Publicidade

Estado de Minas ECONOMIA

Índice de Liquidez do sistema atinge 2,38 em junho ante 2,42 em dezembro, diz BC


postado em 10/10/2019 11:06

O Índice de Liquidez (IL) do Sistema Financeiro Nacional (SFN) passou de 2,42 em dezembro de 2018 para 2,38 em junho de 2019, conforme o Relatório de Estabilidade Financeira (REF), divulgado nesta quinta-feira, 10, pelo Banco Central. Em junho de 2018, o IL estava em 2,13.

Esse indicador é usado para avaliar a capacidade de pagamento de instituições financeiras em relação a suas obrigações. Ele representa a relação entre os ativos mais líquidos do sistema bancário e a honra de seus compromissos em um prazo de 30 dias. Quanto maior o número, mais confortável é a situação de liquidez dos bancos.

De acordo com o REF, mesmo com a retração de 0,8 ponto no IL, o resultado ainda indica uma resiliência historicamente alta para suportar o cenário de estresse de liquidez do BC.

"Em junho de 2019, 98% dos ativos do sistema bancário estavam em balanços de bancos com estoque de ativos líquidos suficientes para suportar a crise de liquidez projetada no modelo do BC, isto é, possuíam um IL acima de 1", completou o documento.

Já o Índice de Liquidez Estrutural (ILE) passou de 1,15 em dezembro do ano passado para 1,16 em junho deste ano. Em junho de 2018, ele estava em 1,13. O desejável é ter um índice perto ou acima de 1, já que esse termômetro serve para verificar quanto as instituições possuem de recursos estáveis em seus passivos para fazer frente a um ativo de mais longo prazo - seja ele crédito, investimento ou participação societária, entre outros.

No REF divulgado nesta quinta-feira, o Banco Central informou que o indicador vem apresentando tendência de alta há aproximadamente três anos, fruto principalmente do ritmo baixo de concessões de crédito concomitante ao crescimento do capital e captações estáveis nesse período.

Índice de Basileia

O Índice de Basileia do Sistema Financeiro Nacional atingiu 18,0% em junho de 2019, ante uma taxa de 17,9% verificada em dezembro do ano passado, conforme os dados do Relatório de Estabilidade Financeira. Em junho de 2018, o índice estava em 17,2%. O Índice de Basileia é um conceito internacional, definido pelo Comitê de Basileia, que estabelece uma relação mínima entre o Patrimônio de Referência (PR) e os ativos ponderados pelo Risco (RWA) dos bancos.

No Brasil, o índice a ser obedecido é de 8%. O porcentual significa que, para cada R$ 100,00 que um banco empresta, a instituição precisa ter R$ 8,00, levando-se em consideração o nível mínimo regulatório.

ROE

De acordo com o relatório do BC, o Retorno Sobre Patrimônio Líquido (ROE) do sistema bancário atingiu 15,8% ao ano em junho de 2019, ante taxa de 14,8% vista em dezembro do ano passado. Em junho de 2018, estava em 14,4%.

De acordo com o BC, o resultado foi influenciado positivamente pela recuperação gradual no crescimento da carteira de crédito em mix mais rentável e pela melhora na eficiência operacional dos bancos públicos.

A instituição afirmou, no entanto, que não se observa influência do aumento relevante das margens de juros nem crescimento das receitas de serviços acima das despesas administrativas, tal como ocorreu em 2017 e 2018.


Publicidade