Publicidade

Estado de Minas

Petronas Lubrificantes investe em pesquisa em MG

O centro coloca Minas na rota de desenvolvimento da Petronas Lubrificantes Internacional, criada em 2008


postado em 12/09/2018 06:00 / atualizado em 12/09/2018 07:15

Centro de Tecnologia para a América Latina fica em Contagem e recebeu aporte de R$ 33,2 milhões (foto: Petronas/Divulgação)
Centro de Tecnologia para a América Latina fica em Contagem e recebeu aporte de R$ 33,2 milhões (foto: Petronas/Divulgação)

Com investimentos de US$ 8 milhões (cerca de R$ 33,2 milhões pela cotação dessa terça-feira (11), a Petronas Lubrificantes Brasil inaugura hoje em Contagem o Centro de Excelência em Pesquisa e Tecnologia da América Latina. O centro tem área de 2.400 metros quadrados e uma equipe de 30 funcionários, entre eles 20 técnicos dedicados exclusivamente à pesquisa na área de lubrificantes industriais.

Os laboratórios em Minas são “parte de um plano global de termos centros de pesquisa e desenvolvimento em todos os lugares do mundo. Hoje nós temos na China, temos na Europa, temos agora aqui no Brasil e alguns estão a caminho”, afirmou o CEO da Petronas para a América Latina, Luiz Sabatino.

 Segundo Sabatino, a intenção da Petronas, estatal da Malásia com faturamento global de US$ 57 bilhões, é aproveitar as especializações de cada região para o desenvolvimento de produtos e tecnologias.

“No Brasil nós estamos à frente do mundo em termos de lubricantes industriais. Então, a partir desse centro nós vamos desenvolver prioritariamente lubricantes industriais para todas as regiões do mundo”, diz o executivo, detalhando que Minas pode desenvolver também óleos para o setor automotivo e graxa. O centro conta com laboratórios avançados para análise e desenvolvimento de produtos, auditório e espaço para treinamento.

 O centro coloca Minas na rota de desenvolvimento da Petronas Lubrificantes Internacional, criada em 2008. No mesmo ano, a empresa adquiriu a fábrica de lubrificantes da Fiat em Contagem e a partir de 2012 assumiu as operações da unidade, investindo desde então R$ 350 milhões na expansão da indústria, em logística de distribuição, desenvolvimento comercial e marketing.

“Esse investimento foi feito para mudar a Petronas de patamar e nós saímos de um market share (fatia de mercado) de 9,4% há seis anos para 11,7% hoje e somos a quarta empresa de lubrificantes no Brasil”, afirma Sabatino, lembrando que há quatro anos a empresa era a sétima no mercado. Com os investimentos, a fábrica elevou sua capacidade de produção para 220 milhões de litros de óleos por ano.

Mercado

 

Segundo Sabatinho, em 2014 o mercado de lubrificantes no Brasil somou 1,3 bilhão de litros, volume que caiu para 1,1 bilhão no ano passado e deve se recuperar este ano e chegar a 1,250 bilhão de litros. “A Petronas avançou mesmo com o mercado recuando. Nossas exportações aumentaram e hoje respondem por cerca 15%, enquanto em 2012 eram entre 6% e 7%”, diz Sabatino.

 Este ano, a Petronas deve produzir cerca de 160 milhões de litros de lubrificantes e graxa, com crescimento de 3% sobre 2017. Dos produtos fabricados, 60% vão para o varejo (concessionárias, supermercados, postos, etc) e os outros 40% vão para o que eles classificam como consumo (indústria sucroalcooleira, mineração, siderurgia, etc). Em termos de produto, 67% são óleos automotivos e 33%, industriais. No Brasil, a Petronas fatura cerca de US$ 380 milhões (cerca de R$ 1,57 bilhão)  e responde por 20% dos US$ 1,9 bilhão faturados pela área de lubrificantes do grupo em todo o mundo.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade