Publicidade

Estado de Minas

Airbnb lança maior ofensiva comercial no mercado brasileiro


postado em 22/06/2018 06:00 / atualizado em 22/06/2018 08:39

(foto: Arte/Soraia Piva)
(foto: Arte/Soraia Piva)

O Airbnb, plataforma americana de compartilhamento de hospedagem, começa a colocar em prática sua maior ofensiva comercial no mercado brasileiro. Em vez de apenas oferecer produtos e serviços por internet ou aplicativo, fará parcerias com departamentos de turismo dos governos estaduais. O primeiro acordo foi firmado nesta semana com o governo de Santa Catarina e será o cartão de visitas para outros estados brasileiros. Os entes públicos e a empresa farão o cruzamento de dados para definir o melhor uso da plataforma em prol do desenvolvimento do turismo na região. No ano passado, Florianópolis registrou aumento de 133% no número de chegadas de hóspedes em relação a 2016, percentual acima da média nacional, que foi de 110%. O Airbnb também gerou receitas aos moradores da ilha. Na cidade, a renda extra anual de um anfitrião típico foi de R$ 7,6 mil em 2017. No Brasil, o valor médio ficou em R$ 5,6 mil.

"Eu me orgulho de tomar o mínimo de decisões possível em cada trimestre. Às vezes, consigo passar um trimestre inteiro sem tomar uma decisão sequer"
Reed Hastings, CEO da Netflix

Snoopy abre cafeteria no Brasil
Se os planos da empresária e publicitária Renata Vieira derem certo, o famoso personagem do cartoon Snoopy, da turma do Charlie Brown, será sinônimo de café no Brasil. Em parceria com o grupo Infinity, gestora de marcas como Hooters, Wendy´s e Jamie Oliver Brasil, ela inaugurou nesta semana em São Paulo o Snoopy Café. A marca foi licenciada junto à Peanuts nas Américas e prevê o uso da imagem do personagem para outras unidades.

1,11%
Foi a prévia da inflação de junho, segundo o IBGE. Trata-se da maior variação para o mês desde 1995

Vitamin World quer estrear no Brasil em 2019
A varejista americana Vitamin World, especializada em suplementos alimentares, irá inaugurar sua primeira loja no Brasil em 2019, a primeira fora dos Estados Unidos. A empresa está em busca de parceiros locais para estruturar uma rede de lojas em cidades como Rio de Janeiro e São Paulo. Segundo uma fonte ligada às negociações, a alta do dólar reduziu o número de brasileiros nas unidades da Vitamin no mercado americano. Já as vendas pela internet continuaram em alta.

Fundo de R$ 2,5 bilhões para a logística
O grupo australiano Goodman, presente no Brasil desde 2012, está criando um fundo de R$ 2,5 bilhões para investir na aquisição e construção de condomínios logísticos no país. O dinheiro, que será captado com parceiros globais como o Fundo de Pensão do Canadá, APG, First State Super e GIC, pode gerar mais de um milhão de metros quadrados de espaços logísticos, segundo cálculos de Cesar Nasser, CEO da Goodman no país.

RAPIDINHAS

A indústria de franquias tem impulsionado o mercado médico no país. Prova disso é o crescimento da MedicMais, rede de clínicas populares que pertence ao Grupo 10X, administrado pelo empresário David Pinto. Em apenas um ano de existência, a rede chegou a 70 unidades. Juntas, elas somam 60 mil atendimentos por mês.

Só na cidade de São Paulo, região que mais perdeu beneficiários de convênios médicos em 2017 – o número chegou a recordistas 160 mil baixas, segundo dados da FenaSaúde –, serão inauguradas 20 franquias nos próximos meses. Até o final de 2018, a rede deve alcançar a marca de 120 unidades franqueadas.

O tradicional mercado de franquias também pode ser sinônimo de inovação. A Giraffas, uma das maiores redes de fast-food do país, está inaugurando duas unidades em um formato inédito: as lojas funcionam em conteineres. O sistema requer menos investimentos que os estabelecimentos tradicionais e a implementação é bem mais rápida.

l As duas unidades conteineres ficam nas cidades de Posse e Cristalina, ambas em Goiás, mas a ideia é expandir o modelo para o país inteiro. Para ter uma franquia do Giraffas no novo formato, o investidor deverá desembolsar até R$ 500 mil, dependendo do tipo de projeto escolhido.

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade