Publicidade

Estado de Minas

Preço do material de construção varia até 179% na Grande BH

Pesquisa do Mercado Mineiro foi divulgada nesta segunda-feira e mostra grandes variações entre estabelecimentos. Também há comparativo com o mesmo período do ano passado


28/09/2020 11:03 - atualizado 28/09/2020 12:26

Quem precisa adquirir materiais de construção precisa fazer pesquisas e pedir orientações aos profissionais(foto: Luiz Ribeiro/EM/DA Press)
Quem precisa adquirir materiais de construção precisa fazer pesquisas e pedir orientações aos profissionais (foto: Luiz Ribeiro/EM/DA Press)


Quem está construindo ou reformando em Belo Horizonte e na região metropolitana deve ficar atento e pesquisar muito se não quiser extrapolar o orçamento. Os preços do material de construção na Grande BH variam até 179% de um estabelecimento para o outro. Os dados são do site de pesquisas Mercado Mineiro.

O levantamento foi feito entre os dias 20 e 25 de setembro em 45 estabelecimentos da região. Segundo o coordenador do Mercado Mineiro, o economista Feliciano Abreu, durante a pandemia, as pessoas começaram a consumir mais materiais de construção. Em casa, tiveram a oportunidade de realizar desde pequenos reparos a reformas e obras maiores. Mas ele destaca que essa mesma dedicação tem que ser aplicada na hora de pesquisar os preços e planejar os gastos. “As pessoas querem comodidade, acham melhor comprar no mesmo depósito. É um risco muito grande. As diferenças são gigantescas”, ressalta. 

Entre os produtos pesquisados pelo Mercado Mineiro está o tubo de esgoto PVC de 50mm, que pode custar de R$ 18,90 a R$ 52,90, diferença de 179%. O tubo de PVC de água com 20mm varia de R$ 7,90 a R$ 20, uma diferença de 153%. A argamassa ac1, de 20 quilos, pode custar de R$ 4,99 a R$ 10,50, variação de 110%. Já o metro cúbico de areia lavada fina ou grossa pode ser encontrado a R$ 74 e até R$ 139,95, 89% de diferença. 

Também há grande variação de preços no cimento branco de um quilo, de R$ 2,59 até R$ 5, diferença de 93%. A brita zero pode custar R$ 70 ou R$ 140, diferença de 100% entre um estabelecimento e outro. O milheiro de tijolo comum pode custar de R$ 390 até R$750, variação de 92%.  A tinta de primeira linha Latex PVA de 18 litros pode custar de R$ 173 até R$ 298, variação de 72%.

O Mercado Mineiro também comparou o preço médio dos produtos neste mês com setembro do ano passado. De acordo com a pesquisa, o cimento Campeão CPIII40 de 50 quilos subiu de R$ 17 para R$ 21,40, aumento de 25,88%. A cola para PVC Tigre de 75 gramas subiu de R$ 6,13 para R$ 6,53, aumento de 6,50%. Já o milheiro de tijolo furado Braúna 29x19x09 foi de R$ 637,27 no ano passado para R$ 685 agora em setembro, um aumento de 7,50%.

Diante dos aumentos, Feliciano Abreu aconselha. “É bom o consumidor sempre escutar o mestre de obras, o engenheiro, o arquiteto e, principalmente, quem bota a mão na massa. É o pedreiro que muitas vezes vai falar qual material que rende melhor, ou qual marca tem o melhor custo-benefício”, diz o economista. A pesquisa completa está disponível no site do Mercado Mineiro


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade