Publicidade

Estado de Minas

'Novo presidente não precisa ser um reformista por convicção', diz Franco


postado em 17/07/2018 11:06

São Paulo, 17 - O ex-presidente do Banco Central Gustavo Franco afirmou que o futuro presidente da República não precisa ser um "reformista por convicção". Franco, que é também coordenador do programa econômico do Partido Novo, que tem como pré-candidato João Amôedo, disse que é preciso que o escolhido siga a agenda que foi escolhida pela população. Segundo ele, a população já mostrou que quer uma reorganização dos partidos.

O ex-presidente do BC avalia que há muito tempo não se via os candidatos "abraçando" as agendas do mercado. Franco também afirmou que acredita que a composição do Congresso não será um problema, pois o Parlamento deve ter o maior porcentual "pró-mercado" em muito tempo. "Viés pró-mercado vai transformar composição do Congresso. Acredito que as propostas liberais serão representadas no Congresso."

O economista criticou o governo atual, dizendo que, no momento, parece um "fim de feira" devido à "farra fiscal". Ele ressaltou que o País terá de recomeçar no ano que vem de uma base pior do que estávamos há quatro anos. "Os estragos feitos em dívida pública vão demorar muito para ser consertados." Franco completou que a administração de Michel Temer tentou corrigir vícios do governo Dilma Rousseff, mas as ações ficaram pela metade.

(Thaís Barcellos, Francisco Carlos de Assis e Cinthia Decloedt)

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade