Publicidade

Estado de Minas

MERCADO S/A - Investidores americanos no calcanhar da Vale

Além das ações na Justiça brasileira, até agora pelo menos quatro escritórios de advocacia dos Estados Unidos se mobilizaram contra a mineradora brasileira


postado em 30/01/2019 06:00 / atualizado em 30/01/2019 09:04

 


Os departamentos jurídico e financeiro da Vale, cuja sede é alvo de protestos (foto), têm razões de sobra para perder o sono por um longo tempo. Além das ações na Justiça brasileira, até agora pelo menos quatro escritórios de advocacia dos Estados Unidos se mobilizaram contra a mineradora brasileira, que negocia ADRs na Bolsa de Nova York. Por lá, a Justiça costuma ser mais rápida e mais punitiva nesse tipo de caso. No ano passado, a Petrobras foi condenada e pagou US$ 2,95 bilhões (cerca de R$ 11 bilhões) em decorrência dos prejuízos revelados pela Operação Lava-Jato. Um dos escritórios que acionou a Justiça americana, representando investidores, é o The Rosen Law Firm, de Nova York. Phillip Kim, um de seus advogados, conversou com a repórter Paula Pacheco:

Qual a acusação contra a Vale?
Os registros públicos da empresa com investidores durante o período de 13 de abril de 2018 a 28 de janeiro de 2019 foram materialmente falsos e enganosos por não avaliar o risco e o possível dano à quebra de uma barragem em sua Mina de Feijão. O programa da empresa para mitigar esses problemas era inadequado. Como resultado, várias pessoas foram mortas e outras centenas foram reportadas como desaparecidas depois que a represa da Vale em sua mina de minério de Feijão foi rompida. Quando o mercado começou a tomar conhecimento dessas informações adversas, o preço das ações da Vale caiu, prejudicando os investidores.

Quantos investidores o senhor está representando?
Inúmeros investidores estão nos contatando.

A Justiça brasileira poderia ser também destino de uma ação judicial?
Nosso caso está arquivado apenas nos tribunais dos Estados Unidos.



Otimismo em alta entre os empresários
O Brasil foi um dos destaques do levantamento global International Business Report (IBR), elaborado pela Grant Thornton e que mede o  otimismo dos empresários para os próximos 12 meses. Segundo o estudo, o país ocupa a quinta colocação no ranking, atrás de Irlanda, Finlândia, Nova Zelândia e Índia. O interessante é que, no relatório anterior divulgado pela consultoria, o Brasil ocupava uma modesta 23ª colocação. O avanço, diz a Grant Thornton, se deve à expectativa de aprovação das reformas.

GM propõe cortes em fábrica de Gravataí


Depois de ameaçar sair do Brasil, a GM (foto) continua com sua política de corte radical de custos no país. Até a fábrica de Gravataí (RS), a mais produtiva da empresa na América do Sul, está na mira. Nos últimos dias, a montadora apresentou ao sindicato local uma lista com 21 propostas. Entre elas, constam reduções de pisos e reajustes salariais, suspensão da participação em lucros e resultados (PLR) e eliminação de uma série de benefícios dos trabalhadores.


R$ 3,2 trilhões

foi o volume de
empréstimos concedidos pelos bancos em 2018,
alta de 5,5% em relação
a 2017. Segundo o
Banco Central, foi o
primeiro avanço depois de
2 anos de retração.

 

 

RAPIDINHAS

. A segunda edição do programa “Pontes para Inovação”, iniciativa voltada para startups e empresas do agronegócio que almejam crescer com a adoção de tecnologias da Embrapa, tem oito agritechs selecionadas para a fase final, que será realizada hoje no Parque Tecnológico BioTIC, em Brasília. Durante o evento, as oito finalistas vão apresentar soluções tecnológicas e propostas de negócios.

n Não é apenas a indústria automobilística que investe em máquinas autônomas. A americana Boeing concluiu os primeiros testes de seu Veículo Aéreo de Passageiros Autônomos (PAV, na sigla em inglês). O protótipo voa sem piloto e tem alcance de 80 quilômetros. Além do PAV, a empresa também desenvolve aeronaves de carga totalmente elétricas.

. O Google e o Facebook estão matando plataformas de conteúdo digital. Segundo estudo da consultoria eMarketer, metade dos investimentos feitos em publicidade digital até 2020 será destinada às duas empresas. Os outros 50% terão que ser divididos entre todas as outras companhias que produzem conteúdo on-line.

. Amazon e Apple, duas das empresas mais inovadoras do mundo, disputam uma acirrada corrida tecnológica. As gigantes querem lançar, até o ano que vem, o seu próprio serviço de streaming de jogos, que o mercado já chama de “Netflix dos games”.


"Se alguém lhe oferece uma oportunidade incrível e você não tem certeza se está preparado, diga sim – e depois aprenda a fazer o trabalho melhor do que qualquer um.”



. Richard Branson,
fundador do Grupo Virgin

 


Publicidade