Publicidade

Estado de Minas CONJUNTURA

BC intervém para segurar dólar após fala de Guedes

Moeda dos EUA chega ao recorde de R$ 4,38 depois de ministro criticar estabilidade da moeda, mas fecha a R$ 4,334 com ação do Banco Central. %u201CUm pouco alto%u201D, diz Bolsonaro


postado em 14/02/2020 04:00 / atualizado em 13/02/2020 22:45

Ministro da Economia afirmou que acabou a época de empregada doméstica viajando para a Disney em palestra para empresários (foto: Suamy Beydoun/Agif/Estadão Conteúdo)
Ministro da Economia afirmou que acabou a época de empregada doméstica viajando para a Disney em palestra para empresários (foto: Suamy Beydoun/Agif/Estadão Conteúdo)

Após a polêmica declaração do ministro da Economia, Paulo Guedes, que afirmou que o dólar alto é bom ao criticar a época em que empregadas domésticas podiam ir à Disney porque a moeda estava barata, a divisa norte-americana abriu o dia de ontem com alta e atingiu a cotação recorde do Plano Real a R$ 4,38, obrigando o Banco Central a intervir para conter desvalorização do real. A baixa começou a ser sentida no final da manhã, quando o BC fez um leilão de swap cambial. O banco vendeu todos os contratos de swap tradicional da oferta de até 20 mil, com vencimentos em agosto, outubro e dezembro de 2020.

O mecanismo é usado para segurar a desvalorização do real. Ao comentar a alta do dólar na quarta-feira, o ministro da economia disse que o modelo econômico no país mudou, não sendo mais, segundo ele, composto por juros alto e câmbio baixo, e gerou polêmica com as declarações. “Não tem negócio de câmbio a R$ 1,80. Todo mundo indo para a Disney, empregada doméstica indo para a Disney, uma festa danada. Vai passear em Foz do Iguaçu, vai passear no Nordeste, está cheio de praia bonita. Vai conhecer onde o Roberto Carlos nasceu”, disse.

A moeda norte-americana encerrou o dia vendida a R$ 4,3339, em uma queda de 0,38%. Na máxima do dia, chegou a R$ 4,3830. Já o dólar turismo fechou a R$ 4,52, sem considerar o Imposto sobre Operações Financeiras (IOF). Na véspera, o dólar encerrou o dia vendido a R$ 4,3505, em alta de 0,55%. No mês, o dólar acumula valorização de 1,14% e, no ano, de 8,08%. Após a atuação do Banco Central vendendo dólar, a moeda americana à vista passou a cair ante o real, chegando à mínima de R$ 4,3095.

Depois da alta recorde do dólar, o presidente Jair Bolsonaro avaliou que o preço da moeda está “um pouquinho alto”. Ele não quis comentar a declaração polêmica do ministro Paulo Guedes, de que o dólar mais baixo permitia a empregadas irem à Disney e virou “uma festa danada”. “Pergunta para quem falou isso. Eu respondo pelos meus atos”, disse Bolsonaro ontem, ao ser questionado sobre a fala de Guedes por jornalistas na saída do Palácio da Alvorada. “Respondo pelos meus atos”, insistiu diante de novos questionamentos sobre o que achou da declaração.

Bolsonaro disse que costuma conversar com o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, para saber o motivo da alta do dólar, mas que não interfere diretamente nas decisões da área econômica. O presidente considera que o valor de R$ 4,35 do dólar, que marcou a quarta alta consecutiva, está “um pouquinho alto”. “De vez em quando eu converso com o Roberto Campos (Neto). Vocês sabem que eu entendo para burro de economia, sabem disso. E está dando certo a economia por causa disso, porque eu não interfiro. Por exemplo, quando acaba a reunião do Copom, quando decide 4,25 (%), daí eu converso: 'Roberto, o que aconteceu?'. Apenas depois que aconteceu. Eu, como cidadão, está um pouquinho alto, está um pouquinho alto o dólar”, declarou o presidente.

A declaração do presidente foi feita antes de o Banco Central realizar o leilão de swap para forçar a queda na cotação da moeda norte-americana. O dólar ainda sobe ante a maioria das divisas emergentes e ligadas a commodities, enquanto as bolsas, incluindo o Ibovespa, têm baixa generalizada. O Ibovespa caiu 0,87%, aos 115.653 pontos. A Bolsa de Londres tinha perdas de 1,34% e o S&P500 futuro, de 0,56%, logo após a abertura do pregão.

O petróleo tinha leve alta, após cair por causa das preocupações renovadas com o coronavírus. Considerando-se os últimos dados, o total de óbitos na China desde o inicio do surto aumentou para 1.367, com 59.804 casos confirmados. Também ontem os números da pesquisa de serviços divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) vieram melhores que a mediana em dezembro na comparação mensal (-0,4%), e os de 2019 em linha com a mediana (1%). Por isso, não devem provocar muitos ajustes em relação às apostas para política monetária, ficando em segundo plano, segundo um profissional de renda fixa.




Publicidade