça a importância do Arco Norte para o escoamento dos crescentes fluxos do agronegócio brasileiro. Apenas em 2020 foram 10,6 milhões de toneladas em circulação, um crescimento de 6,7% em relação ao ano anterior, segundo comunicado da administradora VLI.

A VLI investiu no trecho, apenas nos últimos cinco anos, um total de R$ 997,6 milhões, para tornar viável o desenvolvimento da matriz ferroviária no Norte do País. Segundo a empresa, esse aporte faz parte de um planejamento regular com a alocação de recursos em manutenção e modernização dos ativos operacionais, além de projetos de meio ambiente, saúde e segurança. Para o próximo triênio, estão previstos cerca de R$ 700 milhões em novos investimentos.

Conforme a companhia, o Arco Norte representa o futuro da logística nacional. Para integrar os modais, conectando a malha ferroviária aos principais portos do Norte, a VLI implementou solução logística que conta com os Terminais Integradores de Porto Nacional e Palmeirante, no Tocantins; além de escoamento via Terminal Portuário de São Luís, no Maranhão.

Por meio do modal ferroviário, cargas de milho, soja e farelo de soja saem do interior do País, passam pelos terminais de Porto Nacional e Palmeirante, e seguem até Porto do Itaqui (MA). O tramo norte da Ferrovia Norte-Sul tem cerca de 3 mil vagões. De 2015 para cá, a frota utilizada no trecho entre Tocantins e Maranhão mais do que quadruplicou, de acordo com a VLI.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade