Publicidade

Estado de Minas

Apesar da queda da Bolsa, mercado continua otimista

A euforia e a identificação com a agenda liberal defendida pelo novo governo levaram os especialistas a prever uma disparada sem precedentes no Ibovespa


postado em 14/11/2018 06:00 / atualizado em 14/11/2018 09:23


Poucas vezes o mercado comemorou tanto a eleição de um presidente quanto a de Jair Bolsonaro. A euforia e a identificação com a agenda liberal defendida pelo novo governo levaram os especialistas a prever uma disparada sem precedentes no Ibovespa, o principal índice da bolsa de São Paulo. Em outubro, mês da eleição, o indicador avançou 10,19% após ter subido 3,48% em setembro. Em novembro, já com o resultado das urnas consolidado, a bolsa engatou uma sequência negativa. O que teria acontecido? Há várias explicações. Muitos investidores aproveitaram o período pós-eleição para realizar seus lucros. Mas há também a decepção com o adiamento da Reforma da Previdência e o reajuste concedido aos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), que pioraram o humor do mercado. Mesmo assim, há otimismo no horizonte. Segundo projeções da corretora Spinelli, o Ibovespa pode chegar até os 93 mil pontos (ontem, fechou a 84.914). Em 2019, o caminho está pavimentado para passar dos 100 mil.

O sonho amazônico de Stan Lee

 

A morte de Stan Lee, a lenda dos quadrinhos, que criou personagens como Hulk e Homem-Aranha, deve colocar um ponto final em um dos projetos mais ousados para a Amazônia brasileira: a criação de um parque temático inspirado nos animais da floresta. Lee era um entusiasta do assunto e chegou a encomendar um estudo sobre a viabilidade de construir o parque nos arredores de Manaus. No Brasil, ele entrou em contato com o empresário Frederico Lapenda, que chegou a fazer reuniões de negócios com o gênio da Marvel.

RAPIDINHAS


A Doctor Feet, maior rede de podologia do Brasil, vai inaugurar no próximo ano 35 unidades nos estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e, principalmente, Minas Gerais. Serão dez endereços apenas na região metropolitana de Belo Horizonte, cidade estratégica para a companhia.

A rede francesa Carrefour quer se consolidar como uma empresa ambientalmente responsável. Recentemente, os empregados de uma loja de Curitiba (PR) ganharam um prêmio ao criar um projeto de reaproveitamento de alimentos descartados. Os itens são recolhidos e doados ao Instituto Onça Pintada, Ong parceira do Ibama. A expectativa do Carrefour é ajudar mais de 2 mil animais.

l Com resultados abaixo do esperado e o surgimento de novos concorrentes, a Netflix, maior empresa de streaming do mundo, começa a pensar em alternativas para conquistar clientes. Uma das ideias é reduzir o valor das assinaturas ou criar níveis de acesso a filmes e séries de acordo com o valor que a pessoa paga.

l A Eletrobras anunciou prejuízo líquido de R$ 1,6 bilhão no terceiro trimestre de 2018 ante lucro líquido de R$ 550 milhões no mesmo período do ano passado. No acumulado do ano, o lucro encolheu 44% na comparação com 2017. Ou seja: quem ainda pode ser contra a privatização da estatal de energia?]

Dreamliner da Air Europa chega ao Brasil
A companhia aérea Air Europa vai trazer três novos aviões Boeing 787-9 Dreamliner, os mais modernos do mundo, para operar em rotas no Brasil. As aeronaves passarão a voar a partir de São Paulo e de outras cidades sul-americanas, como Bogotá (Colômbia), Buenos Aires (Argentina) e Lima (Peru). Atualmente, a companhia opera com dez aviões Dreamliner, mas outras doze aeronaves serão incorporadas à companhia entre 2020 e 2021.

A volta do HSBC ao Brasil
O interesse do banco HSBC em retornar ao Brasil, conforme noticiado pelo jornal inglês Financial Times, é uma boa notícia para o futuro ministro da Economia, Paulo Guedes, que definiu como uma de suas metas a diminuição da concentração bancária no país. O HSBC afastou-se do Brasil em 2015, quando vendeu a maior parte de suas operações para o Bradesco, por US$ 5 bilhões. Desde então, manteve uma pequena equipe no mercado brasileiro para assessorar clientes empresariais de grande porte.

19,4%

foi a queda da receita bruta da Saraiva no terceiro trimestre na comparação com o mesmo período do ano anterior. A empresa vive a maior crise de sua história e recentemente anunciou o fechamento de 11 livrarias


"Empreendedorismo, pra mim, é fazer acontecer, independentemente do cenário, das opiniões ou estatísticas.”

. Luiza Helena Trajano, presidente do Conselho de Administração do Magazine Luiza

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade