Publicidade

Estado de Minas

MERCADO S/A - A nova preocupação da ANP

Câmara dos Deputados deve aprovar lei que permite que as usinas de etanol vendam o combustível diretamente aos postos


postado em 24/08/2018 06:00 / atualizado em 24/08/2018 07:54



A Agência Nacional do Petróleo (ANP) está aflita com a iminente aprovação na Câmara de lei que permite que as usinas de etanol vendam o combustível diretamente aos postos. Há alguns dias, a preocupação da agência em deixar de regular sobre a questão ficou evidente quando Bruno Conde Caselli, diretor-superintendente de proteção da concorrência, declarou, em evento com empresários do setor, em Búzios, no Rio de Janeiro, que o tema é um assunto sensível e polêmico. “Não filmem nem gravem nossas discussões para evitar que o cenário se agrave ainda mais”, afirmou, em tom de apelo. Na semana passada, os preços do etanol hidratado recuaram nos postos de 20 estados e no Distrito Federal, segundo levantamento realizado pela própria ANP e compilado pelo AE-Taxas. Em outros quatro estados (Amazonas, Rio Grande do Norte, Rondônia e Tocantins), os preços subiram. No Piauí, não variaram e no Amapá não foi feita avaliação.

"Odeio toda a atenção. É melhor deixar meu trabalho falar por mim"
Shigeru Miyamoto, criador dos videogames Mario e Donkey Kong, dois dos jogos mais cultuados de todos os tempos e que ajudaram a Nintendo a se tornar uma máquina de fazer dinheiro

Elon Musk contrata gestora de crise

Depois das trapalhadas no Twitter – como dizer que fechará o capital da Tesla se a ação da empresa chegar a US$ 420 –, Elon Musk corre para minimizar os estragos. Ele contratou a empresa americana Joele Frank, especializada em gestão de crise, para melhorar a descendente reputação de Musk e da própria Tesla. Não está mesmo fácil para ninguém. No segundo trimestre do ano, a gigante de tecnologia reportou prejuízos de US$ 717,5 milhões.

Uma parada no Panamá
A panamenha Copa Airlines vai aumentar seus destinos e frequências de voos para as principais capitais brasileiras. A empresa está concluindo um estudo para estimar o potencial das cidades. Segundo a empresa, o plano é aproveitar a localização estratégica do pequeno país da América Central para oferecer aos brasileiros alternativas fora dos Estados Unidos, como o Caribe. A companhia iniciou em julho rotas diretas para Salvador e Fortaleza, no Brasil, e para a Ilha de Barbados, no Caribe.

Aplicativo antifraude
Notas fiscais frias, relatórios adulterados e desperdício gerado pela má gestão são problemas que atormentam grande parte das empresas de logística, especialmente as que contam com grandes frotas. Foi por essa razão que os empresários Bruno Pain e Thiago Campaz criaram a plataforma VExpenses. Trata-se de um app para gestão de despesas de viagem e ajuda na prestação de contas entre empresas e funcionários. Em pouco mais de um ano de funcionamento, o app já atende 200 empresas e 15 mil usuários.

21%
Das startups brasileiras não foram formalizadas, ou seja, não podem atuar legalmente. Realizada pelo escritório Nogueira, Elias, Laskowski e Matias Advogados, a pesquisa mostra um chocante desconhecimento, por parte dos empreendedores, dos procedimentos burocráticos

RAPIDINHAS

A alemã Siemens vai ampliar suas pesquisas e investimentos voltados ao agronegócio, setor que continua passando incólume pela crise econômica. A empresa deve apresentar, ainda neste mês, soluções voltadas para digitalização, automação e eletrificação no campo brasileiro, especialmente para atividades sucroalcooleiras.

Os aplicativos se tornaram um fenômeno de massa no país. Segundo pesquisa realizada pela agência Hello, 95% dos brasileiros conectados à internet utilizam apps. Em 2016, eram 67%. O estudo é abrangente: foram entrevistadas 1.410 pessoas das cinco regiões brasileiras.

Poucos setores no Brasil crescem no mesmo ritmo do mercado de itens orgânicos. Segundo projeções do Conselho Nacional da Produção Orgânica e Sustentável (Organis), o segmento fechará 2018 com um faturamento de R$ 4 bilhões, o que representará um crescimento de mais de 20% em relação ao ano anterior.

Sobre a nota “Recorde de vistos negados nos consulados americanos”, a Missão dos Estados Unidos no Brasil informe o seguinte: “A taxa média de recusa do visto B1/B2 nos últimos três anos tem sido inferior a 12% e as emissões de vistos no Brasil têm aumentado nos últimos dois anos. A emissão de vistos e a taxa de aprovação resultam de uma série de fatores, incluindo a demanda de vistos, a finalidade da viagem, as condições econômicas etc”.

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade