Publicidade

Estado de Minas

Varejo de BH prevê melhor desempenho no dias dos pais desde 2012

Vendas motivadas pela data comemorativa deverão injetar R$ 1,81 bilhão no comércio da capital, com aumento de 2% em relação a 2017


postado em 10/08/2018 06:00 / atualizado em 10/08/2018 07:58

Os lojistas apostam na data comemorativa para turbinar as vendas(foto: Juarez Rodrigues / EM / D.A. Press)
Os lojistas apostam na data comemorativa para turbinar as vendas (foto: Juarez Rodrigues / EM / D.A. Press)

Um presente e tanto para o comércio local na primeira data comemorativa do segundo semestre: metade dos belo-horizontinos (51,9%) pretende ir às compras em razão do Dia dos Pais, comemorado neste domingo, disposição que deverá aquecer as vendas do varejo, de acordo com pesquisa realizada pela Câmara de Dirigentes Lojistas de BH (CDL/BH) junto aos consumidores da capital.

A estimativa é de que R$ 1,81 bilhão sejam injetados no comércio da cidade em função da data, com perspectiva de crescimento de 1,98% nas vendas em relação ao mesmo período do ano passado. Esse é o maior percentual projetado de alta dos negócios do setor desde 2012.

Segundo o vice-presidente da CDL/BH, Marco Antônio Gaspar, o mercado do varejo vem se recuperando, depois dos altos e baixos enfrentados pela economia. Consequentemente, essas projeções impactam na data. “Os efeitos da greve dos caminhoneiros ainda estão presentes nesse cenário, o que gerou certo desânimo em alguns empresários e assustou consumidores. Com isso, houve retração de vendas”.

Embora gradativa, a reação do setor, como destaca o vice-presidente da CDL/BH, tem sido alimentada pelos juros em baixa, melhores índices de confiança e a recuperação da renda do consumidor. “È o que justifica a expectativa maior das empresas e existe um otimismo com a data”, comenta Marco Antônio.

Com base na pesquisa feita pela instituição, a expectativa é de que o tíquete médio das compras dos belo-horizontinos seja de R$ 121,63. Dependendo do produto escolhido, esse tíquete pode variar, e, uma vez confirmado, será 5,56% maior do que o registrado no ano passado. “A expectativa para agosto é de crescimento, apesar do fato de os consumidores estarem mais cautelosos na hora de ir às compras. Mas há uma esperança de esse percentual de pessoas que desejam presentear os pais aumente até domingo”, destaca o vice-presidente da CDL/BH.

O gerente de marketing do Pátio Savassi, Marcelo Portela, enfatiza o forte apelo emocional das datas comemorativas para o setor. “As pessoas não deixam de comprar um mimo e fazem questão de uma prova de gradecimento ao pai, neste caso. Consequentemente, isso influencia o consumo”, afirma.

Muito mais que produtos, Marcelo Portela conta que as vendas movimentam o setor de serviços, como restaurantes e agências de viagens. “Nos últimos anos, é evidente essa retomada de uma experiência com o ente querido. Muitas pessoas optam por um jantar ou viagens como presente, passando longe desses bens tangíveis, para usufruir de momentos agradáveis.”

PROMOÇÕES

Os grandes centros comerciais investem em promoções e facilidades para fisgar clientes. Em lugar de sorteios, o Pátio Savassi investiu na campanha ‘Comprou, ganhou’ para os consumidores que gastarem acima de R$ 350. O shopping projeta crescimento de vendas de 20%, em relação ao ano passado.

De acordo com a pesquisa da CDL/BH, do universo de 59% dos entrevistados que querem presentear os pais, o local escolhido para a compra serão os estabelecimentos mais próximos de casa. O shopping center foi a opção citada por 54,7% como lugar ideal para a realização das compras, seguido pelas lojas de rua em centro comercial (36,6%).

Segundo Christian Magalhães, gerente de marketing do Minas Shopping, a data reforça expectativa que já era positiva do comércio. “Estamos com uma grande promoção que vem dando bom retorno. A cada R$ 200 em compras, os clientes concorrem a uma moto BMW R 1200 GS Sport zero-quilômetro, e isso atrai bastante”, afirma. Até agora, as vendas no centro de compras cresceram 6% e o tíquete médio de gastos alcança R$ 317,43 por cliente. A expectativa, ainda segundo Magalhães, é de incremento dos negócios em 3,5%.

Para o gerente do Minas Shopping, os lojistas de shopping centers se beneficiam da diversidade de produtos e serviços oferecidos num mesmo local. “As pessoas procuram, além de preço atrativo, um lugar que ofereça comodidade, conforto e segurança. E os centros comerciais têm variedade de serviços e produtos.”

Roupas e calçados na dianteira


 
Gláuber Guedes diz que 80% das compras são paga por meio de cartões de crédito e débito(foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press)
Gláuber Guedes diz que 80% das compras são paga por meio de cartões de crédito e débito (foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press)


O produto mais procurado para presentear os pais deverá ser a roupa, na pretensão de 38,8% dos consumidores entrevistados pela CDL/BH. A grande variedade modelos e preços explica a escolha. Os calçados e acessórios também estão entre os itens mais procurados (35,4%). Em seguida, aparecem os perfumes/artigos de barbearia (9,4%); material esportivo (5%); vinhos/bebidas (3,8%); bombons (2,4%); utensílios domésticos (1,6%); eletrodomésticos/eletrônicos (1,4%); livros (1,1%) e relógios (0,4%).

Christian Magalhães, gerente de marketing do Minas Shopping, destaca a atratividade dos produtos da tecnologia da informação. “A tecnologia é um grande item de consumo que os clientes buscam como opção de presente, como celulares, tablets e fones de ouvido. Estamos cada vez mais dependentes das redes sociais e, portanto, desses objetos de consumo. Um grande atrativo para os pais que levam estilo de vida moderna”, observa.

De acordo com Gláuber Guedes, proprietário da Baggagio (rede especializada no comércio de malas, bolsas e acessórios para viagem), no Boulevard Shopping, os consumidores estão bem mais cautelosos na hora de comprar e o mercado ainda está receoso quanto aos efeitos da crise da economia brasileira. “Estamos bem modestos em relação às expectativas neste ano. Conseguimos um número bom no ano passado e estamos nos recuperando dos efeitos da crise”, afirma.

A compra média dentro da loja é de R$ 160, estimulada pela variedade de produtos. A loja oferece o kit de carteira com cinto por R$ 59,90, lembrança de estilo mais tradicional nesta data. Há também as mochilas antifurtos, ao preço de R$ 259,90, e as pastas com preços variados.

PAGAMENTO Apesar da preferência por pagar as compras em dinheiro (35,9%), de acordo com a pesquisa da CDL/BH, os empresários e centros comerciais ainda veem nos cartões a forma mais realizada. No Minas Shopping, de acordo com Christian Magalhães, hoje o maior volume de pagamentos é feito com o cartão.

Gláuber Guedes diz que o uso do cartão virou hábito e facilitador, já que boa parte dos consumidores tem acesso a essa modalidade de meio de pagamento. “Na loja, cerca de 80% das compras são realizadas com o cartão, seja crédito, seja débito. Nossos clientes têm optado bastante pelo pagamento à vista, para não fazer dívidas, num valor acessível ao bolso.”

* Estagiário sob a supervisão da editora Teresa Caram

 

enquanto isso...

….Mais inadimplência

O número de brasileiros com alguma conta em atraso chegou a 63,4 milhões no mês passado, o que equivale a 41% da população adulta e a um aumento de 4,3% em relação a julho de 2017. Levantamento feito pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), em parceria com o Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil), mostra que mais da metade dos inadimplentes (51%) tem entre 30 e 49 anos. A avaliação é de que essa faixa etária representa para muitos o momento de construção da vida pessoal e profissional, o que leva a desequilíbrios de orçamento. Em julho, o volume de dívidas em nome de pessoas físicas – em média, cada inadimplente tem duas contas em atraso – subiu 1,5% frente ao mesmo mês de 2017. O maior aumento da inadimplência, de 7,7%, se deu nas contas de serviços básicos, como água e luz.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade