Publicidade

Estado de Minas

Via varejo sob pressão

Depois de ser colocada no balcão, a Via Varejo conviveu com trocas sucessivas no comando


postado em 18/02/2019 06:00 / atualizado em 18/02/2019 09:06

(foto: Arte/Soraia Piva)
(foto: Arte/Soraia Piva)

Via Varejo, um dos maiores grupos empresariais do país e que reúne as operações das Casas Bahia e do Ponto Frio, precisará encontrar um comprador ainda neste ano. Como está à venda desde o final de 2016, seu controlador, o Grupo Pão de Açúcar (GPA), parece ter cansado de esperar por propostas tentadoras e poderá até se desfazer de sua posição na operação no mercado de capitais, segundo uma fonte ligada à companhia. Esse processo teve início no fim de 2018, quando o GPA vendeu 3,86% de sua fatia no negócio, o equivalente a 50 milhões de ações. Depois de ser colocada no balcão, a Via Varejo conviveu com trocas sucessivas no comando. A última aconteceu no fim do ano passado, quando Peter Estermann, também CEO do GPA, foi nomeado para liderar a empresa. Ao mesmo tempo, a varejista vem implantando uma série de iniciativas de transformação digital na tentativa de recuperar o tempo perdido e valorizar o seu ativo.

 

Decolagem autorizada para a Flybondi

A companhia aérea argentina Flybondi recebeu autorização para operar no mercado brasileiro. O sinal verde concedido pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) permite que a empresa se constitua no país e possa oferecer serviço de transporte aéreo internacional regular de passageiro, carga e mala postal. Não é um caso único. O processo de autorização operacional para voos regulares da europeia Norwegian está em trâmites finais.

 

54% foi quanto cresceu, em janeiro, o fluxo de visitantes em shoppings
brasileiros na comparação com o mesmo mês do ano passado.
Mais movimento significa aquecimento da economia

 

RAPIDINHAS

 

O número de brasileiros interessados em investir no mercado imobiliário americano continua crescendo, mas num ritmo menor. Segundo Leandro Teles, fundador e CEO da Investor$Inc, empresa especializada em assessoria imobiliária internacional, houve aumento de 215% nas vendas de 2012 até 2017.

Considerando apenas os dados de 2018, o avanço foi de 12%, o menor índice em muitos anos. “A instabilidade e a baixa liquidez dos imóveis no Brasil contribuíram para a redução do ritmo de crescimento”, afirma Leandro Teles.

Os investidores tomaram um susto com o caso da corretora de criptomoedas canadense que anunciou que os clientes não poderiam resgatar os investimentos porque o dono da empresa havia morrido e só ele tinha acesso às senhas que liberavam as operações. Segundo Amerson Magalhães, diretor da Easynvest, é difícil que algo parecido aconteça no Brasil. Por aqui, diz ele, os clientes estão protegidos pelos órgãos reguladores.

Depois de atingir a meta de ter unidades em todas as capitais brasileiras, a Smart Fit, maior rede de academias da América Latina, acaba de se estabelecer em Buenos Aires. A entrada no mercado argentino faz parte de um ambicioso projeto de expansão para todo o continente sul-americano. Novas investidas nos países vizinhos serão anunciadas em breve.

 

MRV adota tecnologia para evitar fraudes e processos judiciais

A MRV Engenharia adotou uma solução tecnológica para evitar fraudes e processos judiciais. Criada pela Softplan, a ferramenta identifica os motivos que levam os clientes a judicializar insatisfações. A partir dos dados coletados, é possível encerrar as discussões por meio de acordos. A construtora também quer identificar fraudes na Justiça, como processos em massa geralmente feitos pelo mesmo advogado e com valores idênticos, numa tentativa de criar uma falsa demanda de supostos lesados.

 

Estabilidade jurídica é essencial para atrair investimentos”
Luiz Gustavo Dutra, presidente da fintech LogBank, especializada em soluções de pagamento

 

Tim Cook, da Apple, integrará conselho de notáveis do governo Trump

O presidente da Apple, Tim Cook, não é exatamente um fã de Donald Trump – muito pelo contrário –, mas aceitou o convite do chefe dos Estados Unidos para integrar um conselho governamental formado por 24 CEOs de grandes empresas. A ideia do grupo é debater e implementar estratégias que estimulem a inovação no país. Ginni Rometty (IBM), Barbara Humpton (Siemens) e Bill McDermott (SAP) são outros nomes importantes da área de tecnologia que devem se juntar a Tim Cook no projeto.

 

 


Publicidade