Publicidade

Estado de Minas

Embraer vende 25 jatos para a United Airlines por US$ 1,1 bi

Anúncio do negócio foi feito na Inglaterra. O contrato, no valor de US$ 1,1 bilhão, assinado com a empresa norte-americana, prevê o fornecimento de 25 aviões do modelo E175, com entrega no início de 2019


postado em 17/07/2018 06:00 / atualizado em 17/07/2018 08:42

Com o contrato, as vendas do E175 para companhias aéreas norte-americanas somam mais de 400 jatos desde janeiro de 2013(foto: EMBRAER/DIVULGAÇÃO)
Com o contrato, as vendas do E175 para companhias aéreas norte-americanas somam mais de 400 jatos desde janeiro de 2013 (foto: EMBRAER/DIVULGAÇÃO)

São Paulo – A Embraer e a norte-americana United Airlines anunciaram ontem, durante o Farnborough Airshow, na Inglaterra, a assinatura de um pedido firme de 25 jatos E175, que serão configurados com 70 assentos. O contrato é avaliado em US$ 1,1 bilhão (preço de lista), e será incluído na carteira de pedidos do terceiro trimestre de 2018. As entregas têm início previsto no segundo trimestre de 2019. Com o contrato, as vendas do E175 para companhias aéreas norte-americanas somam mais de 400 jatos desde janeiro de 2013, concentrando mais de 80% do total de pedidos no segmento de jatos de 70 a 76 assentos.

Desde que entrou em operação, a família de E-Jets recebeu mais de 1.800 pedidos e mais de 1.400 aeronaves foram entregues, segundo informou a Embraer em comunicado. Segundo a companhia aérea brasileira, os E-Jets fazem parte da frota de mais de 70 clientes em 50 países.

No início do mês, a Embraer anunciou a formação de uma joint venture com a Boeing que vai abranger todos os negócios e serviços de aviação comercial da empresa brasileira. A companhia norte-americana vai pagar US$ 3,8 bilhões para ter 80% de controle da nova operação, estimada em um valor total de US$ 4,7 bilhões. A fabricante brasileira terá 20% da parceria.

A expectativa é de que a transação seja concluída em prazo de 12 a 18 meses até o final de 2019. As empresas precisam acertar os detalhes operacionais e financeiros do negócio, que deve passar por aprovação dos acionistas e dos órgãos reguladores. O governo brasileiro também tem o poder de interromper a parceria por ter mantido a chamada golden share após a privatização da empresa, em 1994.

GOL -
A companhia aérea Gol anunciou novo contrato com a Boeing para a aquisição adicional de 15 jatos 737-MAX 8, de modo que o total de pedidos vai a 135 aeronaves. Também serão convertidos 30 pedidos atuais de MAX 8 para 737 MAX 10.

“Este novo pedido reforça a estratégia de reduzir custos operacionais administrando uma frota padronizada e uma malha integrada, permitindo que a Gol continue a reduzir as tarifas nas rotas atendidas pela companhia e também a adicionar novos destinos. Estamos confiantes de que o 737 MAX 10 oferecerá vantagens competitivas significativas em rotas de alta densidade e em aeroportos com restrições de slots”, afirma o presidente da Gol, Paulo Kakinoff, por meio de nota.
O modelo 737 MAX 10 permite capacidade adicional de 30 passageiros em relação ao 737 MAX 8, e tem menor custo por assento, ainda conforme o comunicado.

Superávit

A balança comercial brasileira registrou superávit comercial de US$ 1,435 bilhão na segunda semana de julho (de 9 a 15). De acordo com dados divulgados ontem pelo Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC), o valor foi alcançado com exportações de US$ 5,016 bilhões e importações de US$ 3,581 bilhões. O mês de julho acumula superávit de US$ 2,457 bilhões até dia 15, 60,9% abaixo do registrado em todo o mês de julho de 2017, quando o resultado foi positivo em US$ 6,285 bilhões. No ano, o superávit comercial acumulado é de US$ 32,389 bilhões, queda de 16% em relação ao mesmo período de 2017.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade