Publicidade

Estado de Minas ECONOMIA

Proposta do BPC é antecipação opcional, não se pode obrigar, diz Guedes


postado em 04/06/2019 16:57

O ministro da Economia, Paulo Guedes, revelou nesta terça-feira, 4, que chegou a defender internamente que a antecipação do Benefício de Prestação Continuada (BPC) a partir dos 60 anos fosse de R$ 600 por mês, e não R$ 400 como está na proposta de reforma da Previdência enviada ao Congresso. Esse ponto do projeto é um dos que enfrenta maior resistência entre os parlamentares.

"Eu queria que o BPC fosse de R$ 5 mil. Mas entendo que a opção no projeto é uma escolha para antecipar o benefício. Eu até falei que R$ 400 era pouco, falei para colocar R$ 600, tendo em vista o valor do salário mínimo. Mas esse valor é opcional pra quem quiser receber mais cedo, não se pode obrigar. Quem não quiser, fica no regime antigo e recebe um pouco mais depois", afirmou, na Comissão de Finanças de Tributação (CFT) da Câmara.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade