Publicidade

Estado de Minas LONGE DO ESTRESSE

Geração Millenials usa cada vez mais smartphone para fazer compras

Pesquisa da consultoria PwC mostra que jovens com idade entre 23 a 36 anos preferem facilidades, como o uso do smartphone, na hora de comprar, impulsionando e-commerce


postado em 19/11/2018 09:54

Jovens da geração do smartphone são duas vezes mais propensos a usar o celular como instrumento para o consumo(foto: Reprodução/Internet - 13/3/13)
Jovens da geração do smartphone são duas vezes mais propensos a usar o celular como instrumento para o consumo (foto: Reprodução/Internet - 13/3/13)
São Paulo – Corredores lotados de shopping center? Que nada. Os millenials, como são chamados os jovens com idades entre 23 e 36 anos, devem usar cada vez mais seus smartphones para fazer compras. Segundo o estudo “2018 Holiday Outlook”, da consultoria PwC, esses consumidores são duas vezes mais propensos a efetuar uma compra pelo celular do que as outras gerações. A pesquisa, feita nos Estados Unidos, inclui a expectativa de consumo na Black Friday, no Dia de Ação de Graças, e no Natal, com base em entrevistas feitas junto a 2.071 pessoas.

Na prática, um quarto (24%) desses consumidores vão fazer suas compras pelo smartphone. Essa taxa cresce para 50% entre os millenials. Já entre a geração Z, que caracteriza jovens entre 17 e 22 anos, a pesquisa aponta que 50% deverão comprar pelo smartphone e a outra metade usará outros dispositivos, como tablets, desktops e notebooks.

No Brasil, os smartphones também são recurso que vêm ganhando espaço. Nos últimos cinco anos, o total de brasileiros que compra por esse dispositivo ao menos uma vez por mês aumentou de 15% para 41%. A expectativa é de que supere em breve as compras feitas em desktops, que caíram de 69% para 58% no mesmo período, segundo a pesquisa global ‘Consumer Insights 2018’, que ouviu 22 mil pessoas em 27 países – 1 mil delas no Brasil.

Segundo Ricardo Neves, sócio da PwC, esse comportamento tem se acentuado devido à busca por praticidade. “O que os americanos querem, e cada vez mais o varejo brasileiro tem buscado oferecer, é uma experiência ‘stress-free’, que é a jornada de compra simples e fácil, com um grande nível de informação acerca do produto na página do varejista e nas redes sociais e cujos serviços de pagamento e entrega ofereçam segurança e agilidade.”

Tanto para os millenials quanto para a geração Z, as imagens compartilhadas em redes sociais contam muito na decisão de compra. De acordo com a pesquisa, 55% dos clientes da geração Z afirmaram levar em conta os influenciadores digitais. Entre os consumidores em geral, esse número cai para 41%.

Entrevista/ Ricardo Neves, sócio da PWC

“As redes sociais têm enorme influência”


Consultor explica como o varejo tem reagido à mudança de comportamento dos consumidores

(foto: Divulgação)
(foto: Divulgação)
Até que ponto o poder aquisitivo, que no Brasil é menor, influencia a compra por smartphone?
O varejo digital foi pensado no Brasil principalmente como alternativa mais barata aos preços que eram oferecidos na loja física. Com o passar dos anos, o consumidor brasileiro tem gasto mais tempo no smartphone do que no PC, o que fez com que os varejistas adotassem a ideia do mobile first, que é pensar a jornada de compras digital levando em consideração, primeiro, os smartphones e tablets, para prover uma experiência mais fácil e segura de navegação em aplicativos e no próprio site do varejista.

O que influencia a decisão dos consumidores?

Além de compras de menor valor ou por impulso realizadas normalmente nos smartphones (em relação a outros canais), tanto a comodidade, extensão do tempo de uso e melhoria constante dos aplicativos e dos próprios smartphones têm influência direta na frequência de compras por esse canal.

Essa é geração mais influenciada pela publicidade on-line e pelos influenciadores digitais. Por isso compra mais pelo smartphone?
Totalmente. Neste ano, na “Global Consumer Insights” vimos que as redes sociais passaram a ser os principais canais de inspiração para compras, no sentido de oferecer informações e influenciar de maneira eficiente os melhores produtos para cada tipo de consumidor, crescendo 9% e chegando a 46% dos consumidores. Além disso, vimos que as redes sociais visuais, como Instagram e Youtube, têm alcançado 31% dos consumidores.

O varejo é eficiente nessa comunicação?

O varejo tem buscado explorar mais essa eficiência. Os sites de varejistas são influentes para cerca de 30% dos brasileiros, e para aumentar essa influência têm buscado alternativas, como a criação de seus próprios canais no Youtube, Instagram e outras redes sociais – até mesmo o WhatsApp – para aumentar em alcance nos canais digitais por meio de análises do desempenho e preço dos produtos, os posts patrocinados, os ‘influencers’ e até mesmo na disseminação de memes da internet.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade